Diagnóstico ambiental e recomendações para recuperação de área degradada em Aquidauana, Mato Grosso do Sul, Brasil

Jéssica Maia Alves Pimenta

ORCID iD Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Brasil

Ana Luiza Rati dos Santos

ORCID iD Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil

Damaris Elias Vera

ORCID iD Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) Brasil

Luzia Barcelos Deknes

ORCID iD Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) Brasil

Thiago Woiciechowski

ORCID iD Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) Brasil

Resumo

O aumento gradativo de impactos no meio ambiente, decorrentes da exploração não planejada de recursos naturais, acarreta modificações intensas e até mesmo irreversíveis. O município de Aquidauana, Mato Grosso do Sul (MS) se torna propenso a processos de degradação devido a determinados fatores abióticos, principalmente à tipologia de solos e ao relevo, como também em virtude de ações antrópicas como a urbanização e a pecuária, principal atividade econômica da região. Este estudo teve como objetivo realizar um diagnóstico ambiental de uma área degradada no município de Aquidauana, com a finalidade de propor um plano de recuperação da área. Para a elaboração do diagnóstico, foi realizado um levantamento do histórico da degradação ambiental e estado atual da área, por meio de caracterizações do meio físico e biótico, especialmente do solo e relevo, além de avaliação da qualidade da água e análises fitossociológicas. Mesmo com apontamentos positivos do diagnóstico ambiental, fatores históricos da área, assim como outros relacionados à textura e ao relevo, propiciaram elevadas perdas de solo na área de estudo, formando voçorocas e prejudicando nascentes. Portanto, ações imediatas propostas para a recuperação da área devem ser implantadas a fim de se minimizar a degradação ambiental em decorrência da exploração inadequada dos recursos naturais.

Palavras-chave


Cerrado; impacto ambiental; PRAD; recomposição ambiental


Texto completo:

Referências


ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.006: Procedimento para obtenção de extrato solubilizado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro, 2004.

ALMEIDA, A. N.; RODRIGUES, N. G.; VIEIRA, L. C. G.; COUTO JUNIOR, A. F. Problemas nos estudos de impacto ambiental de rodovias e ferrovias. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 6, n. 12, p. 129-136, 2019. DOI: https://doi.org/10.21438/rbgas.061210.

ALMEIDA, D. S. Recuperação ambiental da Mata Atlântica. 3. ed. rev. e aum. Ilhéus: Editus, 2016. Disponível em: http://books.scielo.org/id/8xvf4/pdf/almeida-9788574554402.pdf. Acesso em: 6 maio 2020.

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507.

BARRETO, L.; BARROS, F.; BONOMO, P.; ROCHA, F.; AMORIM, J. Eutrofização em rios brasileiros. Enciclopédia Biosfera, v. 9, n. 16, 2013. Disponível em: https://www.conhecer.org.br/enciclop/2013a/biologicas/eutrofizacao.pdf. Acesso em: 9 maio 2020.

BRASIL. Decreto nº 97.632, de 10 abril de 1989. Dispõe sobre a regulamentação do Artigo 2º, inciso VIII, da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1989. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/d97632.htm. Acesso em: 4 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Código Florestal Brasileiro. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 4 maio 2020.

BUZELLI, G. M.; CUNHA-SANTINO, M. B. Análise e diagnóstico da qualidade da água e estado trófico do reservatório de Barra Bonita, SP. Revista Ambiente & Água, Taubaté, v. 8, n. 1, p. 186-205, 2013. DOI: https://doi.org/10.4136/ambi-agua.930.

CANTARUTTI, R. B.; ALVAREZ, V. V. H.; RIBEIRO, A. C. Amostragem do solo. In: RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃES, P. T. G.; ALVAREZ, V. V. H. (org.). Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5º Aproximação. Viçosa, MG: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais - CFSEMG, 1999. p. 13-20.

CARIELO, P.; CAMPOS, L. B.; PEREIRA, V. T. Y.; HENRIQUES, N. P. Levantamento fitossociológico do fragmento da trilha “capitão do campo” no parque estadual do Aguapeí, estado de São Paulo. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 12, p. 29881-29896, dec. 2019. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n12-128.

CASTRO, P. S.; GOMES, M. A. Técnicas de conservação de nascentes. Revista Ação Ambiental, Viçosa, v. 4, n. 20, p. 24-26, 2001.

CECA – CONSELHO ESTADUAL DE CONTROLE AMBIENTAL/MS. Deliberação CECA/MS nº 36, de 27 de junho de 2012. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água superficiais e estabelece diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como, estabelece as diretrizes, condições e padrões de lançamento de efluentes no âmbito do Estado do Mato Grosso do Sul, e dá outras providências. Campo Grande: Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul, 2012. Disponível em: https://www.imasul.ms.gov.br/wp-content/uploads/2015/06/Delibera%C3%A7%C3%A3o_CECA_MS_N%C2%BA36_DE_27_de_junho_de_2012__Enquadramento..pdf. Acesso em: 10 maio 2020.

