Percepções dos profissionais de saúde do município de Sousa-PB sobre leishmaniose visceral

Lianna Soraya Rolim de Araújo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Juliana Ferreira da Silva

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Igor Porfírio de Mendonça

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Thais Ferreira Feitosa

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Vinícius Longo Ribeiro Vilela

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Paulo Wbiratan Lopes da Costa

Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Brasil

Resumo

Objetivou-se analisar o conhecimento dos profissionais de saúde das unidades básicas de atendimento de Sousa sobre a Leishmaniose Visceral. Foram aplicados 100 questionários epidemiológicos com Agentes Comunitários de Saúde, Técnicos de Enfermagem, Enfermeiros e Médicos. Observou-se que, dentre os 100 profissionais entrevistados, 88% afirmaram que a Leishmaniose é uma zoonose, 97% conhecem a Leishmaniose pelo nome de Calazar. Em relação a transmissão da Leishmaniose, 80% dos profissionais acreditam que acontece através da picada do mosquito infectado. Por sua vez apenas 78% dos profissionais reconhecem que o agente causador é protozoário. Quando se fala em tratamento para Leishmaniose, 100% dos profissionais entrevistados acreditam que existe tratamento para essa enfermidade, e 90% mencionaram que havia cura. Sobre a existência de vacina 69% afirmaram não existir. Sobre medidas de controle e profilaxia, 34% remetem a realização de exames diagnósticos nas pessoas e animais. No que diz respeito a prevenção da Leishmaniose, 65% dos profissionais opinaram sobre evitar disseminação do mosquito e informar medidas de prevenção. Conclui-se que ainda há lacunas conceituais nos profissionais de saúde do município de Sousa – PB, sobre Leishmaniose Visceral, havendo a necessidade de implementar processos de educação permanente destes profissionais, contextualizando as informações sobre as leishmanioses à realidade estudada.

Palavras-chave


Calazar; Controle; Transmissão; Tratamento; Vacina


Texto completo:

Referências


BASANO, S. de A.; CAMARGO, L. M. A. Leishmaniose tegumentar americana: histórico, epidemiologia e perspectivas de controle. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 328-337, 2004.

BELO, V. S. et al. Factors Associated with Visceral Leishmaniasis in the Americas: A Systematic Review and Meta-Analysis. Neglected Tropical Diseases, Califórnia, v. 7, n. 4, 2013.

BORGES, B. K. A. et al. Presença de animais associada ao risco de transmissão da leishmaniose visceral em humanos em Belo Horizonte, Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 61, n. 5, p. 1035-1043, 2009.

BRASIL, A. W. de L. et al. Prevalência e fatores de risco associados às infecções por Leishmania spp. e Trypanosoma cruzi em cães atendidos em clínicas veterinárias de João Pessoa, Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 39, n. 5, p. 2293-2300, 2018.

BRASIL. Decreto n° 51.838, de 14 de março de 1963. Baixa Normas Técnicas Especiais para o Combate às Leishmanioses. Presidência da República, Brasília, 1963. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D51838.htm. Acessado em: 10 Ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_infecciosas_parasitaria_guia_bolso.pdf. Acessado em 10 Dez. 2018.

BRASIL. Resolução de n° 1000, de 11 de maio de 2012. Dispõe sobre procedimentos e métodos de eutanásia em animais e dá outras providências. Conselho Federal de Medicina Veterinária, Brasília, 2012. Disponível em: file:///C:/Users/SEMP/Downloads/1000.pdf. Acessado em: 15 Ago. 2019.

CARMO, R. F.; LUZ, Z. M. P.; BEVILACQUA, P. D. Percepções da população e de profissionais de saúde sobre a leishmaniose visceral. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 621-628, 2016.

CAVALCANTE, I. J. M.; VALE, M. R. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral (calazar) no Ceará no período de 2007 a 2011. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 911-924, 2014.

FERNANDES, A. R. de F. et al. Fatores de risco associados às soropositividades para Leishmania spp. e Trypanosoma cruzi em cães no Estado da Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, Jaboticabal, v. 25, n. 1, p. 90-98, 2016.

FOCCACIA, R.; VERONESI, R. (orgs). Tratado de Infectologia. 6. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2015.

FRASER, M.; GONDIM, S. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia (Ribeirão Preto). 2004;14 (28):139-152.

HENRIQUES, M. M. et al. Aspectos clínicos de cães com leishmanioses. Clínica Médica, São Paulo, v. 28, p. 36-44, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/sousa/pesquisa/23/25207?tipo=ranking. Acessado em: 05 Ago. 2019.

LUDWIG, K. M. et al. Correlação entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Minas Gerais, v. 32, n. 5, p. 547-555, 2010.

MENEZES, J. A. et al. Leishmanioses: o conhecimento dos profissionais de saúde em área endêmica. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, v. 27, n. 2, p. 207-215, 2014.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA). Leishmaniose Visceral: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2019. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/leishmaniose-visceral. Acessado em: 05 de Ago. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Leishmanioses. Nota descritiva, Setembro, 2016. Disponível em: https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/leishmaniasis. Acessado em: 20 Out. 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Leishmanioses: Informe Epidemiológico das Américas. Informe Leishmaniose, n. 3, Julho, 2015. Disponível em: http://www2.paho.org/hq/index.php?option=com_topics&view=article&id=29&Itemid=4075 4. Acessado em: 20 Out. 2018.

PINTO, N. F. dos S.; MELO, M. A. de. Levantamento epidemiológico da leishmaniose visceral canina na mesorregião do sertão Paraibano. In: Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Campina Grande, 9, 2012, Campina Grande. Anais do IX Congresso de Iniciação Científica da UFCG. Campina Grande: UFCG, 2012. p. 1-9. Disponível em: http://pesquisa.ufcg.edu.br/anais/2012/arquivos/nedjafernanda.pdf. Acessado em 10 Ago. 2019.

SCHIMMING, B. C.; PINTO E SILVA, J. R. C. Leishmaniose Visceral Canina:Revisão de literatura. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, São Paulo, ano 10, n. 19, p. 1-17, 2012.

SILVA, F. de O. L. Ecoepidemiologia e Controle da Leishmaniose Visceral no município de Belo Horizonte (Minas Gerais, Brasil). Tese (Doutorado em Ciências da Saúde com concentração em Doenças Infecciosas e Parasitárias) – Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Pesquisa René Rachou, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Belo Horizonte, 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Control of the leishmaniases. Geneva: WHO, 2010.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n49p62-67

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 939

Total de downloads do artigo: 501