Caracterização biométrica de artículos da palma miúda (Nopalea cochenillifera) em função da adubação orgânica

Maria de Lourdes Saturnino Gomes

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Picuí Brasil

Maria José de Queiroz

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Picuí Brasil

Frederico Campos Pereira

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Picuí Brasil

Daniela Batista da Costa

Instituto Nacional do Semiárido (INSA) Brasil

Gilmar Silva de Oliveira

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Picuí Brasil

Resumo

A palma forrageira é a cultura xerófila com maior potencial de exploração no Nordeste. Porém, a variedade mais produzida, a palma gigante (Opuntia fícus indica (Mill.)), mostrou-se vulnerável à praga cochonilha- -do-carmim, sendo necessários testes com variedades resistentes à referida praga. Objetivou-se, com este trabalho, caracterizar os cladódios da palma forrageira (Nopalea cochenilifera Salm Dyck), variedade miúda, plantada com cladódios de diferentes tamanhos e adubos orgânicos – o bovino e ovino –, irrigada com 2,5L.m-1 linear. O experimento foi conduzido no distrito de Santa Luzia do Seridó, município de Picuí-PB, entre maio e dezembro de 2013. Adotou-se o delineamento em blocos casualizados, com seis tratamentos e três repetições, em esquema fatorial 3x2: três tamanhos de cladódios – 15, 20 e 25 cm – e duas adubações orgânicas – esterco bovino e ovino. Procederam-se as seguintes avaliações: altura da planta, comprimento, largura, perímetro, espessura e área do cladódio a cada trinta dias entre 180 e 210 Dias Após o Plantio (DAP). O esterco ovino obteve maior desempenho para altura de planta. O esterco bovino incrementou as medidas dos cladódios primários. O esterco ovino obteve maior desempenho nas medidas dos cladódios secundários. O cladódio de 25 cm em função do esterco ovino obteve um índice biométrico superior.

Palavras-chave


Biometria; Esterco bovino e ovino; Palma resistente; Semiárido


Texto completo:

Referências


CORTAZAR, V.; NOBEL, P.S. Prediction and measurement of high annual productivity for Opuntia ficus-indica. Agricultural and Forest Meteorology, v. 56, n. 3, p. 261-272, 1991.

CUNHA, D. de N. F. V. da et al. Morfometria e acúmulo de biomassa em palma forrageira sob doses de nitrogênio. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, Salvador, v. 13, n. 4, p. 1156-1165, out./dez. 2012.

DONATO, S. L. R; DONATO, P. E. R; SILVA, J. A. da. Resultados Experimentais com Palma na Região de Guanambi. In: 1º Dia de Campo: Estratégias para o cultivo da palma forrageira. IFBA, Campus Guanambi. Guanambi Bahia, 2012.

LIMA C. A. de. Caracterização, propagação e melhoramento genético de pitaya comercial e nativa do Cerrado. 124 f. 2013. Tese de Doutorado (Doutorado em Agronomia)– Universidade de Brasília/Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Brasília, 2013.

LIMA E. R. de et al. Análise morfométrica e de produtividade clones de palma forrageira Opuntia fícus-indica Mill e Nopalea cochenillífera (L.) Salm-Dyck em sistema de sequeiro no município de Serra Talhada Semiárido Pernambucano. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ZOOTECNIA, 24., 2014, Vitória. Anais... Vitória: 2014.

LIMA, G. F. da C. et al. Produção estratégica de alimentos para a pecuária familiar no semiárido: alternativa para a formulação de rações na própria fazenda, Natal: EMPARN; EMATER-RN, 2009. 53 p.

LOPES, E. B. et al. Palma forrageira: cultivo, uso atual e perspectivas de utilização no Semiárido nordestino. João Pessoa: EMEPA-PB, 2012. 256 p.

LUCENA NETO A. et al. Características morfométricas da palma forrageira cv. Baiana (Nopalea sp.) sob diferentes adubações. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PALMAS E OUTRAS CACTÁCEAS, 3., 2013, Fortaleza. Anais... Fortaleza: 2013.

MALAJOVICH M. A. Biotecnologia 2011. Rio de Janeiro: Edições da Biblioteca Max Feffer do Instituto de Tecnologia ORT, 2012.

MARQUES V. B et al. Tamanho de cladódios na produção de mudas de pitaia vermelha. Revista Caatinga, Mossoró, v. 24, n. 4, p. 50-54, out.-dez. 2011.

PINHEIRO, K. M. et al. Correlações do índice de área do cladódio com características morfogênicas e produtivas da palma forrageira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 49, n. 12, p. 939-947, dez. 2014.

PINHEIRO, K. M. Métodos indiretos de estimativa do índice de área do cladódio da palma forrageira e sua relação com as características morfogênicas e produtivas. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal)–Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada, Serra Talhada, 2014.

PRIMAVESI, A. Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 2002.

SILVA, J. A. da. Palma forrageira cultivada sob diferentes espaçamentos e adubações química. 78 f. 2012. Tese (doutorado) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Zootecnia, Bahia, 2012.

SILVA, F. de A. S.; AZEVEDO, C. A. V. de. Principal Components Analysis in the Software Assistat-Statistical Attendance. In: World Congress on Computers in Agriculture, 7., 2009, Reno, NV - Proceedings… St Joseph: American Society of Agricultural and Biological Engineers, 2009.

SILVA, N. G. de M. et al. Relação entre características morfológicas e produtivas de clones de palma-forrageira. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 39, n. 11, p. 2389-2397, nov. 2010.

VASCONCELOS, A. G. V. et al. Seleção de clones de palma forrageira resistentes à cochonilha do carmim (Dactylopius sp.). Revista Brasileira de Zootecnia, v. 38, p. 827-831, 2009.

______. Resistência à cochonilha do carmim em clones de palma forrageira. 70 f. 2011. Tese (Doutorado em Zootecnia)– Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Zootecnia, Recife, 2011.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n29p39-45

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 2983

Total de downloads do artigo: 1920