CHAVES, T. A.; ANDRADE, A. G.; LIMA, J. D. S.; PORTOCARRERO, H. Recuperação de áreas degradadas por erosão no meio rural. Niterói, RJ: Programa Rio Rural, 2012. 21 p. (Manual Técnico, 34). Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/950896. Acesso em: 4 maio 2020.

COLLI, G. R.; VIEIRA, C. R.; DIANESE, J. C. Biodiversity and conservation of the Cerrado: recent advances and old challenges. Biodiversity and Conservation, v. 29, p. 1465-1475, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s10531-020-01967-x.

CONAMA – CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 142, n. 53, p. 58-63, 18 mar. 2005. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=58&data=18/03/2005&totalArquivos=192. Acesso em: 10 maio 2020.

CORREA, R. S. Recuperação de áreas degradadas pela mineração no Cerrado. Brasília, DF: Universa, 2009.

DNIT – DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. Ministério dos transportes. Norma DNIT 070/ 2006 – PRO: Condicionantes ambientais das áreas de uso de obras – Procedimento. Disponível em: https://www.gov.br/dnit/pt-br/assuntos/planejamento-e-pesquisa/ipr/coletanea-de-normas/coletanea-de-normas/procedimento-pro/dnit_070_2006_pro.pdf. Acesso em: 10 maio 2020.

DURIGAN, G. Métodos para análise de vegetação arbórea. In: CULLEN JUNIOR, L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PÁDUA, C. (org.). Métodos de Estudos em Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Curitiba: Editora UFPR; Fundação Boticário de Proteção à Natureza, 2003. p. 455-480.

DUTKA, B. J. Shortterm root elongation toxicity bioassay. In: DUTKA, B. J. Methods for toxicological analysis of waters, wastewaters and sediments. Ottawa: National Water Research Institute Environmental Canada, 1989. p. 60-90.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Curso de recuperação de áreas degradadas: a visão da ciência do solo no contexto do diagnóstico, manejo, indicadores de monitoramento e estratégias de recuperação. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2008.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistema brasileiro de classificação de solos. 4. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2014. 353 p.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistemas de produção: recuperação de voçorocas em áreas rurais. Seropédica: Embrapa, 2006.

FARIAS, J. A. C.; TEIXEIRA, I. F.; PES, L.; ALVAREZ FILHO, A. Estrutura fitossociológica de uma Floresta Estacional Decidual na região de Santa Maria, RS. Ciência Florestal, v. 4, n. 1, p. 109-128, 1994. DOI: https://doi.org/10.5902/19805098301.

FELFILI, J. M.; NOGUEIRA, P. E.; SILVA JÚNIOR, M. C.; MARIMON, B. S.; DELITTI, W. B. C. Composição florística e fitossociologia do Cerrado sentido restrito no município de Água Boa - MT. Acta Botânica Brasilica, v. 16, n. 1, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-33062002000100012.

FELFILI, J. M.; EISENLOHR, P. V.; MELO, M. M. R. F.; ANDRADE, L. A.; MEIRA-NETO, J. A. A. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa, MG: Editora UFV, 2013. 556 p. (v. I).

FERREIRA, R. M. R. Recuperação de voçorocas de grande porte. In: ENCONTRO BRASILEIRO SOBRE RAVINAS, VOÇOROCAS, EROSÃO HÍDRICA DO SOLO E MOVIMENTOS DE MASSA, 2015, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2015. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/1025952. Acesso em: 4 maio 2020.

GOMES, N. A.; LEITE, J. C. A.; FARIAS, C. A. S.; SILVA, A. P. O.; ISMAEL, F. C. M. Diagnóstico ambiental qualitativo no “lixão” da cidade de Pombal, Paraíba. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 12, n. 1, p. 61-67, 2017. DOI: https://doi.org/10.18378/rvads.v12i1.4560.

GONÇALVES, D. S.; SOUZA, P. A.; OLIVEIRA, A. L.; MARTINS, T. S. Diagnóstico ambiental e proposta de plano de recuperação da APP, Fazenda Santa Juliana, Cariri do Tocantins–TO. Nucleus, v. 13, n. 1, p. 261-276, 2016. Disponível em: http://www.nucleus.feituverava.com.br/index.php/nucleus/article/view/1562. Acesso em: 6 maio 2020.

HARIDASAN, M. Nutritional adaptations of native plants of the cerrado biome in acid soils. Brazilian Journal of Plant Physiology, v. 20, n. 3, p. 183-195, sept. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1677-04202008000300003.

