Nietzsche e a noção de vontade: uma iconoclastia do livre-arbítrio

Alvaro Henriques David Neto

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Resumo

O presente trabalho inclina-se ao estudo da noção de vontade na filosofia de Nietzsche. Parte, para tanto, da leitura de aforismos dispostos em obras do filósofo alemão que pertencem às duas últimas fases de sua produção: o estágio intermediário e o tardio. Outrossim, a partir da conquista da noção especulativa de vontade, tenta-se estabelecer algum paralelo com resultados obtidos por pesquisas no campo da psicologia experimental. A análise da noção nietzschiana de vontade como ideia que contraria o livre-arbítrio e seu atributo de elemento constitutivo da moral indicará, espera-se, as razões da crítica de Nietzsche a essa vontade livre. Por fim, após a refutação do livre-arbítrio operada pela vontade como necessidade, passa-se ao enfrentamento da ideia de inocência do vir-a-ser como pressuposto para o projeto de transvaloração de todos os valores.

Palavras-chave


Nietzsche; Causalidade; Vontade; Livre-arbítrio; Inocência


Texto completo:

Referências


LEITER, Brian. Nietzsche’s Theory of the Will. Philosophers’ Imprint, v. 7, n. 7, Chicago, p. 17-49, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Aurora. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A Gaia Ciência. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Crepúsculo dos ídolos, ou como se filosofa com o martelo. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Fragmentos póstumos: 1884-1885: volume V. Tradução: Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Fragmentos póstumos: 1885-1887: volume VI. Tradução: Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Genealogia da Moral: uma polêmica. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres: volume II. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n46p168-181

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1680

Total de downloads do artigo: 1152