Políticas públicas educacionais e acessibilidade linguística: avanços e limites na educação do surdo

Angélica Benedito Pereira

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Joseilda Alves de Oliveira

ORCID iD Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Brasil

Resumo

Este trabalho apresenta uma reflexão sobre as políticas públicas de inclusão da pessoa com surdez nas escolas públicas regulares de Ensino Fundamental, considerando os limites e os avanços das políticas educacionais inclusivas para a acessibilidade linguística. Buscamos, mais especificamente, discutir sobre as políticas públicas da educação do surdo no Brasil e compreender a relação entre políticas públicas e acessibilidade linguística, considerando os avanços e limites das políticas de educação do surdo para a acessibilidade linguística. Nosso aporte teórico está embasado em autores como Quadros e Karnopp (2004), Gesser (2009), Skliar (2017), dentre outros que tratam da Libras como língua natural do surdo. A pesquisa se constitui em estudo bibliográfico, pois está pautada em estudos científicos já realizados e apresenta um diálogo aprofundado com as teorias. Resultados apontam que há evidências de avanços na acessibilidade linguística, proporcionada por propostas que compõem as políticas públicas da educação do surdo, desde a aprovação das leis até a presença do intérprete em sala de aula. Apontam ainda que há alguns limites em relação à acessibilidade linguística, a exemplo da ausência de intérprete, na maioria das salas de aula da educação infantil, para atender toda a demanda, e a ausência de um currículo que considere a cultura surda, a identidade surda e compreenda o artefato linguístico como primordial para o desenvolvimento do sujeito.

Palavras-chave


Acessibilidade linguística; Educação; Surdo; Políticas públicas


Texto completo:

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BASSO, I. M. S.; STROBEL, K. L.; MASUTTI, M. Metodologias de ensino de Libras. Florianópolis: UFSC, 2009. Material de apoio. Disponível em: https://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoPedagogico/metodologiaDeEnsinoEmLibrasComoL1/assets/631/TEXTO-BASE_SEM_AS_IMAGENS_.pdf. Acesso em: set. 2021.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cCivil_03/LEIS/2002/L10436.htm. Acesso em: dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.845, de 5 de março de 2004. Institui o Programa de Complementação ao Atendimento Educacional Especializado às Pessoas Portadoras de Deficiência, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2004a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.845.htm. Acesso em: dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 10 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Brasília, DF: Presidência da República, 2010a. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12319.htm. Acesso em: dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12319.htm. Acesso em: dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Normativa MEC 20/2010. Dispõe sobre o Programa Nacional para a Certificação de Proficiência no Uso e Ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras e para a Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação da Libras/Língua Portuguesa - Prolibras. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2010b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9962-portaria-20-2010-secadi&Itemid=30192. Acesso em: dez. 2020.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei nº 180, de 2004. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da oferta da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - em todas as etapas e modalidades da educação básica. Brasília, DF: Senado Federal, 2004b. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/68334. Acesso em: dez. 2020.

BRITO, F. L. A Língua Brasileira de Sinais. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

CASTRO JÚNIOR, G. Variação linguística em Língua de Sinais Brasileira: foco no léxico. 2011. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, 2011. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/8859. Acesso em: dez. 2021.

CORDEIRO, R. S.; COSTA, G. E. B.; ANDRADE, D. M. M. Acessibilidade linguística: o educando surdo no Ensino Fundamental em uma escola de Lauro de Freitas na Bahia. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE (EDUCONSE), 10., São Cristóvão, SE, 2016. Anais [...]. São Cristóvão: UFS, 2016.

COSTA, H. A. C. Políticas públicas na educação dos surdos: o que se diz, o que se faz, o que os surdos querem... 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/190927. Acesso em: 10 dez. 2020.

DAMÁZIO, M. F. M. Atendimento educacional especializado: pessoa com surdez. São Paulo: MEC/SEESP, 2007. 52 p.

DIONYSIO, R. B.; CHRISPINO, Á. Cenário surdo e seus lugares de fala na Revista Educação Especial: uma análise por redes sociais. Revista Educação Especial, v. 32, p. 1-16, 2019. DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X31128.

FELIX, A. O papel da interação no processo de ensino-aprendizagem de português para alunos surdos em uma escola inclusiva. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 48, n. 1, p. 119-131, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-18132009000100009.

FELIPE, T. A. Libras em contexto: curso básico. 8. ed. Rio de Janeiro: FENEIS, 2007.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUARINELLO, A. C.; BERBERIAN, A. P.; SANTANA, A. P.; MASSI, G.; PAULA, M. A inserção do aluno surdo no ensino regular: visão de um grupo de professores do Estado do Paraná. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 12, n. 3, p. 317-330, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382006000300003.

LACERDA, C. B. F. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cadernos CEDES, v. 26, n. 69, p. 163-184, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622006000200004.

MANDELBLATT, J. Políticas públicas, (des)igualdade de oportunidades e ampliação da cidadania no Brasil: o caso da educação de surdos (1990-2014). 2014. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

MESQUITA, L. S. Políticas públicas de inclusão: o acesso da pessoa surda ao ensino superior. Educação & Realidade, v. 43, n. 1, p. 255-274, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-623663861.

OLAH, L. V. A. S.; OLAH, N. C. S. O intérprete de Libras e a inclusão social do surdo. Revista Pandora Brasil, n. 24, 2010. Disponível em: http://revistapandorabrasil.com/revista_pandora/inclusao/interprete_libras.pdf. Acesso em: dez. 2021.

OLIVEIRA, F. B. Desafios na inclusão dos surdos e o intérprete de libras. Diálogos & Saberes, v. 8, n. 1, p. 93-108, 2012. Disponível em: http://seer.fafiman.br/index.php/dialogosesaberes/article/view/271. Acesso em: dez. 2021.

PERLIN, G.; STROBEL, K. Fundamentos da educação de surdos. Florianópolis: UFSC, 2008. Disponível em: https://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/fundamentosDaEducacaoDeSurdos/assets/279/TEXTO_BASE-Fundamentos_Educ_Surdos.pdf. Acesso em: nov. 2020.

QUADROS, R. M. Linguística para o ensino superior 5: Libras. São Paulo: Parábola, 2019. 192 p.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RIO DE JANEIRO (Estado). Lei nº 4.309, de 14 de abril de 2004. Dispõe sobre o ingresso de pessoas com deficiência auditiva nas universidades públicas estaduais. Rio de Janeiro: Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: https://gov-rj.jusbrasil.com.br/legislacao/136081/lei-4309-04. Acesso em: dez. 2020.

SANTIAGO, S. A. S. A história da exclusão da pessoa com deficiência: aspectos socioeconômicos, religiosos e educacionais. João Pessoa: Editora UFPB, 2011.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SKLIAR, C. Atualidade da educação bilíngue para surdos: processos e projetos pedagógicos. 5. ed. Porto Alegre: Mediação, 2017. v. 1.

SKLIAR, C. Os estudos surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, C. (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. p. 7-32.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 3. ed. rev. Florianópolis: Editora UFSC, 2016. 146 p.

STUMPF, M. R. Sistema SignWriting: por uma escrita funcional para o surdo. In: THOMA, A. S.; LOPES; M. C. (org.). A invenção da surdez: cultura, alteridade, identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: Editora UNISC, 2004.

VASCONCELOS, L. S. Por outra psicologia da outra surdez. 2017. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/24081. Acesso em: dez. 2020.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id5908

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 427

Total de downloads do artigo: 226