Influência do tempo de estocagem do leite nas características físico-químicas de iogurtes naturais

Kênia Borges de Oliveira

Juliana Aparecida Célia

Diene Gonçalves Souza

Jéssica Silva Medeiros

Edmar Soares Nicolau

Marco Antônio Pereira da Silva

ORCID iD Brasil

Resumo

Objetivou-se avaliar o efeito do armazenamento do leite durante 0, 24, 48 e 72 horas, analisando a qualidade de iogurtes naturais durante o 1°, 8°, 15°, 22° e 29° dias de estocagem. Analisou-se no leite cru refrigerado, acidez titulável, pH, viscosidade, rendimento e crescimento de microrganismos psicrotróficos, nos iogurtes produzidos avaliou-se a cinética de fermentação, pH, acidez titulável, viscosidade, crescimento de microrganismos psicrotróficos e viabilidade de bactérias lácticas durante o armazenamento, foram realizadas as análises de proteínas, lipídeos, cinzas, matéria seca e espectroscopia de absorção na região do infravermelho. Leite cru refrigerado apresentou baixa acidez, para todos os tempos de refrigeração e pH acima de 6,8. A acidez titulável e pH foram inversamente proporcionais, o iogurte produzido com o leite de 24 horas de estocagem apresentou-se maior durante o período de armazenamento e menor pH a partir do 22° ao 29° dia de armazenamento. As bactérias lácticas apresentaram redução durante os 29 dias de armazenamento, mas foram superiores a 107 UFC/mL. Na composição centesimal do iogurte a matéria seca variou de 11,28 a 12,90%, cinzas de 0,78 a 0,85 %, proteína 3,33 a 3,47% e gordura 3,32 a 4,50%, os valores encontrados estão de acordo com a legislação.

Palavras-chave


Bactérias psicrotróficas. Refrigeração. Probiótico


Texto completo:

Referências


ALENCAR, M. L. C. B. B.; ALVARENGA, M. G. Farelo de arroz: composição química e seu potencial como alimento. Arquivos de Biologia e Tecnologia, Curitiba, v. 34, n. 1, p. 95-108, 1991.

AOAC INTERNATIONAL - Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis of AOAC International, 16. ed. Gaitherburg: AOAC International, 1997.

BRASIL. Instrução Normativa nº 62, de 29 de dezembro de 2011. Aprovar o Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, o da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel. Diário Oficial da União. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico República Federativa do Brasil, Brasília, 30 de dezembro de 2011. Seção 1, p.1-24, 2011.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa Nº 46, de 23de outubro de 2007. Adota o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leites Fermentados, anexo à presente Instrução Normativa. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 23 out.2007. Seção 1, p. 5, 2007.

BRITO, M. A. V. P.; BRITO, J. R. F. Qualidade do leite. In: F.H. Madalena; L.L. de Matos; E.V. Holanda Jr.. (Org.). Produção de leite e sociedade. Belo Horizonte: FEPMVZ, v.,p. 61- 74, 2001.

CARDOZO, L. L.; LORENZETTI, R. G.; PICININ, L. C. A. Multiplicação microbiana no leite cru armazenado em tanques de expansão direta. Ciência Rural, Santa Maria, v.45, n.5, p.828-834, mai, 2015.

CEMPÍIRKOVÁ, R.; MIKULOVÁ, M. Incidence of psychrotrophic lipolytic bacteria in cow’s raw milk. Czech J Anim Sci, v. 54, n. 2, p. 65–73, 2009.

CEMPIRKOVA, R. Contamination of cow’s raw milk by psychrotrophic and mesophilic microflora in re-lation to selected factors, Czech Journal of Animal Science 52(11), 387- 393, 2007.

COSTA, A. V. S.; NICOLAU, E. S.; TORRES, M. C. L.; FERNANDES, P. R.; ROSA, S. I. R.; NASCIMENTO, R. C. Desenvolvimento e caracterização físico-química, microbiológica e sensorial de bebida láctea fermentada elaborada com diferentes estabilizantes/espessantes. Semina. Ciências Agrárias (Online), v. 34, p. 209-226, 2013.

CUNHA NETO, O. C. da; OLIVEIRA, C. A. F. de; HOTTA, R. M.; FRANZOLIN NETO, R. Estudo da qualidade do iogurte natural batido produzido com leite de búfala contendo diferentes níveis de gordura. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 25, n.3, p. 448-453, 2005.

