Comportamento morfofisiológico de mudas de mamoeiro “Solo” produzidas com águas salinas e biofertilizante bovino

Janailma Lima de Oliveira

PPGA - UFPB - Areia Brasil

Tecnóloga em Agroecologia, Mestranda em Agronomia

José Lucínio de Oliveira Freire

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - câmpus Picuí/Professor do Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia Brasil

Professor, Doutor em Agronomia, Bacharel em Direito

Francisco Gauberto Barros dos Santos

IFCE/câmpus Crato/Professor Brasil

Professor, Tecnólogo em Irrigação, Doutor

Djair Alves de Melo

Professor/IFPB - campus Picuí Brasil

Professor do Curso de Agroecologia do IFPB - campus Picuí

Eliésia Carla de Medeiros Torres

IFPB/campus Picuí/Graduação Brasil

Tecnóloga em Agroecologia

Resumo

A salinidade hídrica se constitui em um dos fatores limitantes ao crescimento, desenvolvimento e produção das plantas no semiárido nordestino. Esta pesquisa objetivou avaliar a fenometria de mudas de mamoeiro (Carica papaya L.), variedade Sunrise Solo, em função da aplicação de biofertilizante bovino como possível atenuante do estresse salino nas plantas irrigadas com diferentes níveis de salinidade. O experimento foi instalado em blocos casualizados, com quatro repetições, em arranjo fatorial 5 x 2, correspondente a cinco níveis de condutividade elétrica da água de irrigação (0,5; 1,5; 2,5; 3,5 e 4,5 dS m-1), no substrato sem e com aplicação de biofertilizante bovino. A taxa de crescimento absoluto e relativo em altura, em diâmetro caulinar, área foliar, comprimento da raiz e fitomassa seca da parte aérea, da raiz e total do mamoeiro foram influenciados negativamente com o aumento da salinidade da água de irrigação. O insumo orgânico exerceu efeitos benéficos às plantas no que se refere ao crescimento em altura, diâmetro caulinar e fitomassa vegetal. O biofertilizante bovino não se mostrou eficiente em mitigar os efeitos deletérios dos sais às plantas.

Palavras-chave


agroecologia, Carica papaya L., estresse salino, salinidade


Texto completo:

DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n27p30-38

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 958

Total de downloads do artigo: 436