Sazonalidade da mesofauna edáfica em fragmentos de vegetação de caatinga no semiárido nordestino do Brasil

Mayara Andrade Souza

ORCID iD Centro Universitário Cesmac (CESMAC) Brasil

Kallianna Dantas Araujo

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus João Pessoa Brasil

Élida Monique da Costa Santos

ORCID iD Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Brasil

Gilcean Silva Alves

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus João Pessoa Brasil

João Gomes da Costa

Centro Universitário Cesmac (CESMAC) Brasil

Resumo

A mesofauna edáfica compreende os organismos decompositores da serapilheira depositada na superfície que participam diretamente do processo de ciclagem de nutrientes e da formação da matéria orgânica, essenciais para manter a qualidade do solo. Dessa forma, objetivou-se quantificar a abundância, riqueza e diversidade da mesofauna edáfica em ambientes de caatinga no Semiárido de Alagoas. Para esta pesquisa foram selecionadas duas áreas de caatinga nativa, localizadas em Olho D’Água do Casado (área I) e Delmiro Gouveia (área II), no estado de Alagoas, em áreas de vegetação caracterizada como caatinga hipoxerófila. As coletas foram realizadas bimestralmente no período de fevereiro de 2012 a outubro de 2013. Para a coleta da mesofauna, foram utilizados vinte pontos pré-selecionados, de onde foram retiradas amostras de solo + serapilheira, com auxílio de anéis metálicos, a 5 cm de profundidade do solo. As amostras foram levadas à bateria de extratores Berlese-Tullgren modificada para a extração dos organismos, e posteriormente os organismos capturados foram quantificados e identificados na ordem dos grandes grupos taxonômicos. Para mensurar a riqueza dos grupos, utilizaram-se o Índice de Diversidade de Shannon e o Índice de Equabilidade de Pielou. Os grupos dominantes da mesofauna do solo na área I foram Acarina, Collembola, Isoptera e Psocoptera, enquanto na área II foram Acarina, Collembola, Psocoptera e Hymenoptera.

Palavras-chave


Semiárido; Biodiversidade; Organismos do solo; Conservação do solo


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, M. A. X.; SOUTO, J. S.; SOUTO, P. C. Composição e sazonalidade da mesofauna do solo do semiárido paraibano. Revista Verde, Pombal, v. 8, n. 4, p. 214-222, out.-dez. 2013. Disponível em: https://gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/2182/2115. Acesso em: 20 dez. 2019.

ANDRADE, R. L. et al. Deposição de serapilheira em área de caatinga na RPPN “Fazenda Tamanduá”, Santa Terezinha - PB. Revista Caatinga, Mossoró, v. 21, n. 2, p. 223-230, 2008. DOI: 10.30969/acsa.v12i4.861. Disponível em: http://revistas.ufcg.edu.br/acsa/index.php/ACSA/article/view/861. Acesso em: 20 nov. 2019.

ARAUJO, K. D. et al. Grupos taxonômicos da macro e mesofauna edáfica em área de Caatinga. Revista Verde, Pombal, v. 4, n. 4, p. 122-130, out-nov. 2009a. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/223/0. Acesso em: 20 out. 2019.

ARAUJO, K. D. et al. Influência da precipitação pluvial sobre a mesofauna invertebrada do solo em área de Caatinga no Semiárido da Paraíba. Geoambiente On-line, Jataí, n. 12, p. 1-12, jan.-jun. 2009b. DOI: 10.5216/rev. geoambie.v0i12.25979. Disponível em: https://revistas.ufg.br/geoambiente/article/view/25979. Acesso em: 10 out. 2019.

BERUDE, M. C. et al. A mesofauna do solo e sua importância como bioindicadora. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 11, n. 22, p. 14-28, jan.-dez. 2015. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2015E/A%20MESOFAUNA.pdf. Acesso em: 3 out. 2019.

CONTI, J. B.; FURLAN, S. A. Geoecologia: o clima, os solos e a biota. In: ROSS, J. L. S. (org.). Geografia do Brasil. 6. ed. São Paulo: EDUSP, 2009. p. 67-198.

CÓRDOVA, M.; CHAVES, C. L.; COIMBRA, S. M. Fauna do solo x vegetação: estudo comparativo da diversidade edáfica em áreas de vegetação nativa e povoamentos de Pinus sp. Geoambiente On-line, Jataí, n. 12, p. 30-41, jan.-jun. 2009. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/geoambiente/article/view/25981/14950. Acesso em: 17 abr. 2020.

COSTA, C.; IDE, S.; SIMONKA, C. E. Insetos imaturos: metamorfose e identificação. Ribeirão Preto: Holos Editora, 2006.

