Inoculação com Azospirillum brasilense e Bradyrhizobium japonicum melhora o desempenho fisiológico de sementes de soja?

José Bonifácio Alves Guimarães Júnior

ORCID iD Universidade Federal do Piauí (UFPI) Brasil

Juliana Joice Pereira Lima

Universidade Federal do Piauí (UFPI) Brasil

Milane Sales Lobato

ORCID iD Universidade Federal do Piauí (UFPI) Brasil

Alcione de Miranda Brito

ORCID iD Universidade Federal do Piauí (UFPI) Brasil

Elaine Martins da Costa

ORCID iD Universidade Federal do Piauí (UFPI) Brasil

Luis Borges Rocha

ORCID iD Universidade Federal do Piauí (UFPI) Brasil

Resumo

A soja é uma oleaginosa utilizada na alimentação animal, com ganhos crescentes em produtividade, graças aos avanços tecnológicos, como a utilização de bactérias promotoras de crescimento. Portanto, o objetivo do trabalho foi avaliar a germinação e vigor de sementes de soja submetidas à diferentes doses de inoculação com Azospirillum brasilense e Bradyrhizobium japonicum. O trabalho foi realizado na Universidade Federal do Piauí – UFPI/CPCE. Foi adotado um delineamento inteiramente casualisado (DIC), em esquema fatorial 2x2x5, com quatro repetições, sendo duas espécies de bactérias (Azospirillum brasilense e Bradyrhizobium japonicum), duas cultivares de soja (M8808 IPRO e a FTR 4280 IPRO) e cinco doses dos inoculantes (0, 100, 200, 300 e 400 ml para 50 kg de sementes). Foram analisados porcentagem de germinação e plântulas anormais, índice de velocidade de germinação, comprimento da parte aérea e raiz e massa seca de plântulas. Houve efeito significativo para todas as variáveis e o Azospirillum brasilense se mostrou eficiente para todas elas, com exceção da massa seca, que nesse caso o Bradyrhizobium japonicum se mostrou mais eficaz. A inoculação com Azospirillum brasilense na dose entre 200 e 300 ml e de Bradyrhizobium japonicum na dose de 200 a 230 ml promove melhorias no vigor das sementes.

Palavras-chave


Bactérias promotoras de crescimento; Germinação; Glycine max L.; Vigor


Texto completo:

Referências


ARMENDARIZ, A. L. et al. Impact of double inoculation with Bradyrhizobium japonicum E109 and Azospirillum brasilense Az39 on soybean plants grown under arsenic stress. Plant Physiology and Biochemistry, v. 138 p. 26-35, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.plaphy.2019.02.018. Disponivel em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0981942819300671. Acesso em: 30 dez. 2020.

ARSHAD, M.; FRANKENBERGER JUNIOR., W. T. Plant growth-regulating substances in the rhizosphere: microbial production and functions. Advances in Agronomy, v. 62, p. 45-151, 1997. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0065-2113(08)60567-2. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0065211308605672. Acesso em: 20 nov. 2020.

BENNETT, M. A. Determination and standardization challenges of vigor tests of vegetable seeds. Informativo Abrates, v. 11, n. 3, p. 58-62, 2001. Disponível em: http://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/busca?b=ad&biblioteca=vazio&busca=autoria:%22BENNETT,%20M.%%2020A.%%2022. Acesso em: 31 dez. 2020.

BIOMA. Bioma Brady Soja, [2020?]. Disponível em: https://www.bioma.ind.br/produto/bioma-brady-soy-liquid. Acesso em: 28 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Secretaria de Defesa Agropecuária, MAPA/ACS, 2009. 398p. Disponível em: https://www.abrates.org.br/files/regras_analise_de_sementes.pdf. Acesso em: 31 dez. 2020.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 2 ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590 p.

