Análise temporal dos aspectos clínicos e sociais relacionados a sífilis congênita na Paraíba entre 2008 e 2017

Matheus Santos Duarte

ORCID iD Universidade Federal de Alagoas Brasil

Michael Ferreira Machado

ORCID iD Universidade Federal de Alagoas Brasil

Carlos Dornels Freire de Souza

ORCID iD Universidade Federal de Alagoas Brasil

Resumo

Congenital syphilis is a disease resulting from vertical transmission of the Treponema pallidum bacterium from the infected mother to her child, which can result in several sequelae for the newborn. This study aimed to analyze the clinical and social characteristics of mothers whose children were affected by this disease in Paraíba between 2008 and 2017. It is a descriptive and cross-sectional study developed from secondary data from the Ministry of Health. The trends were analyzed through a segmented regression model using Joinpoint software. The statistical results were compared with the government actions implemented in the analyzed time period, in the scope of the fight against syphilis. A higher proportion of cases of this disease was observed in women with brown skin and low schooling. This proportion was higher than the national average. A high percentage of inadequate treatment was also observed. Although this ratio has decreased lately, the proportion of those who did not undergo treatment has increased. Prenatal care has been increasingly performed by these pregnant women. In this sense, the influence of the Rede Cegonha on this process can be highlighted, providing greater reach and quality of prenatal care, in addition to the expansion of the capacity of testing and treatment of pregnant women with syphilis.

 

Palavras-chave


Syphilis, Congenital. Paraíba. Trend. Maternal and Child Health. Health.


Texto completo:

Referências


ANDRADE, Heuler Souza et al. Caracterização epidemiológica dos casos de sífilis em mulheres. Ciência & Saúde, Divinópolis, 1 mar. 2019. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/32124/17807. Acesso em: 12 abr. 2019.

ARAUJO, Eliete da Cunha et al. Importância do pré-natal na prevenção da Sífilis Congênita. Revista paraense de medicina, Belém, 2006. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-59072006000100008. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Indicadores e dados básicos da sífilis nos municípios brasileiros. [S. l.], 2019. Disponível em: http://indicadoressifilis.aids.gov.br. Acesso em: 10 ago. 2019

BRASIL. Ministério da saúde. Conheça a rede cegonha. 2013. Folder. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/folder/rede_cegonha.pdf. Acesso em: 9 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota técnica conjunta n°391/2012/SAS/SVS/MS. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico sífilis 2018. Boletim epidemiológico, Brasília, Outubro 2018. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2018. Acesso em: 28 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da saúde. Sífilis: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. [S. l.], 4 jul. 2017. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/sifilis-2. Acesso em: 10 ago. 2019.

BRASIL. Portaria N. 2.351, de 05 de outubro de 2011 (publicada no DOU n. 193, de 06 de outubro de 2011, página 58). Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. Brasília, 2011.

BRASIL. Portaria N. 77, de 12 de janeiro de 2012 (publicada no DOU n. 10, 12 de janeiro de 2012, página 43). Dispõe sobre a realização de testes rápidos, na atenção básica, para a detecção de HIV e sífilis, assim como testes rápidos para outros agravos, no âmbito da atenção pré-natal para gestantes e suas parcerias sexuais. Brasília, 2012.

BRASIL. Portaria N° 3.161, de 27 de dezembro de 2011 (publicada no DOU de 27 de dezembro de 2011, página 54). Dispõe sobre a administração da penicilina nas unidades de Atenção Básica à Saúde, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

CAMPOS, Ana Luiza de Araújo et al. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cadernos de saúde pública, Rio de Janeiro, Setembro 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010000900008&lng=en. Acesso em: 28 jul. 2019.

CARDOSO, Amanda dos Santos Teles et al. Desabastecimento da penicilina e impactos para a saúde da população. [S. l.], 16 maio 2017. Disponível em: https://analisepoliticaemsaude.org/oaps/pensamentos/8d4373c163b7217b193ffdc7c29135b3/1/. Acesso em: 10 ago. 2019.