DCA – DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS. Dados climatológicos do estado de Alagoas. Campina Grande: CTRN-UFCG, 2006. Disponível em: http://www.dca.ufcg.edu.br/clima/dadosal.htm. Acesso em: 20 abr. 2013.

DIAS, P. F. et al. Efeito de leguminosas arbóreas sobre a macrofauna do solo em pastagem de Brachiaria brizantha cv. Marandu. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 37, n. 1, p. 38-44, mar. 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/pat/article/view/1863. Acesso em: 15 set. 2019.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISAS AGROPECUÁRIAS. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.

GIRACCA, E. M. N. et al. Levantamento da meso e macrofauna do solo na microbacia do Arroio Lino, Agudo/RS. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 9, n. 3, p. 257-261, jun.-set. 2003. Disponível em: http://www2.ufpel.edu.br/faem/agrociencia/v9n3/artigo13.pdf. Acesso em: 12 out. 2019.

HOFFMANN, R. B. et al. Diversidade da mesofauna edáfica como bioindicadora para o manejo do solo em Areia, Paraíba, Brasil. Revista Caatinga, Mossoró, v. 22, n. 3, p. 121-125, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/caatinga/article/view/1015. Acesso em: 13 jul. 2019.

LIMA, I. F. Fundamentos geográficos do meio físico do Estado de Alagoas. Série Estudo de Regionalização, Maceió, v. 3, 1977. 93 p.

LOURENTE, E. R. P. et al. Macrofauna edáfica e sua interação com atributos químicos e físicos do solo sob diferentes sistemas de manejo. Acta Scientiarum: Agronomy, Maringá, v. 29, n. 1, p. 17-22, mar. 2007. DOI: 10.4025/actasciagron.v29i1.60. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciAgron/article/view/60. Acesso em: 5 jul. 2019.

MOÇO, M. K. S. et al. Caracterização da fauna edáfica em diferentes coberturas vegetais na região norte Fluminense. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 29, n. 4, p. 555-564, jul.-ago. 2005. DOI: 10.1590/S0100-06832005000400008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-06832005000400008. Acesso em: 12 jul. 2019.

NUNES, L. A. P. L. et al. Caracterização da fauna edáfica em sistemas de manejo para produção de forragens no Estado do Piauí. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 43, n. 1, p. 30-37, jan.-mar. 2012. DOI: 10.1590/S1806-66902012000100004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-66902012000100004. Acesso em: 29 jul. 2019.

OLIVEIRA, E. M.; SOUTO, J. S. Mesofauna edáfica como indicadora de áreas degradadas. Revista Verde, Pombal, v. 6, n. 1, p. 1-9, jan.-fev. 2011. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/423. Acesso em: 25 ago. 2019.

PRADO, D. E. As caatingas da América do Sul. In: LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. (ed.). Ecologia e conservação da Caatinga. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2003. Cap. 1, p. 3-74.

RIEF, G. C. Monitoramento de ácaros e colêmbolos como potenciais indicadores biológicos da qualidade do solo. 2010. 59 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) – Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

SANTOS, J. E. B. et al. Mesofauna do solo em remanescente de Caatinga, Santana do Ipanema, Alagoas. Ciência Agrícola, v. 15, número suplementar, p. 13-17, 2017. DOI: 10.28998/rca.v15i0.3627. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/revistacienciaagricola/article/view/3627. Acesso em: 15 out. 2019.

SCHUMACHER, M. V. et al. Produção de serapilheira em uma floresta de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze no município de Pinhal Grande-RS. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 1, p. 29-37, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rarv/v28n1/a05v28n1.pdf. Acesso em: 18 ago. 2019.

SILVA, J. et al. Fauna do solo em sistemas de manejo com café. Journal of Biotechnology and Biodiversity, Tocantins, v. 3, n. 2, p. 59-71, 2012. DOI: 10.20873/jbb.uft.cemaf.v3n2.silva. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/263/183. Acesso em: 17 set. 2019.

SOUTO, P. C. Acumulação e decomposição da serapilheira e distribuição de organismos edáficos em área de caatinga na Paraíba, Brasil. 150 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2006.

SOUTO, P. C. et al. Comunidade microbiana e mesofauna edáficas em solo sob caatinga no semi-árido da Paraíba. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 32, n. 32, n. 1, p. 151-160, 2008. DOI: 10.1590/S0100-06832008000100015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-06832008000100015. Acesso em: 28 jul. 2019.

TRIPLEHORN, C. A.; JOHNSON, N. F. Estudo dos insetos. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 809 p.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n50p64-71

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1310

Total de downloads do artigo: 873