Pegada Ecológica: uma ferramenta utilizada como indicador e conscientizador do consumo, aplicado na UNG Universidade, Guarulhos/SP

Regina de Oliveira Moraes Arruda

ORCID iD Universidade Guarulhos (UNG) Brasil

Fernanda Dall'Ara Azevedo

ORCID iD Universidade Guarulhos (UNG) Brasil

Fabricio Bau Dalmas

Universidade Guarulhos (UNG) Brasil

Resumo

Entre as funções de uma universidade, tem-se o ensino, a pesquisa e a extensão. A fim de colaborar nas ações de extensão, dentro da Semana do Consumo Consciente, 2016, o Mestrado em Análise Geoambiental da UNG Universidade sugeriu a aplicação do questionário sobre a Pegada Ecológica, instrumento que foi desenvolvido e amplamente divulgado pelo Fundo Mundial para a Natureza - Brasil (WWF – Brasil). As ações foram realizadas nos três campi da universidade: Centro, Dutra e Itaquaquecetuba, contemplando cerca de 1.000 alunos. Os alunos responderam ao questionário com 18 questões, e, após a somatória dos pontos, os respondentes puderam ser classificados de acordo com a quantidade de recursos naturais renováveis para manter seu padrão de vida e de quantos planetas seriam necessários para manter esse consumo, caso todas as pessoas do planeta tivessem esse mesmo nível de consumo. Com o resultado da aplicação desse questionário, pôde-se visualizar que os alunos da Universidade UNG necessitam, em média, de 2,8 planetas para manter seu consumo de vida, valor superior à média brasileira que é de 1,6 e bem próxima à média do Reino Unido que é 3,0. Quando se trata de Consumo Consciente, é importante cada pessoa realizar o exercício de quantificar e refletir sobre seu estilo de vida. Assim, essa atividade de extensão cumpriu seus objetivos, pois a discussão sobre o consumo foi perceptível ao observar os alunos conversando e verificando quanto são consumistas e que o Consumo Consciente não se reduz a “compras”, mas também à moradia, alimentação, resíduo e transporte.

Palavras-chave


Pegada ecológica; Consumo consciente; Atividade de extensão


Texto completo:

Referências


ATLAS DO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL. Rio de Janeiro, PNUD, IPEA, Fundação João Pinheiro, 2013. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/home/. Acesso em: 27 set. 2016.

BRASIL - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico, 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 13 fev. 2017.

CERVI, J. L.; CARVALHO, P. G. M. A. Pegada Ecológica: breve panorama do estado das artes do indicador de sustentabilidade no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA ECOLÓGICA, 7., 2007, Fortaleza. Anais... Fortaleza: UNIFOR, 2007. Disponível em: http://ecoeco.org.br/conteudo/publicacoes/encontros/vii_en/mesa3/trabalhos/a_pegada_ecologica_breve_panorama.pdf. Acesso em: 19 abr. 2017.

CIDIN, R. D. C. P. J.; SILVA, R. S. Pegada Ecológica: Instrumento de avaliação dos impactos antrópicos no meio natural. Estudos Geográficos, v. 2, n. 1, p. 43- 52. Disponível em: http://www.cchla.ufrn.br/geoesp/arquivos/artigos/ArtigoAmbienteImpactos2.pdf. Acesso em: 20 set. 2016.

GUIMARÃES, R. P.; FEICHAS, S. A. Q. Desafios na construção de indicadores de sustentabilidade. Ambiente & Sociedade, v. 12, n. 2, p. 307-323, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/asoc/v12n2/a07v12n2. Acesso em: 20 set. 2016.

IUCN; UNEP; WWF. The World Conservation Strategy: Living Resource Conservation for Sustainable Development. International Union for Conservation of Nature (IUCN), United Nations Environment Programme (UNEP) and World Wide Fund for Nature (WWF), Gland, Switzerland, 1980.

LAMIM-GUEDES, V. Pegada ecológica como recurso didático em atividades de educação ambiental on-line. Educação Unisinos, v. 19, n. 2, p. 283-289, 2015.

MADURO-ABREU, A. et al. Os limites da Pegada Ecológica. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 19, p. 73-87, 2009.

ORSI, R. A. Reflexões sobre o desenvolvimento e a sustentabilidade: o que o IDH e o IDHm podem nos mostrar? 2009. 171 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências e Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2009.

PNUD – Programa das Nações Unidas pelo Desenvolvimento. Rio de Janeiro, PNUD, IPEA, Fundação João Pinheiro, 2011. Disponível em: http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/. Acesso em: 27 set. 2016.

REES, W. E. Ecological footprints and appropriated carrying capacity: what urban economics leaves out. Environment and urbanization, v. 4, n. 2, p. 121-130, 1992.

RIBEIRO, A. G. A. et al. A pegada ecológica dos alunos do 1º período do curso de Pedagogia do UNIARAXÁ. Revista Evidência, v. 12, n. 12, 2016.

SANTOS PINTO, C. et al. Somos sustentáveis? Análise da pegada ecológica com alunos de graduação da Universidade Federal do Pampa. In: SALÃO INTERNACIONAL DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 7., 2016, Anais.... Bagé: UNIPAMPA, 2016. Disponível em: http://publicase.unipampa.edu.br/index.php/siepe/article/view/1482. Acesso em: 20 set. 2016.

SEADE – Sistema Estadual de Análise de Dados. 2017. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/projpop/index.php. Acesso em: 13 fev. 2017.

SICHE R. et al. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & sociedade, v. 10, n. 2, p.137-148, 2007.

VEIGA, J. E. D. Indicadores socioambientais: evolução e perspectivas. Revista de Economia Política, v. 29, n. 4, p. 421-435, 2009.

WCED, World Commission on Environment and Development. Our Common Future. Oxford, U.K.: Oxford University Press, 1987. 383 p.

WWF-BRASIL. Fundo Mundial para a Natureza. Disponível em: http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/especiais/pegada_ecologica/. Acesso em: 20 abr. 2016.

TEIXEIRA, M. F. F. B. Pegada ecológica e políticas públicas: Estudo de caso de três cidades brasileiras. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, v. 19, p. 15-28, 2012.

UNDERWOOD, A. J. Experiments in ecology: their logical design and interpretation using analysis of variance. University of Cambridge, United Kingdon, Cambridge, 1997, 502 p.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n33p108-115

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1878

Total de downloads do artigo: 1630