Análises possíveis: imagens fotográficas dos Apinayé nas expedições de Curt Nimuendajú

Walace Rodrigues

ORCID iD Universidade Federal do Tocantins (UFT) Brasil

Resumo

Este artigo busca compreender os discursos revelados por meio das imagens fotográficas das expedições do etnólogo Curt Nimuendajú, na primeira metade do século XIX, sobre os indígenas brasileiros visitados por ele. Buscam-se as construções de sentido discursivo utilizando-se fotografias “antropológicas” tiradas por este etnólogo, expondo, como exemplo, algumas fotografias dos Apinayé. Essas fotografias podem nos permitir entender como o “outro” (neste caso os indígenas brasileiros) era visto por Nimuendajú, enquanto estudioso das culturas dos vários povos brasileiros. A metodologia utilizada neste trabalho é a análise do discurso das imagens fotográficas. Em relação aos resultados, pode-se dizer que Nimuendajú revela, fotograficamente, um indígena digno, forte e orgulhoso de sua cultura.

Palavras-chave


Discurso; Imagens; Indígenas; Curt Nimuendajú


Texto completo:

Referências


ALBUQUERQUE, Marli Brito M.; KLEIN, Lisabel Espellet. Pensando a fotografia como fonte histórica. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 297-305, jul/set. 1987.

AMARAL, Marília Perazzo Valadares do. O conceito de alteridade atrelado à evolução da representação social do índio no Brasil (séculos XVI, XVII e XIX). Revista Clio. Arqueologia, v. 2, n. 23, 2008. Disponível em: http://www.ufpe.br/clioarq/index.php?option=com_content&view=article&id=321&Itemid=267. Acesso em: 19 dez. 2016

BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação pós-colonialista no Brasil: aprendizagem triangular. Comunicação e Educação, São Paulo, n. 2, p. 59-64, 1995.

BARTHES, Roland. Rethoric of the Image. In: TRACHTENBERG, Alan (Org). Classic Essays on Photography. Stony Creek: Leete's Island Books, 1980. 269-286 p.

BENJAMIN, Walter. A Short History of Photography. IN: TRACHTENBERG, Alan (Org.). Classic Essays on Photography. Stony Creek: Leete's Island Books, 1980. 199-216 p.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf?sequence=3.

CASTRO, Celso. Apresentação. In: BOAS, Franz. (Org.). Antropologia Cultural. 5. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 2009.

CHAGAS, Mário. Museu do Índio: uma instituição singular e um problema universal. In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; BELTRÃO, Jane Felipe; ECKERT, Cornelia (Org.). Antropologia e patromônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letras, 2007. 175-198 p.

FERNANDES, Eunícia. Presos ao passado. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro: ano 5, n. 49, p.78-81, out. 2009.

FOUCAULT, Michel . A ordem do discurso: Aula inaugural do Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. 51. ed. São Paulo: Global, 2006.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. In: SOVIK, Liv (Org.). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

KOSSOY, Boris. A fotografia como teoria, ficção e história. Entrevista de Boris Kossoy à Globo Universidade, 2010. Disponível em: http://zluizcavalcanti.blogspot.com.br/2010/06/fotografia-como-teoria-ficcao-e.html. Acesso em: 15 ago. 2013.

LAGROU, Els. Arte indígena no Brasil. Belo Horizonte: Editora C/ Arte, 2009.

LISSOVSKY, Mauricio. A máquina de esperar. In: GONDAR, Jô; BARRENECHEA, Miguel Angel (Org.). Memória e Espaço: trilhas do contemporâneo. Rio de Janeiro, 2003. 15-23 p.

SONTAG, Susan. On Photography. In: CROWLEY, Davis; HEYER, Paul (Org.). Communication in History: Technology, Culture, Society. Pearson, 2006. 174-178 p.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n33p75-84

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1789

Total de downloads do artigo: 1541