Parques urbanos da Grande Belém (PA) como espaço de atividades didático-pedagógicas para discentes de Ciências Biológicas

Fabrício Lemos de Siqueira Mendes

ORCID iD Universidade Federal do Pará (UFPA) Brasil

Lucas dos Anjos Rodrigues

Museu Paraense Emílio Goeldi Brasil

Raimundo Luiz Morais Sousa

ORCID iD Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) Brasil

Resumo

O trabalho aqui apresentado objetivou identificar quais atividades foram desenvolvidas pelos discentes ao longo do Projeto Vivências (PV) em PU da grande Belém (PA). As Ciências Biológicas, de um modo geral nas escolas de ensino básico é baseada nos livros didáticos, com alguns alunos memorizando os conteúdos sem relacionar com a realidade ou com algum tipo de aula prática. Nestas definições, podemos dizer que educação formal já não é incumbida de forma exclusiva para a aquisição de troca de conhecimento. Deste modo, um dos locais de grande aprendizado para a disciplina Biologia são os Parques Urbanos (PU), que passam a ser motivadores e prazerosos para alunos e professores. A metodologia utilizada foi através do levantamento das atividades através dos relatórios mensais dos participantes do projeto. Em seguida foi realizada a análise estatística. Como resultado o PU de maior frequência foi o Bosque Rodrigues Alves. A atividade mais relatada, pelos discentes, foram agendamento e monitoramento de visitas. Deste modo, conclui-se que o PV é de significativa importância no subsídio dos discentes do Curso de Ciências Biológicas, uma vez que o enriquecimento do conhecimento cognitivo, na aquisição de bagagem prática se torna de fundamental importância nas decisões relacionadas ao seu futuro profissional.

Palavras-chave


Parques urbanos; Projeto Vivências; Ciências Biológicas; Cidade de Belém


Texto completo:

Referências


BAHIA, M. C. O lazer e as relações socioambientais em Belém-Pará. 2012. 300 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

BELÉM. Secretaria Municipal de Meio Ambiente. O jardim zoobotânico. Belém: SEMMA, [201-?]. Disponível em: http://www.belem.pa.gov.br/semma/bosque/. Acesso em: 18 ago. 2016.

BEVILACQUA, G. D.; COUTINHO-SILVA, R. O ensino de Ciências na 5ª série através da experimentação. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 10, p. 84-92, 2007.

BORSSOI, B. L. O estágio na formação docente: da teoria a prática, ação-reflexão. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 1., 2008, Cascavel. Anais [...]. Cascavel: Unioeste, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CES nº 1.301/2001. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado e Licenciatura). Diário oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 25, 7 dezembro de 2001.

CASTRO, E. M. R.; FIGUEIREDO, S. L. (org.). Sociedade, Campo Social e Espaço Público. 1. ed. Belém: Editora NAEA/UFPA, 2014. v. 3. 418p.

CAVALCANTE, P. B. Guia botânico do Museu Goeldi. 3. ed. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2006.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 22, p. 89-100, jan./abr. 2003.

CORREA, H. V. A representação social de áreas verdes em cidades: o caso Bosque Rodrigues Alves – jardim botânico da Amazônia. Margens Interdisciplinar, Belém, v. 8, n. 11, p. 70-88, 2014.

CRUZ, P. J. S. C.; RODRIGUES, A. P. M. E.; PEREIRA, E. A. A. L.; ARAÚJO, R. S.; ALENCAR, I. C. (org.). Vivências de extensão em educação popular no Brasil. João Pessoa: Editora do CCTA, 2018. (v. 1, Extensão e formação universitária: caminhos, desafios e aprendizagens).

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 8. ed. São Paulo: Gaia, 2003.

