Motivação autodeterminada e docência no Instituto Federal da Paraíba: investigação com professores do campus Itaporanga

Isaiane Rozado Pereira

ORCID iD Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

José Janiedson Galdino da Silva

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Pedro Victor Jó Bastos

ORCID iD Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Maria Edisandy Bezerra dos Santos

ORCID iD Centro Universitário de Patos (UNIFIP) Brasil

Marlon Tardelly Morais Cavalcante

ORCID iD Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Maria Clerya Alvino Leite

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Resumo

O objetivo deste trabalho foi investigar a motivação no contexto escolar dos docentes da rede pública federal de ensino do Instituto Federal da Paraíba, campus Itaporanga, por meio da teoria da autodeterminação. Trata-se de uma pesquisa quantitativa realizada com 15 docentes em exercício no referido campus. O instrumento de coleta utilizado foi um questionário virtual desenvolvido via Google Forms. O referido instrumento continha um roteiro com os dados sociodemográficos e a Escala de Motivação Docente (EMD), já validada no Brasil. A referida escala apresenta 23 itens, distribuídos em cinco dimensões: Desempenho, Desenvolvimento, Prática Docente, Formação Continuada e Inserção Institucional. A dimensão inserção institucional possui menor aproximação com a motivação autodeterminada, ao passo que, a dimensão desenvolvimento se constituiu com maior aproximação. Portanto, partindo da literatura de que quanto mais próximo de 5 forem as respostas na escala Likert, mais autodeterminada é a motivação, conclui-se que os docentes participantes estão incluídos, sobretudo, na etapa de motivação extrínseca do tipo motivação integrada e, portanto, a mais autodeterminada.

Palavras-chave


Escala de motivação docente; Motivação autodeterminada; Trabalho docente


Texto completo:

Referências


ALENCAR, E. M. L. S; MARTINEZ, A. M. Barreiras à expressão da criatividade entre profissionais brasileiros, cubanos e portugueses. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 2, n. 1, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85571998000100003.

BACCON, A. L. P. O professor como um lugar: um modelo para análise da regência de classe. Curitiba: Honoris Causa, 2011.

BATISTA, S. M. M.; MENDES SOBRINHO, J. A. C. Prática docente reflexiva crítica como possibilidade de formação continuada de professores do ensino superior. In: FÓRUM INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA, 8., 2016. Anais [...], 2016. Editora Realize: Campina Grande, 2016. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/anais/fiped/2016/TRABALHO_EV057_MD1_SA32_ID1005_05082016222314.pdf. Acesso em: 21 mar. 2022.

BRASIL. Lei n°. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 22 mar. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro, com base nos dados do censo escolar de 2007. Brasília, DF, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/estudoprofessor.pdf. Acesso em: 22 mar. 2022.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes. Conselho Nacional de Saúde, 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 22 mar. 2022.

CABRAL, F. M. S; CARVALHO, M. A. V; RAMOS, R. M. Dificuldades no relacionamento professor/aluno: um desafio a superar. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 14, n. 29, p. 327-355, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-863X2004000300008.

CAMARGO, C. A. C. M; CAMARGO, M. A. F; SOUZA, V. O. A importância da motivação no processo ensino-aprendizagem. Revista Thema, Pelotas, v. 16, n. 3, p. 598-606, 2019. DOI: https://doi.org/10.15536/thema.V16.2019.598-606.1284.

CERNEV, F. K; HENTSCHKE, L. A teoria da autodeterminação e as influências das necessidades psicológicas básicas na motivação dos professores de música. Revista da ABEM, Londrina, v. 20, n. 29, p. 88-102, 2012. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/93. Acesso em: 01 abr. 2022.

CHEETHAM, G; CHIVERS, G. A. New look at competente professional practice. Journal of European Industrial Training, v. 24, n. 7, p. 374-383, 2000. DOI: https://doi.org/10.1108/03090590010349827.

CHEETHAM, G; CHIVERS, G. A. Professions, competence and informal learning. Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2005.

COUTINHO FILHO, E. F.; SILVA, E. C. S.; SILVA, L. B.; COUTINHO, A. S. Avaliação do conforto ambiental em uma escola municipal de João Pessoa. In: ENCONTRO DE EXTENSÃO, ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA, 9., 10., 2014. Anais [...], 2007.Disponível em: http://www.prac.ufpb.br/anais/IXEnex/extensao/documentos/anais/5.MEIOAMBIENTE/5CTDEPPEX01.pdf. Acesso em: 01 abr. 2022.

