As contribuições da literatura visual no processo de ensino e aprendizagem do aluno surdo

Maria da Luz Souza Alves

ORCID iD Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Brasil

Janaína Aguiar Peixoto

ORCID iD Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Resumo

A literatura visual é uma modalidade de significativa contribuição para o educando surdo. Assim, o presente trabalho teve como principal objetivo abordar as contribuições da literatura visual no processo de ensino e aprendizagem do aluno surdo, buscando retratar o quanto se faz necessário tornar conhecida a língua de sinais nos diversos espaços sociais. No que tange à metodologia, este estudo se caracterizou como uma pesquisa exploratória, pois buscou, em bibliografias que tratam da temática, promover a descrição da complexidade da literatura surda e da língua de sinais, interpretando e compreendendo os principais autores que se debruçam sobre o tema, por meio da análise qualitativa descrita. Tais autores foram pesquisados por meio do Google Acadêmico, utilizando-se de descritores temáticos sobre os fatores históricos e sobre o trajeto da literatura surda, com o intuito de proporcionar análises condizentes com os valores culturais e com as obras literárias dos surdos. Notoriamente, os resultados mostraram que há uma ênfase para que se adote, na educação do surdo, uma metodologia visuo-gestual, com valorização e uso da Libras. Os resultados apontaram, também, para a necessidade de uma formação continuada para os professores envolvidos no processo, e que eles tenham um aporte didático-pedagógico especializado. Ademais, há eminente necessidade de valorização e divulgação da cultura e da literatura surda nas escolas e na sociedade. Espera-se que este trabalho contribua para o despertamento de todos os professores que trabalham com alunos surdos, de forma que sejam sensibilizados acerca da importância da inserção das obras literárias visuais no processo educativo dos surdos, com aporte de metodologias direcionadas às suas especificidades.

Palavras-chave


Ensino de surdos; Língua de sinais; Literatura visual


Texto completo:

Referências


BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 28 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 28 maio 2020.

COSTA, J. P. B. O surdo e as posições sujeito ontem e hoje: falta, excesso ou diferença. 2009. 119 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Campinas, Campinas-SP, 2009. Disponível em: http://taurus.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/269721/1/Costa_JulianaPellegrinelliBarbosa_D.pdf. Acesso em: 28 maio 2020.

COSTA, S. S. C.; KELMAN, C. A. Representações sociais dos surdos do curso de graduação em Letras-Libras. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 46, p. 437-450, maio-ago. 2013. DOI: 10.5902/1984686X5451. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/5451. Acesso em: 29 maio 2020.

DUBOC, M. J. O. A formação do professor e a inclusão educativa: uma reflexão centrada no aluno surdo. Revista Educação Especial, Santa Maria, n. 26, p. 1-5, 2005. DOI: 10.5902/1984686X. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/4407. Acesso em: 29 maio 2020.

FERREIRA, R. W.; CÓRDULA, E. B. L. A importância da Literatura Visual no processo de ensino-aprendizagem do(a) aluno(a) surdo(a). Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 13, 11 jul. 2017. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/17/13/a-importncia-da-literatura-visual-no-processo-de-ensino-aprendizagem-do-a-aluno-a-surdo-a. Acesso em: 30 maio 2020.

GALETTO, A. A. K. et al. A inclusão de educandos surdos no espaço escolar: um estudo de caso. Ensaios Pedagógicos, n. 11, p. 81-95, 2016. Disponível em: https://www.opet.com.br/faculdade/revista-pedagogia/pdf/n11/artigo6.pdf. Acesso em: 30 maio 2020.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

KARNOPP, L. B. Literatura surda. ETD-Educação Temática Digital, v. 7, n. 2, p. 98-109, 2006. Disponível em: https://www.ssoar.info/ssoar/bitstream/handle/document/10162/ssoar-etd-2006-2-karnopp-literatura_surda.pdf?sequence=1. Acesso em: 30 maio 2020.

MAAR, W. L. À guisa de introdução: Adorno e a experiência formativa. In: ADORNO, T. W. (org.). Educação e emancipação. Tradução Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

NICHOLS, G. Literatura Surda: além da língua de sinais. 2016. 184 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Campinas, Campinas-SP, 2016.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

PEIXOTO, J. A. Ensino de Literatura para Surdos: material didático da disciplina “Ensino de Literatura para Surdos”, do Curso de Especialização em Ensino de Língua Portuguesa como Segunda Língua para Surdos. João Pessoa: IFPB, 2020.

PEIXOTO, J. A. O registro da beleza nas mãos: a tradição de produções poéticas em língua de sinais no Brasil. 2016. 263 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

PERLIN, G.; STROBEL, K. História cultural dos surdos: desafio contemporâneo. Educar em Revista, Curitiba, n. 2, p. 17-31, 2014. DOI: 10.1590/0104-4060.37011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/qR5cDC7tgf5SyMtrSGvSVFC/?format=pdf〈=pt. Acesso em: 28 maio 2020.

PRADO, R. Pensando em Libras e escrevendo em Português: como assim? In: FRANCISCO, G. S. A. M.; SÁ, T. M. (org.). Professores de libras: encontro II – estudos de língua brasileira de sinais para o nível superior. 1. ed. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2019. 124 p.

QUADROS, R. M. Educação de Surdos: aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

QUADROS, R. M.; SCHMIEDT, M. L. P. Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

RAMOS, D. C. M. P.; ABRAHÃO, B. Literatura surda e contemporaneidade: contribuições para o estudo da visual vernacular. Pensares em Revista, São Gonçalo-RJ, n. 12, p. 56-75, 2018. DOI: 10.12957/pr.2018.34059. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/pensaresemrevista/article/view/34059. Acesso em: 29 maio 2020.

ROCHA, S. M. O INES e a educação do surdo no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: INES, 2008. v. 1.

SALLES, H. M. M. L. Ensino de Língua Portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógicas. Brasília: MEC, SEESP, 2004.

SILVERMAN, D. Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de Entrevistas, Textos e Interações. Porto Alegre, RS: Bookman, 2009.

SOUZA, R. A. Q. Teoria da literatura. 10. ed. São Paulo: Ática, 2007. 87 p.

STROBEL, K. L. História dos surdos: representações ‘mascaradas’ das identidades surdas. In: QUADROS, R. M.; PERLIN, G. (org.). Estudos Surdos II. Petrópolis-RJ: Editora Arara Azul, 2007.

STROBEL, K. L. Surdos: vestígios culturais não registrados na história. 2008. 176 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id5527

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 428

Total de downloads do artigo: 506