Avaliação físico-química de leite in natura comercializado informalmente no sertão paraibano

George Wagner Nóbrega Silva

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Sousa Brasil

Mayara Pereira Oliveira

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Sousa Brasil

Kelly Dantas Leite

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Sousa Brasil

Maria Simone Oliveira

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Sousa Brasil

Bruno Alexandre de Araújo Sousa

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Sousa Brasil

Resumo

O leite é um alimento que possui alto valor nutricional e por isso é de fundamental importância para a dieta humana, devendo chegar à mesa do consumidor sem qualquer descaracterização em sua composição. Entre as diversas atividades de controle da qualidade do leite, há a detecção de fraudes no leite cru, por meio da avaliação de seus parâmetros físico-químicos. Objetivou-se com este estudo analisar a caracterização físico-química de leite in natura comercializado informalmente no município de Aparecida/PB. No período de setembro a outubro de 2015, a cada 15 dias, foram coletadas seis amostras de vendedores distintos, denominados de L1, L2, L3, L4, L5 e L6, das quais se realizaram análises de densidade (g/ml), umidade, cinzas, gordura, acidez em ºDornic, pH, índice crioscópico, adição de amido, Extrato Seco Total (EST), Extrato Seco Desengordurado (ESD), sendo feitas em três repetições das coletas de cada vendedor e, posteriormente, realizada a medição da temperatura no momento da coleta das amostras. Os resultados obtidos foram confrontados com a Instrução Normativa IN 62/2011. A umidade variou de 67,49% a 89,45%; as cinzas de 0,45% a 0,73%; a gordura de 3,5% a 7,5%; a acidez de 14ºD a 23ºD; o  pH de 5,83 a 6,93; a densidade de 1,022 g/ml a 1,031 g/ml; o índice crioscópico de 0,464 a 0,542, apresentando uma adição de percentual de água de 0,12% a 6,74%; o EST de 10,54% a 32,50%; o ESD de 3,42% a 27,55% e a temperatura das amostras na coleta de 27°C a 33, 2°C. De acordo com os resultados obtidos, pode-se concluir que as amostras se apresentam de forma insatisfatória quando comparadas com a IN 62, indicando uma possível fraude deste produto. Dessa forma, torna-se necessária a adoção de medidas de fiscalização por parte das autoridades competentes e uma maior conscientização dos vendedores e consumidores.

Palavras-chave


Boas práticas agropecuárias; Controle de qualidade; Saúde pública


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, T. V. Detecção de adulteração em leite: Analises de rotina e espectroscopia de infravermelho. In: SEMINÁRIO CURSO DE MESTRADO. 2013, Goiânia. Anais... Goiânia: Escola de veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás, 2013.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Instrução Normativa n.62, de 29 de dezembro de 2011. Regulamentos técnicos de produção, identidade e qualidade, coleta e transporte de leite. Brasília, DF: Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, 2011, 24 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regulamentos técnicos de identidade e qualidade de manteiga da terra ou manteiga de garrafa, queijo de coalho e queijo de manteiga. Instrução Normativa n°30, de 26/06/2001. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 julho de 2001. Seção I, p.13-15.

CASTANHEIRA, A. C. G. Manual Básico de Controle de Qualidade de Leite e Derivados – comentado. São Paulo: Cap. Lab, 2010.

FACHINELLI, C. Controle de qualidade do leite – análises físico-químicas e microbiológicas. 2010. 66 f. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Tecnologia de Alimentos - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus Bento Gonçalves. Bento Gonçalves, 2010.

FOPPA, T. et al. Análises físico-químicas do leite em pó comparado ao leite UHT integral. R. Divulg. Cient., Mafra, v. 16, n. 1, 2009.

FREIRE, M. F. Análises das características físico-químicas de leite cru refrigerado entregue em uma cooperativa no estado do Rio de Janeiro no ano de 2002. 2006. 33 f. Monografia (pós-graduação) – Curso de pós-graduação “Lato sensu” em Higiene e Inspeção em Produtos de Origem Animal e Vigilância Sanitária, Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro, 2006.