CARDOSO, Ana Rita Paulo et al. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciência e saúde coletiva, [S. l.], 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n2/1413-8123-csc-23-02-0563.pdf. Acesso em: 21 jul. 2019.

CLEMENTE, Tâmara Santos et al. A importância do pré-natal como ferramenta na prevenção da sífilis congênita: revisão bibliográfica. Cadernos de Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde Fits, Maceió, Novembro 2012. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/fitsbiosaude/article/view/455. Acesso em: 20 jul. 2019.

DUSSAULT, Gilles. La epidemiología y la gestión de los servicios de salud. Boletín epidemiológico, Quebec, Canadá, Julho 1995. Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/32135/22371.pdf?sequence=1. Acesso em: 21 jul. 2019.

KAUANI, Amarante da Silveira et al. Assistência à Gestante com Sífilis e Parceiros Sexuais: Revisão Integrativa. Cuba Salud 2018, Norte América, [s. n.]. 2018. Disponível em: http://www.convencionsalud2018.sld.cu/index.php/connvencionsalud/2018/paper/view/1291/495. Acesso em: 20 jul. 2019.

LIMA, Marina Guimarães et al. Incidência e fatores de risco para sífilis congênita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008. Ciência e saúde coletiva, [S. l.], 2013. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232013000500021&script=sci_abstract. Acesso em: 28 jul. 2019.

MACIEL, J. M. de M. P et al. (2019). Incidência da sífilis congênita na Paraíba e sua relação com o cuidado pré-natal. [S. l.]. 2019. In Bases conceituais da saúde 5. https://doi.org/10.22533/at.ed.3671915029

NAVARRO, Ana Maria Ayres. Estratégia para Implantação dos Testes Rápidos na Atenção Básica. Avanços e dificuldades em João Pessoa - PB. 21 maio 2019. Apresentação. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2019/estrategia-para-implantacao-dos-testes-rapidos-na-atencao-basica-avancos-e-dificuldades-em. Acesso em: 10 ago. 2019.

NONATO, Solange Maria; MELO, Ana Paula Souto; GUIMARÃES, Mark Drew Crosland. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, 2015. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1679-49742015000400010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 abr. 2019.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO. Servi Sífilis congênita e sífilis na gestação. Revista saúde pública, São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000400026. Acesso em: 20 jul. 2019.

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Coordenadoria de controle de doenças. Guia de bolso para o manejo da Sífilis em gestantes e Sífilis congênita. São Paulo: [s. n.], 2016. Disponível em:http://www.saude.campinas.sp.gov.br/doencas/sifilis/guiadebolsodasifilis_2edicao2016.pdf. Acesso em: 20 jul. 2019.

SILVA, ANGELA MARIA E. Atenção ao pré-natal, parto e pós-parto na perspectiva de mulheres atendidas na rede cegonha. 2016. Tese (Doutorado em enfermagem) - Escola de Enfermagem Anna Nery, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-908726. Acesso em: 9 ago. 2019.

SOARES, Ricardo de Sousa. Pré-natal. In: SOARES, Ricardo de Sousa. Qualidade dos serviços da rede cegonha em João pessoa: avaliação da satisfação ultilizando modelagem de equações estruturais. 2016. Tese (Doutorado em modelos de decisão em saúde) - Centro de Ciências Exatas e da Natureza da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa - PB, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/9064. Acesso em: 10 ago. 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Pré-natal e puerpério: manual de consulta rápida para profissionais de saúde. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, 2017. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/homepage/programa-de-fortalecimento-da-gestao-da-saude-no-estado-de-sao-paulo/consultas-publicas-manuais-da-linha-de-cuidado-da-gestante-parturiente-e-puerpera/manual_de_consulta_rapida.pdf. Acesso em: 20 jul. 2019.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021v1n54p44-51

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 102

Total de downloads do artigo: 52