FERREIRA, D. F. SISVAR - Sistema de análise de variância. Versão 5.3. Lavras-MG: UFLA, 2010.

FRIGHETTO, J. M.; SILVA, S. V. da; PELLEGRINI, L. G.; MILANI, M. P.; ROBERTO, B. S.; RICHARDS, N. S. P. S. Influência da adição de beta-galactosidase nas características físico-químicas do leite e na cinética de fermentação de iogurte. Indústria de Laticínios, v. 90, p. 90-93, 2011.

GALLINA, D. A. Leites fermentados funcionais. Indústria de Laticínios, v. 86, p. 30-36, 2010.

GAUCHER, I.; MOLLÉ, D.; GAGNAIRE, V.; GAUCHERON, F. Effects of storage temperature on physico-chemical characteristics of semi-skimmed UHT milk. Food Hydrocolloids, v.22, p.130-143, 2008.

GERHARDT, Â.; MONTEIRO, B. W.; GENNARI, A.; LEHN, D. N.; SOUZA, C. F. V. Características físico-químicas e sensoriais de bebidas lácteas fermentadas utilizando soro de ricota e colágeno hidrolisado. Revista do Instituto de Laticínios “Cândido Tostes”, v. 68, n. 390, p. 41-50, jan./fev. 2013.

HANTSIS-ZACHAROV, E.; HALPERN, M. Culturable psychrotrophic bacterial communities in raw milk and their proteolytic and lipolytic traits. Applied and Environmental Microbiology, v.73, p.7162-7168, 2007.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 4 ed. São Paulo: IMESP, 2005.

IZIDORO, T. B.; SPINA, T. L. B.; TUASEK, S. O.; PEREIRA, J. G.; BARROS, V. R. M.; PINTO, J. P. A. N. Influência do resfriamento marginal sobre a

multiplicação de microrganismos psicrotróficos e o

metabolismo acidificante da microbiota láctea. Rev. Inst. Latic. “Cândido Tostes”, Nov/Dez, nº 371, 64: 55-60, 2009.

LAWRENCE, R. C. Processing Conditions. In: MANN, A. R. (Ed.) International Dairy Federation Special Issue no. 9301: Factors affecting the yield of cheese, International Dairy Federation: Brussels, a, Cap.7. 1991.

LIMA, C. M. F. Monitoramento de temperaturas de equipamentos de refrigeração em supermercados da cidade de Maceió – AL. Revista Higiene Alimentar,

São Paulo, v.25, n. 194/195, p. 35-39, 2011.

MANTOVANI, D.; Corazza, M. L.; CARDOZO FILHO, L.; COSTA, S. C. Elaboração de iogurte com diferentes concentrações de sólidos totais, análise físico-química e perfil da textura. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 6, n. 1, p. 680-687, 2012.

MARTH, E. H.; ELLICKSON, B. E. Antibiotics residues in milk products – A review. Journal of Milk Food Technology, 22, 7, 241-249, 1959.

MENDES, C. G.; SAKAMOTO, S. M.; SILVA, J. B. A. da; JÁCOME, C. G. M.; LEITE, A. I. Análises físico-químicas e pesquisa de fraude no leite informal comercializado no município de Mossoró-RN. Ciência Animal Brasileira, Goiânia, v. 11, n. 2, p. 349-356, 2010.

MENDES, E. A. S.; PIRES, C. V.; SILVA, A. M.; SILVA, L. S. Qualidade do leite cru refrigerado em função do tipo de ordenha coletado de

produtores do município de Paracatu-MG. Zootecnia, v.1, n.2, p.63-71, 2014.

MENDONÇA, M. B. O. C.; CURIAKIB, Y.; JULIANIC, G.; Elsa Helena Walter de SANTANAD, E. H. W.; ALEGROE, L. C. A. Qualidade Fisico-Química de Amostras de Leite Cru Comercializadas Informalmente no Norte do Paraná. Cient., Ciênc. Biol. Saúde; 11 (4):47-50, 2009.

MENEZES, M. F. S. C. e/ou SILVEIRA, M. F.; SIMEONI, C. P. ; BORTOLUZZI, D.; HUERTA, K.; ETCHEPARE, M.; MENEZES, C. Microbiota e conservação de leite. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 2014.

