Avaliação fenoprodutiva e teores clorofilianos de rabanete sob fertilização com urina de vaca e cobertura morta

Francisco de Assis Bezerra Junior

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) - Campus Picuí Brasil

José Lucínio de Oliveira Freire

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) - Campus Picuí Brasil

Jandeilson Alves de Arruda

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) - Campus Picuí Brasil

Thiago Anderson Oliveira de Azevedo

Escola Estadual Professor Lordão Brasil

Luana Apoena Dantas

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) - Campus Picuí Brasil

Resumo

O rabanete (Raphanus sativus L.) é uma hortaliça de ciclo curto e que tem uma rápida demanda por nutrientes para crescer e produzir. Ante o número exíguo de relatos sobre fertilização orgânica com esta cultura, este trabalho foi conduzido no Setor de Produção Vegetal do Curso de Agroecologia do IFPB – campus Picuí – e objetivou avaliar os atributos de crescimento, os produtivos e índice de clorofila do rabanete em resposta à aplicação parcelada de urina de vaca, via solo, como alternativa de fertilização. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro repetições, em arranjo fatorial 6 x 2, correspondente a seis concentrações de urina de vaca (0,00%; 0,25%; 0,50%; 0,75%; 1,00% e 1,25% - v/v), aplicadas semanalmente, com e sem cobertura morta. As variáveis analisadas foram altura das plantas, número de folhas, área foliar, área foliar específica, índice de área foliar, índice de clorofila Falker a, b e total, diâmetros longitudinal e equatorial das raízes tuberosas, massa fresca da raiz tuberosa, comprimento da raiz axial, massa seca total, porcentagem de raiz tuberosa comercial, produtividade e produtividade de matéria seca. O uso da cobertura morta reduziu a área foliar específica, a matéria fresca e a produtividade do rabanete, independentemente da concentração de urina de vaca aplicada. O índice de clorofila foliar do rabanete foi superior nas plantas sem cobertura morta. Os rabanetes mais compridos foram obtidos nos substratos sem cobertura morta e urina de vaca a 0,51%. Possivelmente, em razão da produção de metabólitos secundários (aleloquímicos) oriundos da cobertura morta (palha de arroz), a aplicação de urina de vaca a 0,54% e sem cobertura morta proporcionou maior produtividade do rabanete. A concentração de urina de vaca de 0,38% proporcionou maior produtividade de matéria seca.

Palavras-chave


Raphanus sativa L.; Agroecologia; Produção orgânica


Texto completo:

Referências


ALENCAR, T. A. S. et al. Efeito de intervalos de aplicação de urina bovina na produção de alface em cultivo protegido. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 7, n. 3, p. 53-67, 2012.

BORELLA, J.; MARTINAZZO, E. G.; AUMONDE, T. Z. Atividade alelopática de extratos de folhas de Schinus molle L. sobre a germinação e o crescimento inicial do rabanete. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 398-404, 2011.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Equipe de pedologia e fertilidade do solo. I. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do Estado da Paraíba. Rio de Janeiro: Convênios MA/EPE-SUDENE/DRN,MA/CONTAP/USAID/ Brasil, 1972. 683p.

CARDOSO, A. I. I.; HIRAKI, H. Avaliação de doses e épocas de aplicação de nitrato de cálcio em cobertura na cultura do rabanete. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 19, n. 3, p. 328-331, 2001.

CORTEZ, J. W. M. Esterco de bovino e nitrogênio na cultura de rabanete. 2009. 62 p. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal)–Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Jaboticabal, 2009.

COSTA, C. et al. Crescimento, produtividade e qualidade de raízes de rabanete cultivadas sob diferentes fontes e doses de adubos orgânicos. Horticultura Brasileira, Brasília, n. 24, p.118-122, 2006.

DANTAS, A. E. A. et al. Efeitos de níveis e fontes de fertilizantes orgânicos na cultura do rabanete (Raphanus sativus L.). In: CONGRESSO TÉCNICO CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA, 2015, Fortaleza. Anais... Fortaleza: CONTECC, 2015.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Manual de métodos de análise do solo. 3ª ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. 230p.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos 2ª ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2013. 306p.

FALKER AUTOMAÇÃO AGRÍCOLA LTDA. Equipamento eletrônico portátil para medição do teor de clorofila em plantas. BUAES, A.G.;

DELVAN, F.H.; SILVA, M.A.M. Patente Brasileira, Int. Cl. G01N 21/25, BR PI0705579-0 A2, 2008.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência Agrotecnologia, Lavras-MG, n. 35, v. 6, p. 1039-1042, 2011.

LEITE, I. C. Estudos ecológicos de Raphanus sativus L. cv. Crimson Giant no efeito do comportamento térmico do solo. Monografia (Graduação em Agronomia)–Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 1976. 122 p.

MARTIN, T. N. et al. Uso do software ImageJ na estimativa de área foliar para a cultura do feijão. Interciência, v. 38, n. 12, p. 843-848, 2013.

MATOS, R. M. et al. Características foliares e índice de colheita do rabanete irrigado com água residuária em ambiente protegido. Enciclopédia Biosfera – Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 11, n. 21, p. 372-386, 2015.

MOURA, P. M. et al. Efeito da compactação em dois solos de classes texturais diferentes na cultura do rabanete. Revista Caatinga, Mossoró, v. 21, p. 107-112, 2008.

PANTANO, S. C. et al. Produção e qualidade de seis cultivares de rabanete em função da idade de colheita. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 19, n. 2, 2001.

PEIXOTO, C. P.; CRUZ, T. V.; PEIXOTO, M. F. S. P. Análise quantitativa do crescimento de plantas: conceitos e prática. Enciclopédia Biosfera – Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 7, n. 13, p. 51-76, 2011.

PEREIRA, A. J. et al. Efeitos de níveis de reposição e frequências de irrigação sobre a produção e qualidade do rabanete. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 3, n. 1, p. 117-120, 1999.

PICUÍ. PB, Coordenadas Geográficas, 2017. Disponível em: http://www.geografos.com.br/cidades-paraiba/picui.php. Acesso em: 7 jan. 2017.

SANTOS, V. M. et al. Análise do crescimento de rabanete em função de períodos de convivência com plantas daninhas. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, Viçosa-MG, v. 5, n. 1, p. 121-129, 2015.

SILV A, R. T. et al. Tolerância do rabanete ao encharcamento do solo. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 7, n. 1, p. 25-33, 2012.

TORRES, C. A. S. et al. Avaliação da densidade de plantio sobre a produção e diâmetro de rabanete. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 21, n. 2, 2003.

VITTI, M. R. et al. Resposta do rabanete a adubação orgânica em ambiente protegido. Revista Brasileira de Agroecologia, Mossoró, n. 2, v. 1, p. 1158-1161, 2007.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n42p31-40

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1434

Total de downloads do artigo: 1451