DAVOGLIO, T. R; SANTOS, B. S. Escala de motivação docente: desenvolvimento

e validação. Educar em Revista, Curitiba, n. 65, p. 201-218, jul./set. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.47470.

DAVOGLIO, T. R; SPAGNOLO, C; SANTOS, B. S. Motivação para a permanência na profissão: a percepção dos docentes universitários. Psicologia Escolar e Educacional, v. 21, n. 2, p. 175-182, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539201702121099.

DECI, E. L. Effects of externally mediated rewards on intrinsic motivation. Journal of Personality and Social Psychology, Washington, v. 18, n. 1, p. 105-115, 1971. DOI: https://psycnet.apa.org/doi/10.1037/h0030644.

DECI, E. L.; RYAN, R. M. Self-determination theory: a macrotheory of human

motivation, development, and health. Canadian Psychology/Phycologie Canadienne, Winnipeg, v. 49, n. 3, p. 182-185, 2008. DOI: https://psycnet.apa.org/doi/10.1037/a0012801.

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F. A qualidade da educação: perspectivas e desafios. Caderno CEDES, Campinas, v. 29, n. 78, p. 201-215, maio/ago. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622009000200004.

GAGNÉ, M.; DECI, E. L. Self-determination theory and work motivation. Journal

of Organizational Behavior, v. 26, n. 4, p. 331-362, 2005. DOI: https://psycnet.apa.org/doi/10.1002/job.322.

GANDRA, L. P.; FIGUEIREDO, C. V. S. Formação de professores/educação profissional: o perfil do docente ingressante no IFMS Campus Coxim. Holos, Natal, ano 30, v. 2, p. 47-56, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.15628/holos.2014.1992.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Altas, 2017.

GUERRA, M. S. A escola que aprende. 2. ed. Porto: ASA, 2000.

GUTERRES, R. A; PINO, J. C. Um olhar para o docente do ensino público municipal de Alegrete-RS. Cadernos de Educação, Tecnologia e Sociedade, v. 12, n. 2, p. 179-189, 2019. Disponível em: https://redib.org/Record/oai_articulo2161762-um-olhar-para-o-docente-do-ensino-p%C3%BAblico-municipal-de-alegrete-rs. Acesso em: 01 abr. 2022.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. REGIC: regiões de influência das cidades, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/cartas-e-mapas/redes-geograficas/15798-regioes-de-influencia-das-cidades.html. Acesso em: 08 abr. 2022.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidades, 2022. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=250700. Acesso em: 11 abr. 2022.

IFPB – INSTITUTO FEDERAL DA PARAÍBA. Número de docentes em exercício no IFPB – Campus Itaporanga no ano letivo de 2019. Diretoria de Desenvolvimento do Ensino, Itaporanga, 2019.

IÓRIO, A. C. F; LELIS, I. A. O. M. Precarização do trabalho docente numa escola de rede privada do subúrbio carioca. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 45, n. 155, p. 138-154, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/198053142815.

ISAIA, S. M. A. Desafios à docência superior: pressupostos a considerar. In: RISTOFF, R; SEVEGNANI, P (org.). Docência na educação superior. Brasília: INEP, 2006. v. 5, p. 63-84. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/diversas/temas_da_educacao_superior/docencia_na_educacao_superior.pdf. Acesso em: 01 abr. 2022.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MIRANDA, M. R. A. C. O impacto da desmotivação no desempenho de professores. Dissertação (Mestrado) – Universidade Católica Portuguesa, Porto, 2012. Disponível em: https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/11906. Acesso em: 08 abr. 2022.

MICELI, M. Z. D. A importância da formação continuada de professores. 2017. Disponível em:http://educacao.estadao.com.br/blogs/blog-dos-colegios-santaamalia/a-importancia-da-formacao-continuada-de-professores/. Acesso em: 28 ago. 2019.

MELEIRO, A. M. A. S. O stress do professor. In: LIPP, M. E. N. (org.). O stress do professor. Campinas: Papirus, 2002, p.11-27.

NÓVOA, A. Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1995.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000400003.

OLIVEIRA, J. E. B. M. A motivação ética no processo de ensino/aprendizagem na formação de professores do ensino fundamental. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: https://ppge.educacao.ufrj.br/teses/tese_joao_eduardo_bastos_malheiro_de_oliveira.pdf. Acesso em: 01 abr. 2022.

OLIVEIRA, R. S; SALES, M. A. O. Professor leigo: releituras sobre os saberes profissionais na Educação Profissional e Tecnológica. In: COLÓQUIO DOCÊNCIA E DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA: POLÍTICAS, PRÁTICAS E FORMAÇÃO, 2., 2015. Anais [...]. Salvador: EDUNEB, v. 1, p. 187-200, 2015. Disponível em: http://anaissegundocoloquiouneb.blogspot.com/. Acesso em: 01 abr. 2022.

