A caminhabilidade como medida da mobilidade urbana: análise do centro de Brejo Santo, Ceará

Erick Salviano Lima

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Cajazeiras Brasil

Caroline Muñoz Cevada Jeronymo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Cajazeiras Brasil

Resumo

A caminhabilidade trata-se de uma medida para garantir a mobilidade urbana de forma sustentável através do incentivo gerado pelo ambiente à mobilidade ativa, em especial, à caminhada. Neste trabalho buscou-se discutir como a caminhabilidade pode ser uma solução sustentável para os problemas de mobilidade urbana de uma cidade, e avaliar a caminhabilidade do centro de Brejo Santo a partir da aplicação da ferramenta iCam 2.0 (IDTP, 2019). Com esta ferramenta é possível mensurar características do espaço urbano que influenciam nos deslocamentos dos pedestres. Como resultados, constatou-se que a área estudada apresenta desempenho suficiente para a caminhabilidade, porém, para a categoria “segurança viária”, o trecho mostrou-se insuficiente, apontando a necessidade de melhorias nesse quesito, a fim de garantir a integridade física dos pedestres diante do tráfego de veículos motorizados. A ferramenta utilizada se mostrou adequada, os resultados obtidos representam bem a realidade do local, e permitiram a identificação dos pontos críticos com urgência de melhorias.

Palavras-chave


Caminhabilidade; Mobilidade Urbana; Pedestres


Texto completo:

Referências


BRASIL. Lei nº 12.587, de 03 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Brasília, DF, 03 jan. 2012.

BREJO SANTO. Decreto nº 007, de 17 de fevereiro de 2021. Prorroga as medidas de isolamento social e adota outras providencias para evitar disseminação da COVID19 no âmbito do Município de Brejo Santo-CE. Brejo Santo, p. 1-4, 17 fev. 2021a.

BREJO SANTO. Decreto nº 012, de 01 de março de 2021. Prorroga as medidas de isolamento social e adota outras providencias para evitar disseminação da COVID19 no âmbito do Município de Brejo Santo-CE. Brejo Santo, p. 1-5, 17 fev. 2021b.

BREJO SANTO. Decreto nº 013, de 05 de março de 2021. Prorroga as medidas de isolamento social e adota outras providencias para evitar disseminação da COVID19 no âmbito do Município de Brejo Santo-CE. Brejo Santo, p. 1-7, 5 mar. 2021c.

BREJO SANTO. Decreto nº 014, de 12 de março de 2021. Acolhe o isolamento rígido estabelecido pelo Estado do Ceará no Município de Brejo Santo e adota outras providencias. Brejo Santo, p. 1-11, 12 mar. 2021d.

BREJO SANTO. Decreto nº 016, de 22 de março de 2021. Prorroga o isolamento rígido estabelecido pelo Estado do Ceará no Município de Brejo Santo e adota outras providencias. Brejo Santo, p. 1-11, 22 mar. 2021e.

BREJO SANTO. Decreto nº 018, de 29 de março de 2021. Prorroga o isolamento rígido estabelecido pelo Estado do Ceará no Município de Brejo Santo e adota outras providencias. Brejo Santo, p. 1-13, 29 mar. 2021f.

CARDOSO, Carina Folena; FONSECA, Thalita Pereira; GONÇALVES, Pedro Henrique. Caminhabilidade, paisagem e ambiência no centro histórico de Goiás-GO. Paisagem e Ambiente, n. 40, p. 35-57, 15 dez. 2017.

COSTA, Marcela da Silva. Um índice de mobilidade urbana sustentável. 2008. Tese (Doutorado em Planejamento e Operação de Sistemas de Transportes) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008. doi:10.11606/T.18.2008.tde-01112008-200521.

GHIDINI, Roberto. A caminhabilidade: medida urbana sustentável. Revista dos Transportes Públicos – ANTP. São Paulo, v. 33, p. 21-33, 2011.

ITDP Brasil. Índice de Caminhabilidade – Ferramenta – Versão 2.0. 1ª Edição fev. 2018, Versão 2.2 mar. 2019. Disponível em: Acesso em: 02 fev. 2021.

MARQUES, Rafaela. Índice de Caminhabilidade Versão – Ferramenta. 2018. Disponível em: . Acesso em: 05 fev. 2021.

PÁRAMO, Pablo; BURBANO, Andrea. A caminhabilidade em Bogotá: propósitos e condições socioespaciais que facilitam e limitam essa experiência. Revista de Arquitectura (Bogotá), [S.l.], v. 21, n. 2, jul. 2019. ISSN 2357-626X.

RUXA, Marta Sofia Cardoso. Integração da bicicleta na mobilidade urbana – análise de casos de estudo e ensinamentos para Portugal. 2013. 95 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia do Ambiente, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Lisboa, 2013.

SOUTHWORTH, Michael. Designing the Walkable City. Journal Of Urban Planning And Development, [s.l.], v. 131, n. 4, p.246-257, dez. 2005. American Society of Civil Engineers (ASCE). http://dx.doi.org/10.1061/(asce)0733-9488(2005)131:4(246).

SPECK, Jeff. Cidade Caminhável. Tradução de Anita Dimarco, Anita Natividade. São Paulo: Editora Perspectiva Sa, 2016. 278 p.

TURI, Bruna Camilo et al. Caminhada e gastos com saúde em adultos usuários do sistema público de saúde brasileiro: estudo transversal retrospectivo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 3561-3568, 2015.

VIEGAS, Filipe André Roque. Critérios para a Implementação de Redes de Mobilidade Suave em Portugal: Um caso de estudo no município de Lagoa. 2008. 85 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Engenharia Civil, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2008.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id5861

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 297

Total de downloads do artigo: 168