Geotecnologias aplicadas à análise de risco a desastres ambientais de um conjunto habitacional

Pauline Lima de Brito

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Arilde Franco Alves

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Hamilcar José Almeida Filgueira

ORCID iD Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Resumo

A falta de planejamento urbano tem propiciado o aumento do uso e ocupação do solo de áreas ambientalmente inadequadas, o que deixa sua população residente vulnerável a risco de desastres. A análise de risco define condições espaciais e temporais e indica a probabilidade de danos, além de contribuir para a redução e controle, por meio do gerenciamento de risco. Este trabalho teve por objetivo fazer a análise de risco a desastres no Conjunto Habitacional Monte Cassino, localizado no bairro Jaguaribe, em João Pessoa- PB, a partir de visitas in loco e do uso de geotecnologias. A metodologia utilizada se fundamentou no Roteiro de Cadastro Emergencial de Riscos de Deslizamentos, proposto pelo Ministério das Cidades, e na Norma de Inspeção Predial, do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo. Para a confecção dos mapas temáticos, foram realizados: levantamento dos dados topográficos, coletas de dados descritivos de cada lote e residência, consultas informais com moradores e processamento e análise espacial dos dados digitais. Os principais resultados obtidos apontaram que, dos 250 lotes, 48 apresentaram grau de risco “Muito alto”, havendo a necessidade de remoção imediata de 190 pessoas; e 12 lotes apresentaram grau de risco “Alto”, os quais precisam ser monitorados constantemente. O estudo mostrou-se, portanto, bastante eficaz para o diagnóstico dos impactos ambientais regidos pela legislação de ordenamento territorial municipal.

Palavras-chave


Uso e ocupação do solo; Habitação Popular; Gerenciamento de Risco; Desmoronamento


Texto completo:

Referências


ALHEIROS, M. M. Políticas Públicas em Prevenção de Riscos Socioambientais. In.: BRASIL, Ministério das Cidades. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Gestão e Mapeamento de Riscos Socioambientais: Curso de Capacitação. Brasília, 2008.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Casa Civil, 1988.

______. Leis e Decretos. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Brasília: Casa Civil, 1981.

______. Leis e decretos. Lei nº 12.727, de 17 de Outubro de 2012. Brasília: Casa Civil, 2012.

______. Leis e decretos. Lei nº 6.766, de 19 de Dezembro de 1979. Brasília: Casa Civil, 1979.

______. Leis e decretos. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Brasília: Casa Civil, 2001.

______. Leis e decretos. Lei nº 11.977, de 07 de julho de 2009. Brasília: Casa Civil, 2009.

______. Ministério das Cidades. Guia para regulamentação e implementação de Zonas Especiais de Interesse Social – ZEIS em Vazios Urbanos. Brasília, 2009.

______. Ministério das Cidades. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Gestão e Mapeamento de Riscos Socioambientais: Curso de Capacitação. Brasília, 2008.

CARVALHO, C. S.; MACEDO, E. S.; ORGURA, A. T. (orgs.). Mapeamento de Riscos em Encostas e Margem de Rios. Ministério das Cidades, Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT. Brasília, 2007.

CLARO, A. et al. Patologia das edificações. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Tecnológico - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2003.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resoluções vigentes publicadas entre setembro de 1984 e janeiro de 2012. Brasília: Edição Especial, 2012.

CUNHA, J. G. D. da. O uso de Tecnologias da geoinformação no apoio às ações estruturais de redução de risco em encostas. Dissertação (Mestrado em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação) – Departamento de Engenharia Cartográfica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

IBAPESP. INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO. Normas de Inspeção Predial IBAPE-SP. 2011.

JOÃO PESSOA. Prefeitura Municipal. Plano Diretor de João Pessoa, 2009.

______. Prefeitura Municipal. Código Ambiental Municipal de João Pessoa, 2002.

MESQUITA, R. V. ...E a água levou. Planeta, São Paulo, 3ª ed., a. 40, n. 474, mar., 2012. Disponível em: https://www.revistaplaneta.com.br/e-a-agua-levou/. Acesso em: 31 jan. 2018.

MILARÉ, E. Direito do ambiente. 6ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

SILVA, M. da G. P. A utilização de áreas vedadas ao parcelamento do solo para implantação de conjuntos habitacionais de interesse social. (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo – FAUUSP, São Paulo), 2007. Disponível em: http://ibdu.org.br/eficiente/repositorio/Projetos-de-Pesquisa/congressos-e-seminarios/sao-paulo-2007/24.pdf. Acesso em: 02 de fevereiro de 2018.

CEPED. Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. 2. ed., Atlas Brasileiro de Desastres Naturais 1991 a 2012. Volume Brasil. Florianópolis: UFSC, 2013.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n40p149-163

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1325

Total de downloads do artigo: 1405