OLIVEIRA, R. S. Ser professor na Educação Profissional e Tecnológica: fazeres e saberes docentes no IF Sertão-PE. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação e Diversidade) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2016. Disponível em: http://www.saberaberto.uneb.br/handle/20.500.11896/358. Acesso em: 01 abr. 2022.

OLIVEIRA, R. S.; SALES, M. A; SILVA, A. L. G. Professor por acaso? A docência nos Institutos Federais. Revista Profissão Docente, Uberaba, v. 17, n. 37, p. 5-16, 2017. DOI: https://doi.org/10.31496/rpd.v17i37.1115.

OLIVEIRA, R. C; GOIS, J. Motivação dos docentes nos cursos de Licenciatura em Química no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Revista Principia, João Pessoa, v. 59, n. 1, p. 95-108, 2022. DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id4520.

PENA, G. A. C. Formação docente e aprendizagem da docência: um olhar sobre a educação profissional. Educação em Perspectiva, Viçosa, MG, v. 2, n. 1, p. 98-118, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/educacaoemperspectiva/article/view/6491. Acesso em: 01 abr. 2022.

PIZANI, J; BARBOSA-RINALDI, I. P; MIRANDA, A. C. M.; VIEIRA, L. F. (Des) motivação na educação física escolar: uma análise a partir da teoria da autodeterminação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 38, n. 3, p. 259-266, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rbce.2015.11.010.

POSSATO, A. B; MONTEIRO, P. O.; GUIMARÃES, J. C. Perfil sociodemográfico e identidade dos docentes da educação profissional na área de tecnologia da informação e comunicação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 45, n. 1, p.-138-156, jan./abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.26849/bts.v45i1.741.

REEVE, J. Motivação e emoção. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2006.

RYAN, R. M; DECI, E. L. Intrinsic and extrinsic motivations: classic definitions and new directions. Contemporary Educational Psychology, v. 25, n. 1, p. 54-67, 2000. DOI: https://doi.org/10.1006/ceps.1999.1020.

RYAN, R. M. DECI, E. L. Self-regulation and the problem of human autonomy: does Psychology need choice, self-determination, and will? Journal of Personality, v. 74, n. 6, p. 1557-1585, 2006. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-6494.2006.00420.x.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. Self-determination theory and the facilitation of intrinsic

motivation, social development, and well-being. American Psychologist, Washington, v. 55, n. 1, p. 68-78, 2000. DOI: https://doi.apa.org/doi/10.1037/0003-066X.55.1.68.

SANTOS, L. M. Motivação autodeterminada dos professores das áreas de Ciências Exatas, da Terra e Biológicas. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Química) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Ipojuca, 2021. Disponível em: https://repositorio.ifpe.edu.br/xmlui/handle/123456789/259. Acesso em: 08 abr. 2022.

SANTOS, B. S; ANTUNES, D. D. Formação docente: processos motivacionais e subjetividade. In: BEZERRA, A A. C; NASCIMENTO, M. B. C (org.). Educação e formação de professores: questões contemporâneas. Fortaleza: Edições UFC, 2013. p. 297-332.

SETEC. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Um novo modelo em Educação Profissional e Tecnológica. Concepção e diretrizes. Brasília: SETEC, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6691-if-concepcaoediretrizes&Itemid=30192. Acesso em: 04 abr. 2022.

SOUTO, R. M. A. O abandono do magistério entre os profissionais egressos da licenciatura em matemática da UFSJ – indícios sobre a condição docente no Brasil. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 7., 2013. Atas [...], Montevidéu, p. 4555-4562, 2013. Disponível em: http://funes.uniandes.edu.co/19778/1/Alves2013O.pdf. Acesso em: 01 abr. 2022.

SOUZA, D. G; MIRANDA, J. C; GONZAGA, G. R; SOUZA, F. S. Desafios da prática docente. Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 17, ed. 19, 2017. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/17/19/desafios-da-prtica-docente. Acesso em: 01 abr. 2022.

WALLON, H. A psicologia e educação da criança. Lisboa: Veja Editora, 1979.

ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ZANELLA, C. As dificuldades que os professores enfrentam em sala de aula nos anos iniciais da docência. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 11., 2013. Anais [...]. Curitiba: Educere, 2013. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/anais2013/pdf/9875_6234.pdf. Acesso em: 01 abr. 2022.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id6665

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 89

Total de downloads do artigo: 26