FEITOSA, M. G. G.; FRANCO, A. P. Da sala de aula ao mundo empresarial: compreendendo a aprendizagem dos consultores juniores em suas relações com o sistema-cliente. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador. Anais [...]. Maringá: Anpad, 2006. p. 1-16.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALERIA de fotos. Jardim Zoobotânico da Amazônia. [2015?]. 1 fotografia. Disponível em: http://www.belem.pa.gov.br/semma/bosque/?page_id=594. Acesso em: 20 out. 2020.

GOHN, M. G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

HENDGES, A. S. Educação ambiental no ensino formal e não formal, Lei 9.795/1999. EcoDebate, set. 2010. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2010/09/13/educacao-ambiental-no-ensino-formal-e-nao-formal-lei-9-7951999-artigo-de-antonio-silvio-hendges/. Acesso em: 08 jul. 2016.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, Uberlândia, v. 7, n. 1, p. 55-66, 2008.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 1-16, jun. 2001.

MARTINS, S. M. G. As trilhas ecológicas como ferramenta para vivências ambientais na Serra de Tepequém/Roraima: percepções de frequentadores, moradores e educadores. 2014. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Exatas) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Extas, Centro Universitário Univates, Lajeado, 2014.

MINISTÉRIO da Ciência, Tecnologia e Inovações. Museu Paraense Emílio Goeldi. Disponível em: http://www.mangaldasgarcas.com.br/nossos-espacos. Acesso em: 21 jun. 2021.

NOSSOS espaços. [2021]. Mangal das garças. 1 fotografia. Disponível em: http://www.mangaldasgarcas.com.br/nossos-espacos. Acesso em: 20 out. 2020.

OLIVEIRA, R. G. Tornar-se professor de matemática: uma experiência de aprendizagem cooperativa. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 9., 2005, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: EUSP, 2005. p. 1-12.

PARÁ. Governo do Estado. Mangal das Garças. História. Belém: Mangal das Garças, 2010 Disponível em: http://www.mangaldasgarcas.com.br/historia/. Acesso em: 20 out. 2020.

PARENTE, T. C.; CABRAL, A. C. A.; ANDRADE, A. G.; BONADIES, G. R. M.; PESSOA, M. N. M. A importância da prática no ensino: a opinião dos alunos de administração de uma instituição de ensino superior. In: ENCONTRO DE ENSINO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE, 2., 2009, Curitiba. Anais [...]. Maringá: Anpad, 2009.

RIOS, N. A. Refletindo sobre as unidades de conservação na Região Metropolitana de Belém/PA. In: CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO, 7., 2012, Palmas. Anais [...]. Palmas: IFTO, 2012.

ROCHA, C. Agora o Parque Ambiental Antônio Danúbio é jardim botânico. Clube Mochileiro Aventura, Belém, 2013. Disponível em: http://clubemochileiroaventura.blogspot.com.br/2013/02/agora-o-parque-ambiental-antonio.html. Acesso em: 07 jul. 2016.

ROCHA, S. C. B.; FACHÍN-TERÁN, A. O uso de espaços não formais como estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA Edições, 2010.

SEGURA, D. S. B. Educação ambiental na escola pública: da curiosidade ingênua a consciência crítica. São Paulo: Annablume, 2001.

SHIMADA, M. S.; FACHÍN-TERÁN, A. A relevância dos espaços não formais para o ensino de ciências. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS NA AMAZÔNIA, 4., 2014, Caballo Cocha (Peru), Tabatinga (AM). Anais [...]. Manaus: Universidade do Estado do Amazonas, 2014. p. 1-8.

SILVA, S, A. P. S. Estágios curriculares na formação de professores de Educação Física: o ideal, o real e o possível. Revista Digital, Buenos Aires, v. 10, n. 82, p. 3-5, mar. 2005. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd82/estagios.htm. Acesso em: 08 jul. 2016.

VIEIRA, I. C. G.; JUNIOR, N. G.; SANJAD, N.; HIGUCHI, H. Reencontros: Emílio Goeldi e o museu paraense. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2006.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id4275

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 511

Total de downloads do artigo: 339