MUTUKUMIRA, A. N. et al. Chemical and microbiological quality of raw milk produced by Smallholder farmers in Zimbabwe. Journal of Food Protection, Ames, v. 59, n. 9, p. 984-987, sept. 1996.

OLIVEIRA, E. N. A.; SANTOS, D. C.; FIGUEIREDO, R. M. F.; FEITOSA, R. M. . Development and characterization of yogurts produced with tapioca. Journal of Biotechnology and Biodiversity, v. 5, p. 110-120, 2014.

OLIVEIRA, M. N.; DAMIN, M. R. Efeito do teor de sólidos e da concentração de sacarose na acidificação, firmeza e viabilidade de bactérias do iogurte e probióticas em leite fermentado. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 23, n.1, p. 172-176, 2003.

PEREZ, K. J.; GUARIENTI, C.; BERTOLIN, T. E.; COSTA, J. A. V.; COLLA, L. M. Viabilidade de bactérias láticas em iogurte adicionado de biomassada microalga Spirulina platensis durante o armazenamento refrigerado. Alim. Nutr. Araraquara v.18, n.1, p.77-82, jan./mar. 2007.

PIMENTEL, T. C.; GARCIA, S.; PRUDENCIO, S. H. Iogurte probiótico com frutanos tipo inulina de diferentes graus de polimerização: características físico-químicas e microbiológicas e estabilidade ao armazenamento. Semina. Ciências Agrárias (Impresso), v. 33, p. 1059-1070, 2012.

PINTO, C. L. O.; MARTINS, M. L.; VANETTI, M. C. D. Qualidade microbiológica de leite cru refrigerado e isolamento de bactérias psicrotróficas proteolíticas. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 26(3): 645-651, jul.-set. 2006

RECHE, N. L. M.; NETO, A. T.; D`OVIDEO, L.; FELIPUS, N. C.; PEREIRA, L. C.; SANTOS M. V.; FONSECA L. F. L. Estratégias para controle de mastite e melhoria da qualidade do leite. São Paulo: Manole; 2007.

SANTOS, A. S.; PIRES, C. V.; SANTOS, J. M.; COSTA SOBRINHO, P. S. Crescimento de micro-organismos psicrotróficos em leite cru refrigerado. Alim.Nutr. = Braz. J. Food Nutr., Araraquara, v. 24, n. 3, p. 297-300, jul./set. 2013.

SANTOS, A. S.; PIRES, C. V.; SANTOS, J. M.; COSTA SOBRINHO, P. S. Crescimento de micro-organismos psicrotróficos em leite cru refrigerado. Alim. Nutr. = Braz. J. Food Nutr., Araraquara, v. 24, n. 3, p. 297-300, jul./set. 2013.

SANTOS, M. V; FONSECA, L. F. L. Estratégias para Controle de Mastite e Melhoria da Qualidade do Leite. São Paulo: Lemos Editorial, 314 p. 2007.

SHIRAI, M.; MASSON, M. L. Metodologia de Superfície de Resposta para avaliar o efeito da carbonatação sobre a microbiota e viscosidade do leite crú. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 65, p. 18-27, 2010.

SILVA, A. R. ; MORO, L. M. E. ; PINTO, E. G.; SOUZA, A. F. ; FRANCO, B. . Estudo do comportamento cinético e reológico da fermentação lática na produção de iogurte natural. Enciclopédia Biosfera, v. 8, p. 1908-1913, 2012.

SILVA, N.; JUNQUEIRA, V. C. A.; SILVEIRA, N. F. A. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. São Paulo: Varela, 1997.

TAMINE, A. Y.; ROBINSON, R. K. Yogurt: ciência y tecnologia. Zaragoza: Acribia, Espanha, 1991.

VASCONCELOS, M. P.; ARAÚJO, K. G. L.; VERRUMA-BERNARDI, M. R. Efeito do pH de coagulação do leite e do tipo de coalho sobre o rendimento de massa na produção de queijo. R. bras. Agrociência, v. 10, n. 4, p. 499-502, 2004.

ZENI, M. P.; MARAN, M. H. S.; SILVA, G. P. R.; CARLI, E. M.; PALEZI, S. C. Influência dos microrganismos psicrotróficos sobre a qualidade do leite refrigerado para produção de UHT. Unoesc & Ciência - ACET, Joaçaba, v. 4, n. 1, p. 61 -70 jan./jun. 2013.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n48p189-200

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 231

Total de downloads do artigo: 146