FREITAS, W. C.; TRAVASSOS, A. E. R.; MACIEL, F. J. Avaliação microbiológica e físico-química de leite cru e queijo de coalho produzidos no Estado da Paraíba. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v. 15, n. 1, p. 35-42, 2013.

KITCHEN, B. J. Review of the progress of dairy science: Bovine mastitis: milk compositional changes and related diagnostic tests. Journal of Dairy Research, v. 48, p.167-188, 1981.

MALDANER, N. I. Avaliação da qualidade microbiológica do leite cru produzido em duas propriedades do extremo oeste de Santa Catarina. 2011. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Pós Graduação em nível de Especialização em Microbiologia Industrial e de Alimentos, Universidade do Oeste de Santa Catarina, São Miguel do Oeste, 2011.

MARQUES, M. S.; COELHO JUNIOR, L. B.; SOARES, P. C. Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo “C” processado no estado de Goiás. In: CON-GRESSO LATINO-AMERICANO 7.; BRASILEIRO DE HIGIENISTAS DE ALIMENTOS, 2., 2005, Búzios. Anais... Búzios, 2005.

MENDONÇA, A. H. et al. Qualidade físico-química de leite cru resfriado: comparação de diferentes procedimentos e locais de coleta. In: CONGRESSO NACIONAL DE LATICÍNIOS, 18., 2001, Juiz de Fora. Anais... Juiz de Fora: Templo. 2001. p. 276-282.

OLIVEIRA, C. A. F.; FONSECA, L. F. L.; GERMANO, P. M. L. Aspectos relacionados à produção, que influenciam a qualidade do leite. Higiene Alimentar, São Paulo, v.13, n.62, p.10-16, 1999.

ORDÓNEZ, J. A. Tecnologia de Alimentos: alimentos de origem animal. Porto Alegre: Editora Artmed, 2005. p. 279.

PACHECO, M. S. Leite cru refrigerado do Agreste Pernambucano: caracterização da qualidade e do sistema de produção. 2011. 87 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Programa de Pós-Graduação de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2011.

PANCOTTO, A. P. Análise das características físico- químicas e microbiológicas do leite produzido no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul. 2011. 34 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Bento Gonçalves, 2011.

PAULA, F. P.; CARDOSO, C. E.; RANGEL, M. A. C. Análise físico-química do leite cru refrigerado proveniente das propriedades leiteiras da região Sul Fluminese. Revista Eletrônica TECCEN, Vassouras, v. 3, n. 4, p. 7-18, out./dez. 2010.

PITA, J. S. L. Caracterização físico-química e nutricional da polpa e farinha da casca de maracujazeiros do mato e amarelo. 2012. 77 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Processos de Alimentos) – Universidade Estadualdo Sudoeste da Bahia, Tapetinga, 2012.

ROBIM, M. S. Avaliação de diferentes marcas de leite UAT comercializadas no estado do Rio de Janeiro e o efeito da fraude por aguagem na fabricação, composição e análise sensorial de iogurte. 2011. 98 f. Dissertação (Titulo de Mestre) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

SÁ, E. Análises realizadas para o controle da qualidade de leite in natura de acordo com os parâmetros legais. Revista Leite & Derivados, v. 14, n. 81, p. 67-72, 2004.

SALVADOR, F. C. Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado comercializado em Apucarana-pr e região. Revista F@pciência, Apucarana-PR, v.9, n. 5, p. 30 - 41, 2012.

SANTOS, N. A. F.; LACERDA, L. M.; RIBEIRO, A. C.; LIMA, M. F. V.; GALVÃO, N. R.; VIEIRA, M. M.; SILVA, M. I. S. TENÓRIO, T. G. S. Avaliação da composição e qualidade físico-química do leite pasteurizado padronizado comercializado na cidade de São Luís, MA. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v. 78, n. 1, p. 109-113, jan./mar. 2011.

SCHUSTER, C. et al. Avaliação de equipamento alternativo para pasteurização lenta de leite previamente envasado. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 26, n. 4, p, 828-831, out-dez. 2006.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n35p34-41

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 3002

Total de downloads do artigo: 4761