Das formas de apropriação da natureza às vulnerabilidades socioambientais: paradoxos do desenvolvimento em cidades pequenas

João Paulo Gomes de Vasconcelos Aragão

Instituto Federal da Paraíba - IFPB / Campus Esperança Brasil

Eniedson Fabiano Pereira da Silva Júnior

Instituto Federal da Paraíba - IFPB / Campus Esperança Brasil

Emilly da Silva Guedes

Instituto Federal da Paraíba - IFPB / Campus Esperança Brasil

Resumo

This work expresses the theoretical reflections that underpinned the research of scientific initiation entitled “Between lemmas and dilemmas: socio-environmental development and vulnerability in small cities”. The general objective in this manuscript is to contribute to the continuity of the analyzes of small cities, promoting studies about the paradoxes of the discourse of development, observed from the production of the space, according to the critical conception of the appropriation of the nature and the processes of socio-environmental vulnerabilities. The analysis was based on the systemic approach and the understanding of socio-spatial relations in the city. The text has a broad theoretical approach and a review on relevant literature about the topics discussed. As a summary of the reflections presented here, the delay of sustainability policies is a mark of the paradoxical discourse of development in globalized timesand is socially partial in all its political and economic scope. The framework of unfair appropriation of nature as well as the socio-environmental vulnerability in small cities, gives strong indications that it is a model of exclusive socio-spatial production still present in Brazil, consolidated before the process of market urbanization, and especially because of that it requires revision and changes in public policies to effect the improvement of the conditions of life in the city, including the overcoming of social and environmental contradictions that impede the achievement of the ideals of citizenship

Palavras-chave


Appropriation of nature. Socio-environmental vulnerabilities. Development. Space. Small towns.


Texto completo:

Referências


ALEDO, A.; SULAIMAN, S. La incuestionabilidad Del riesgo. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 9-16. Out./dez. 2014.

AMARAL, S. A. T.; RI, L. D. Capital social, democracia e desenvolvimento. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 1, n. 2, p. 136-149, jul./dez. 2011.

ARAGÃO, J. P. G. de V. Uso e ocupação das margens do rio Capibaribe: vulnerabilidades socioambientais em áreas urbanas. Tese ( Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Recife: UFPE, 2017.

ARAGÃO, . P. G. de V.; SOUZA, C. O. P. Reflexões sobre o desenvolvimento em cidades pequenas: o caso de Esperança, estado da Paraíba. Revista Principia, n. 33, p. 85-98, mai. 2017.

AZEVEDO, A. de. Vilas e cidades do Brasil Colonial. In: ASSOCIAÇÃO DOS GEÓGRAFOS BRASILEIROS, v. 9, 1957, São Paulo. Anais... São Paulo: AGB, 1957.

BECK, U. Risk society: Towards a new modernity. London: Sage Publications, 1992.

BELL, D; JAYNE, M. Small cities: urban experience beyond the metropolis. New York: Routledge, 2006.

BRASIL. Ministério das Cidades / Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Mapeamento de riscos em encostas e margens de rios. Brasília: Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 2007.

CARLOS, A. F. A. A cidade. São Paulo: Contexto, 2007.

__________. A condição espacial. São Paulo: Contexto, 2011.

__________. A cidade. São Paulo: Contexto, 2007.

CHAUÍ, M. Filosofia. São Paulo: Editora Ática, 2004. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES. Atlas brasileiro de desastres naturais 1991 – 2010. Florianópolis: CEPED-UFSC, 2012.

CLEMENTINO, M. do L. M. Receitas Municipais e grau de dependência dos pequenos municípios do Nordeste. In: XVIII Encontro Nacional da APIPSA, Campina Grande/PB, 1996.

CORRÊA, R. L. Globalização e reestruturação da rede urbana – uma nota sobre as pequenas cidades. Revista Território, Rio de Janeiro:

LAGET/UFRJ, v. 6, n. 6, p. 43-53, jan./jun.1999.

__________. Sobre agentes sociais, escala e produção do espaço: um texto para discussão. In: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L. de; SPOSITO, M. E. B. A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011.

__________. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

CHRISTALLER, W.. Die Zentralen Orte in Suddeutschland: Eine Okonomischgeographisch Untersuchung uber die Gesetzmassigkeit

der Verbreitung und Entwicklung der Siedlungen mit Stadtischen Funktionen. New Jersey: Prentice-Hall Inc., 1933.

CONFALONIERI, U. E. C. Variabilidade climática, vulnerabilidade social e saúde no Brasil. Revista Terra Livre, São Paulo, ano 19, v. 1, n. 20, p. 193-2004. jan./jul. 2003.

ENDLICH, Â. M. Pensando os papéis e significados das pequenas cidades. São Paulo: Ed. Unesp, 2009.

FRESCA, T. M. Em defesa dos estudos das cidades pequenas no ensino de Geografia. Geografia (Londrina), v. 10, n.1, p. 27-34, 2001.

HARVEY, D. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

___________ Social Justice and the City. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1973.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Região de influência das cidades 2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

MAIA, D. S. Cidades pequenas: como definilas? João Pessoa: (Notas de aulas), 2015.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

MENDONÇA, F. de A. Riscos, vulnerabilidade e abordagem socioambiental urbana: uma reflexão a partir da RMC e de Curitiba. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente. Editoria UFPR. n. 10, p. 139-148, jul/dez. 2004.

MÉSZÁROS, I.. Para além do Capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

MIN, M. S. Growth of Small and Intermediate Cities in Korea, 1975-1980. Korea journal of population and development, Coreia do Sul, v. 19, n. 1, p. 47-70, jul.1990.

MONTEIRO, C. A. de F. Geossistemas a história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2001.

OWUSU, G. Small Towns in Ghana: Justifications for their Promotion under Ghana’s Decentralisation Programme. African Studies Quarterly, Florida, v. 8, n. 2, p. 48-69, primavera, 2005.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Sostener El progresso humano: reducir vulnerabilidades e construir

resiliencia. Nova York: ONU/PNUD, 2014.

__________. Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil. Brasília: PNUD, 2010.

REVISTA CENÁRIOS. Lisboa: Uniritter, 2006. SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

__________. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2006.

__________. Espaço e método. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

__________. Espaço e sociedade. Petrópolis: Vozes, 1982.

__________. A urbanização brasileira. São Paulo: Edusp, 2013.

__________. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2007.

__________. Técnica, espaço, tempo. São Paulo: Edusp, 2008.

SILVA, P. F. J. da; SPÓSITO, E. S. Cidades pequenas: perspectivas teóricas e transformações socioespaciais. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

SILVA, C. da S. Desenvolvimento Sustentável: um modelo analítico integrado e adaptativo. Petrópolis: Rio de Janeiro, 2008.

SILVA, M. Tentativa de classificação das cidades brasileiras. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro: IBGE, v. 8, p. 283-316, jul./set. 1946.

SOJA, E. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

SUGUIO, K. Água. Ribeirão Preto: Holus Editora, 2006.

WISNER, B. et al.At risk: natural hazards, people’s vulnerability and disasters. London: Routledge, 2004


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n38p27-42

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1185

Total de downloads do artigo: 1167