CASSÁN, F. et al. Azospirillum brasilense Az39 and Bradyrhizobium japonicum E109, inoculated singly or in combination, promote seed germination and early seedling growth in corn (Zea mays L.) and soybean (Glycine max L.). European Journal of Soil Biology, v. 45 n. 1 p. 28–35, 2009. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ejsobi.2008.08.005. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1164556308001064. Acesso em: 15 jan. 2021.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos, v. 8 – Safra 2020, n. 3 – Terceiro levantamento, p. 1-86, 2020. Disponível em: https://www.conab.gov.br/component/k2/item/download/34779_9ec59c49528b037aadde144a7af2743f. Acesso em: 31 dez. 2020.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Tecnologias de Produção de Soja – Região Central do Brasil 2012 e 2013. Londrina: Embrapa Soja, 2011. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/44954/1/TEC.-PROD.15.pdf. Acesso em: 31 dez. 2020.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-70542011000600001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-70542011000600001. Acesso em: 12 jan. 2021.

FIPKE, G. M. et al. Co-inoculation with diazotrophic bactéria in soybeans associated to urea topdressing. Ciência e Agrotecnologia, v. 40, n. 5, p. 522-533, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-70542016405001316. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cagro/a/6nvw8HzbRJBF4Q93bDtBjsw/. Acesso em: 30 dez. 2020.

GALINDO, F. S. et al. Wheat yield in the Cerrado as affected by nitrogen fertilization and inoculation with Azospirillum brasilense. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 52, n. 9, p. 794-805, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0100-204x2017000900012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pab/a/vYFvpLpVmHX8YvQcNQqmsxM. Acesso em: 12 jan. 2021.

ITURRALDE, E. T. et al. Coinoculation of soybean plants with Bradyrhizobium japonicum and Trichoderma harzianum: coexistence of both microbes and relief of nitrate inhibition of nodulation. Biotechnology Reports, v. 26, e00461, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.btre.2020.e00461. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2215017X19303790. Acesso em: 28 jan. 2021.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962. DOI: https://doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x. Disponível em: https://acsess.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x. Acesso em: 27 dez. 2020.

MICROQUIMICA; TRADECORP. Azzofix, [2020?]. Disponível em: https://microquimicatradecorp.com/product/azzofix.d.html. Acesso em: 28 jan. 2021.

OKON, Y.; LABANDERA-GONZALEZ, C. A. Agronomic applications of Azospirillum: an evaluation of 20 years worldwide field inoculation. Soil Biology and Biochemistry, v. 26, n. 12, p. 1591-1601, 1994. DOI: https://doi.org/10.1016/0038-0717(94)90311-5. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0038071794903115. Acesso em: 22 jan. 2021.

RADWAN, T. E.-S. E.-D.; MOHAMED, Z. K.; REIS, V. M. Efeito da inoculação de Azospirillum e Herbaspirillum na produção de compostos indólicos em plântulas de milho e arroz. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 10, p. 987-994, 2004. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2004001000006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pab/a/Qy5cVKJT7J84b8BQH6XxF8j/. Acesso em: 12 jan. 2021.

SANTINI, J. M. K. et al. Doses and forms of Azospirillum braselense inoculation on maize crop. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 22, n. 6, p. 373-377, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v22n6p373-377. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbeaa/a/GQdywVkVGyD6HnDMmjYjdxJ/. Acesso em: 22 dez. 2020.

SOUZA, F. G. et al. Inoculation and co-inoculation of Bradyrhizobium japonicum and Azospirillum brasilense in soybean culture. Research, Society and Development, v. 9, n. 6, e170963553, 2020. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3553. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/3553. Acesso em: 15 jan. 2021.

TAIZ, L.; ZEIGUER, E. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 2017. 888 p.

ZILLI, J. E. et al. Inoculação da soja com Bradyrhizobum no sulco de semeadura alternativamente à inoculação de sementes. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 34, p. 1875-1881, 2010. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/35970/1/31812.pdf. Acesso em: 31 dez. 2020.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id5408

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 306

Total de downloads do artigo: 164