IBAMA – INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Instrução Normativa IBAMA nº 04, de 13 de abril de 2011. Estabelece procedimentos para elaboração, análise, aprovação e acompanhamento da execução de Projeto de Recuperação de Área Degradada ou Perturbada – PRAD. Brasília, DF: IBAMA, 2011. Disponível em: http://www.ibama.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&legislacao=118064. Acesso em: 15 jun. 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 94 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv63011.pdf. Acesso em: 16 maio 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mapa de Biomas do Brasil: primeira aproximação. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

ICMBIO – INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Instrução Normativa ICMBio nº 11, de 11 de dezembro de 2014. Estabelece procedimentos para elaboração, análise, aprovação e acompanhamento da execução de Projeto de Recuperação de Área Degradada ou Perturbada – PRAD. Brasília, DF: ICMBIO, 2014. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/cepsul/images/stories/legislacao/Instrucao_normativa/2014/in_icmbio_11_2014_estabelece_procedimentos_prad.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

LAMPRECHT, H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas - possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Rossdorf: Zusammenarbeit, 1990. 343 p.

LAVINA, L. N.; LINS, G. A.; COSTA, E.; ROCHA, D. C.; SILVA, E. R.; ALMEIDA, J. R. Proposta de um plano de recuperação de área degradada por atividade de mineração. Revista Internacional de Ciências, v. 6, n. 1, p. 123-135, 2016. DOI: https://doi.org/10.12957/ric.2016.25001.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 4. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. v. 1.

MARTINS, S. V. Recuperação de áreas degradadas: ações em áreas de preservação permanente, voçorocas, taludes rodoviários e de mineração. 4. ed. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2016. 266 p.

MENEZES FILHO, A. C. P. Curatella americana uma espécie característica do Cerrado pouco conhecida: características da sistemática, fenologia, fitoquímica e fitomedicinal. Scientia Naturalis, Rio Branco, v. 3, n. 1, p. 330-344, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/SciNat/article/view/4287. Acesso em: 16 jun. 2020.

MIRANDA, J. C. C. Utilização de micorrizas na agricultura. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 1986. 15 p.

MOURA, M. M. S.; ARAÚJO NETO, J. R.; PALÁCIO, H. A. Q.; BATISTA, F. J. A.; SOUSA, M. M. M. Vulnerabilidade à erosão quanto aos aspectos solo e vegetação em uma bacia hidrográfica no semiárido. Revista Entorno Geográfico, n. 13, p. 100-113, 2017. DOI: https://doi.org/10.25100/eg.v0i13.6033.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v. 403, p. 853-858, Feb. 2000. DOI: https://doi.org/10.1038/35002501.

ODUM, E. P. Ecologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988. 434 p.

OLIVEIRA, L. M.; SANTOS, A. F.; TAVARES, M. E. F.; GANASSOLI, E.; GIONGO, M. Flora, estrutura diamétrica, hipsométrica e grupos ecológicos de um fragmento de Cerrado do Cariri, Tocantins. Vértices, v. 20, n. 1, p. 18-28, 2018. DOI: https://doi.org/10.19180/1809-2667.v20n12018p18-28.

PAIXÃO, A. A.; JOIA, P. R. Transporte rodoviário e organização espacial na microrregião geográfica de Aquidauana (MS). Ciência Geográfica, v. 23, n. 2, p. 498-511, jan.-dez. 2019. Disponível em: https://www.agbbauru.org.br/publicacoes/revista/anoXXIII_2/agb_xxiii_2_web/agb_xxiii_2-11.pdf. Acesso em: 16 jun. 2020.

SALOMÃO, P. E. A.; BARBOSA, L. C.; CORDEIRO, I. J. M. Pasture degraded areas recovery: a brief review. Research, Society and Development, v. 9, n. 2, p. 57922057, 2020. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2057.

SANCHES, L. E. Avaliação de Impacto Ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

SCOLFORO, J. R. S.; MELLO, J. M. Inventário Florestal. Lavras: UFLA/Faepe, 1997. 341 p.

SILVA, C. M. A face infértil do Brasil: ciência, recursos hídricos e o debate sobre (in)fertilidade dos solos do cerrado brasileiro, 1892-1942. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 26, n. 2, p. 483-500, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702019000200007.

SILVA JUNIOR, É. D.; SILVA, K. A. Análise da aplicabilidade do uso de pneus na recuperação de voçorocas por diferentes técnicas de disposição. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 7, n. 12, p. 1-2, jan. 2011. Disponível em: https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/4551. Acesso em: 6 maio 2020.

TUNDISI, J. G. Ciclo hidrológico e gerenciamento integrado. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 55, n. 4, p. 31-33, 2003. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252003000400018. Acesso em: 16 jun. 2020.

UBERABA. Secretaria do Meio Ambiente. Manual de recuperação de nascentes. Uberaba: Prefeitura Municipal de Uberaba, 2007.

VIEIRA, D.; SAMPAIO, A. B.; SKORUPA, L.; ARCO-VERDE, M. F.; CAMPELLO, E.; MORAES, L. F. D.; DURIGAN, G. Espécies arbóreas e estratégias para a recomposição da vegetação nativa no bioma Cerrado. Folheto. Brasília, DF: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2017. Disponível em: https://www.embrapa.br/en/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1098121/especies-arboreas-e-estrategias-para-a-recomposicao-da-vegetacao-nativa-no-bioma-cerrado. Acesso em: 10 jun. 2020.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id4985

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 327

Total de downloads do artigo: 201