Perfil socioeconômico e preferências de consumidores de tambaquis comercializados em feiras livres do Baixo Rio São Francisco, em Alagoas - Brasil

Daniel de Magalhães Araujo

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) Brasil

Alyson do Nascimento Cardoso

Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Brasil

Valdeí Marcelino da Silva

ORCID iD Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Brasil

Wellington Araújo Santos

Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Brasil

Joseane da Silva

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Brasil

João Lucas Farias Lins

ORCID iD Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Brasil

Resumo

Foram entrevistados 104 consumidores na feira livre de Penedo (PEN) e 105 na de Porto Real do Colégio (PRC), em Alagoas. Em Penedo, 31 consumidores citaram o tambaqui como a espécie preferida para o consumo; já em Porto Real do Colégio, 28 consumidores o citaram. Ao citarem o tambaqui como a espécie preferida, os consumidores foram entrevistados com o objetivo de detectar a caracterização socioeconômica e as preferências de aquisição e consumo de peixes. A maioria dos entrevistados era homem, sendo as médias de idade 45,76 (PEN) e 39,85 (PRC) anos. A baixa escolaridade e renda familiar eram características comuns. Em PEN, as carnes preferidas e mais consumidas eram as de peixe e frango (33,33% e 33,33%), enquanto, em PRC, a carne bovina era a preferida (40,74%) e a mais consumida (37,04%). Entre os consumidores que declararam que o tambaqui era sua espécie predileta, o consumo de peixes era alto; 66,67% em PEN e 61,53% em PRC declararam que consumiam peixes mais de uma vez por semana. A maioria preferia comprar tambaquis vivos ou inteiros frescos. Os valores de R$ 6,08 (PEN) e R$ 5,48 (PRC) pelo quilograma do tambaqui foram considerados justos pelos entrevistados, que desistiam da compra se o valor ultrapassasse R$ 10. A maioria dos entrevistados considerou boa ou ótima a qualidade do tambaqui comercializado nos municípios.

Palavras-chave


Colossoma macropomum; Cadeia produtiva de pescados; Compra de peixe; Oreochromis niloticus; Preferência de consumo de peixe


Texto completo:

Referências


ARAUJO, D. M.; LINS, J. L. F.; TAVARES, A. S.; SILVA, J.; BORDINHON, A. M.; QUINTERO PINTO, L. G. Aspectos de aquisição e consumo de peixes na feira livre da cidade de Penedo-Alagoas. Boletim do Instituto de Pesca, v. 41, p. 429-440, 2015a.

ARAUJO, D. M.; LINS, J. L. F.; TAVARES, A. S.; SILVA, J.; SILVA, V. M.; BORDINHON, A. M. Aspectos de aquisição e consumo de peixes na feira livre de Porto Real do Colégio - Alagoas. Boletim do Instituto de Pesca, v. 41, p. 961-973, 2015b.

ARAÚJO, J. S.; SÁ, M. F. P. Sustentabilidade da piscicultura no baixo São Francisco alagoano: condicionantes socioeconômicos. Ambiente e Sociedade, v. 11, n. 2, p. 405-424, 2008.

BRAGA, T. M. P.; SILVA, A. A.; REBÊLO, G. H. Preferências e tabus alimentares no consumo de pescado em Santarém, Brasil. Novos Cadernos NEAE, v. 19, n. 3, p. 189-204, 2016.

BRASIL. Ministério da Pesca e Aquicultura. Boletim estatístico da pesca e aquicultura Brasil 2010. Brasília, DF: Ministério da Pesca e Aquicultura, 2012, 128p.

COELHO, A. B.; AGUIAR, D. R. D.; FERNANDES, E. A. Padrão de consumo de alimentos no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 47, n. 2, p. 335-362, 2009.

FAO. The State of World Fisheries and Aquaculture. Contributing to Food Security and Nutrition for All. Rome, 200p., 2016. Disponível em: http://www.fao.org/3/a-i5555e.pdf. Acesso em: 08 jun. 2019.

FORNARI, C. A. C.; COSTA, R. P. B.; PIRES, C. R. F.; KATO, H. C. A.; SOUSA, D. N. Estudo sobre hábitos alimentares e de consumo de pescado da população de Palmas (TO). Revista Desafios, v. 4, n. 4, p. 136-142, 2017.

FIGUEIRO, R. C. M.; SOUSA, J. M.; CASTRO, E. M. Fatores que influenciam na decisão de compra de pescado no Mercado de Peixe de Bragança – PA. Revista Brasileira de Engenharia de Pesca, v. 7, n. 1, p. 60-72, 2014.

IBGE. Infográficos Cidades. 2013. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/cidadesat. Acesso em: 07 jan. 2018.

IBGE. Produção da pecuária municipal. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, v. 43, 2015. 49 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/84/ppm_2015_v43_br.pdf. Acesso em: 08 jun. 2019.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Relatório do Desenvolvimento Humano 2013: a ascensão do Sul – progresso humano num mundo diversificado, 2013. 212 p. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/library/idh/relatorios-de-desenvolvimento-humano/relatorio-do-desenvolvimento-humano-200012.html. Acesso em: 11 out. 2018.

SOARES, M. C. F.; LOPES, J. P.; BELLINI, R.; MENEZES, D. Q. A piscicultura no rio São Francisco: é possível conciliar o uso múltiplo dos reservatórios? Revista Brasileira de Engenharia de Pesca, v. 2, n. 2, p. 69-83, 2007.

ZUIN, L. F. S.; ZUIN, P. B. Produção de alimentos tradicionais. Contribuindo para o desenvolvimento local/regional e dos pequenos produtores rurais. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Rural, v. 4, n. 1, p. 109-127, 2008.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n47p122-132

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 779

Total de downloads do artigo: 540