Análise das comunicações de acidentes de trabalho na cidade de Patos - Paraíba

Anna de Fátima Teotonio Irmão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Patos Brasil

Hiago de Souza Nunes

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Patos Brasil

Mayslane de Sousa Gomes

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Patos Brasil

Hanne Alves Bakke

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Patos Brasil

Resumo

A investigação dos acidentes de trabalho é de fundamental importância para a saúde e segurança do trabalhador, de modo a minimizar e prevenir a ocorrência desses acidentes, atuando para proporcionar melhores condições laborais para o trabalhador. O presente estudo é uma pesquisa documental, quantitativa, transversal, realizada com os dados do Sistema Único de Informações de Benefícios (SUIBE), e apresenta as informações relativas aos acidentes de trabalho no município de Patos cujos benefícios foram solicitados entre janeiro e outubro de 2013, de acordo com a Classificação Internacional de Doenças (CID), a faixa salarial, a faixa etária e o sexo do indivíduo. Os resultados apontam que a faixa etária mais acometida por acidentes e doenças do trabalho é a que vai de 20 a 34 anos de idade, com faixa salarial predominante de 1 a 2 salários mínimos, e que o sexo masculino se sobressai ao sexo feminino, atingindo 71% do número de acidentes e doenças do trabalho.

Palavras-chave


Acidentes; Doenças; Segurança do trabalho; Trabalhador; Previdência Social


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, P. C. A.; BARBOSA-BRANCO, A. Acidentes de trabalho no Brasil: prevalência, duração e despesa previdenciária dos auxílios-doença. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 36, n. 124, p. 195-207, 2011. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbso/v36n124/a03v36n124.pdf. Acesso em: 16 mar. 2014.

ALMEIDA, I. M.; VILELA, R. A. G. Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes de Trabalho – MAPA. 1. ed. Piracicaba: CEREST, 2010. Disponível em: cerest.piracicaba.sp.gov.br/site/images/images/MAPA_IMPRESSO_CERTO240810_PDFX.pdf. Acesso em: 5 abr. 2014.

AVELAR, H. Patos é 16º consumo do País. Jornal da Paraíba, João Pessoa, 2 set. 2012. Folha Economia e Negócios. Disponível em: www.jornaldaparaiba.com.br/noticia/90966_patos-e16o-consumo-do-pais. Acesso em: 25 set. 2012.

BINDER, M. C. P.; WLUDARSKI, S. L.; ALMEIDA, I. M. Estudo da evolução dos acidentes do trabalho registrados pela Previdência Social no período de 1995 a 1999, em Botucatu, São Paulo. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 915-924, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v17n4/5297.pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Previdência Social. Anuário estatístico da Previdência Social 2006. 2006. Disponível em: http://www1.previdencia.gov.br/aeps2006/15_01_20_01.asp. Acesso em: 4 jun. 2016.

______. ______. Auxílio-acidente: Previdência acaba com subnotificação de acidentes de trabalho. 2008. Disponível em: http://www1.previdencia.gov.br/agprev/agprev_mostraNoticia.asp?Id=32598&ATVD=1&xBotao=2. Acesso em: 4 jun. 2016.

______. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 set. 1990. Seção 1, p. 18055-18059.

CORTEZ, S. A. E. Acidente de trabalho: ainda uma realidade a ser desvendada. 2001. 181 f. Dissertação (Mestrado em Medicina Social) – Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, 2001. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde07022002-101209/publico/mestrado_solange.pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

GOLDMAN, C. F. Análise de acidentes de trabalho ocorridos na atividade da indústria metalúrgica e metal-mecânica no estado do Rio Grande do Sul em 1996 e 1997: breve interligação sobre o trabalhado do soldador. 2002. 151 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002. Disponível em: http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/publicacoes/claudio.pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

GONÇALVES FILHO, A. P.; RAMOS, M. F. Trabalho decente e segurança do trabalhador: análise dos acidentes de trabalho na Bahia no período de 2005 a 2009. Bahia Análise e Dados, Salvador, v. 20, n. 2-3, p. 327-337, jul./set. 2010.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSITCA. Cidades@: Paraíba – Patos. 2016. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=251080. Acesso em: 4 jun. 2016.

JACKSON FILHO, J. M.; GARCIA, E. G.; ALMEIDA, I. M. A Saúde do Trabalhador como problema público ou a ausência do Estado como projeto. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 32, n. 115, p. 4-6, jan./jun. 2007. Disponível em: bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/RBSO_115.pdf. Acesso em: 26 mar. 14.

LEMOS, Lucia Castro. Prevalência de queixas de dores osteomusculares em motoristas de caminhão que trabalham em turnos irregulares. 2009. 126 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MUROFUSE, N. T.; MARZIALE, M. H. P. Doenças do sistema osteomuscular em trabalhadores de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 13, n. 3, p. 364-373, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n3/v13n3a11.pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

NEGRI, J. R.; MONTEBELO, M. I. L.; TEODORI, R. M. Perfil ocupacional dos indivíduos com disfunções musculoesqueléticas na região de Piracicaba- SP. In: MOSTRA ACADÊMICA UNIMEP, 7., 2010, Piracicaba. Anais... Piracicaba: UNIMEP, 2010. Disponível em: www.unimep.br/phpg/mostraacademica/anais/7mostra/5/307.pdf. Acesso em: 11 mar. 2014.

PARAÍBA. Governo divulga PIB dos municípios paraibanos. 14 dez. 2011. Disponível em: http://paraiba.pb.gov.br/governo-divulga-pib-dosmunicipios-paraibanos/. Acesso em: 4 jun. 2016.

SALIM, C. A. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo em Perspectiva, v. 17, n. 1, p. 11-24, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/spp/v17n1/v17n1a02.pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

SANTANA, V. et al. Acidentes de trabalho não fatais: diferenças de gênero e tipo de contrato de trabalho. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 2, p. 481-493, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/csp/v19n2/15414.pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

SILVA, S. F. Perfil dos trabalhadores de um presídio estadual no município de Porto Velho Rondônia com diagnóstico de LER/DORT. Porto Velho, 2012. Disponível em: www.convibra.com.br/upload/paper/2012/80/2012_80_3968.pdf. Acesso em: 11 mar. 2014.

SOARES, L. G. O risco biológico em trabalhadores de enfermagem: uma realidade a ser compreendida. 2011. 114 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011. Disponível em: www.ppgenf.ufpr.br/Disserta%C3%A7%C3%A3oLeticiaGramazioSoares.pdf. Acesso em: 5 abr. 2014.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n29p88-94

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 2132

Total de downloads do artigo: 1357