Sífilis congênita no estado de Pernambuco: uma análise de tendência e das respostas governamentais 2008-2017

Laryssa Cristina Alves da Silva

ORCID iD Complexo de Ciências Médicas. Universidade Federal de Alagoas. Brasil

Bruno Batista Pereira da Paz

ORCID iD Complexo de Ciências Médicas. Universidade Federal de Alagoas Brasil

Matheus Santos Duarte

ORCID iD Complexo de Ciências Médicas. Universidade Federal de Alagoas Brasil

Carlos Dornels Freire de Souza

ORCID iD Complexo de Ciências Médicas. Universidade Federal de Alagoas. Brasil

Túlio Romério Lopes Quirino

ORCID iD Divisão de Educação na Saúde. Secretaria de Saúde do Recife. Brasil

Michael Ferreira Machado

ORCID iD Complexo de Ciências Médicas. Universidade Federal de Alagoas. Brasil

Resumo

This article sought to describe the profile of congenital syphilis (CS) cases in Pernambuco and to evaluate government responses from 2008 to 2017. This is a cross-sectional study, with data obtained from the Department of Chronic Conditions and Sexually Transmitted Infections / MS. A trend analysis was conducted with the Joinpoint program and the following variables were adopted: maternal age group, maternal race / color, maternal education, moment of diagnosis of maternal syphilis, maternal treatment scheme, treatment of the mother’s partner and performance of prenatal. From 2008 to 2017, 9866 cases of congenital syphilis were registered in the state of Pernambuco, the numbers of cases showed an increasing trend over the time line. Out of the total, 75% (n = 7405) of women with a notified outcome of CS performed prenatal care. But only 36.9% (n = 3642) of cases of syphilis during pregnancy were diagnosed. As for the treatment performed, 57% (n = 6551) were done inappropriately. The data reflect the need for adjustments in prenatal care in Pernambuco, as well as the strengthening of actions aimed at controlling this indicator

Palavras-chave


Syphilis, Congenital; prenatal care; delivery of health care; maternal and child health


Texto completo:

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1459, de 24 de JUNHO de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. 2011. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html>. Acesso em: 28 jun. 2019.

CAMPOS, A. L. A.; ARAÚJO, M. A. L.; MELO, S. P.; ANDRADE, R. F. V.; GONÇALVES, M. L. C. Sífilis em parturientes: aspectos relacionados ao parceiro sexual. Rev. Bras. Ginecol Obstet, v. 34, n. 9, p. 397 – 402, 2012.

CARVALHO, I. S.; BRITO R. S. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007- 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 23, n. 2, p. 287-294, 2014.

DOMINGUES R. M. S. M.;, SARACENI, V.; HARTZ Z. M. A.;, LEAL M. C. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev Saúde Pública, v. 47, n.1, p. 147-57, 2013.

FERREIRA, V. E. S.; SILVA, M. A. M.; JÚNIOR, D. G. A.; MESQUITA, A. L. M.; TOMAZ, A. L. Avaliação de indicadores da assistência pré-natal com ênfase na prevenção e controle da sífilis congênita. Sanare - Rev Políticas Públicas, v. 16, n. 1, p. 68–73, 2017.

KALININ, Y.; NETO, A. P.; PASSARELI, D. H. C. Sífilis: aspectos clínicos, transmissão, manifestações orais, diagnóstico e tratamento. Odonto, v. 23, n. 45–46, p. 65–76, 2016

LAFETÁ, K.; JÚNIOR, H.; SILVEIRA, M.; PARANAÍBA, L.; Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev Bras Epidemiol, v. 1, n. 1, p. 63–74., 2016.

MAGALHÃES, D. M. S.; KAWAGUCHI, I. A. L.; DIAS, A.; CALDERON, I. M. P. A sífilis na gestação e sua influência na morbimortalidade. Com. Ciências Saúde. v. 22, n. 1, p. 43–54, 2011.

PERNAMBUCO. Secretaria Estadual de Saúde. Plano Estadual de Saúde 2016-2019. Recife: Secretaria Estadual de Saúde, 2016. Pernambuco, Secretaria Estadual de Saúde. Plano Estadual de Saúde 2016/2019. Recife, PE, 2016. Disponível em http://www.ces.saude.pe.gov.br/cespe-divulga-pes-2016-2019/ obtido em 08/07/2019

PADOVANI, C.; OLIVEIRA, R. R.; PELLOSO, S. M. Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 26, e3019, 2018

ROCHA, R P.; MAGAJEWSKI, F. R. L. Tendência histórico – Epidemiologia da sífilis congênita no estado de Santa Catarina no período de 2007 – 2016. Catarin. Med, v. 47, n. 4, p. 39-52, 2018.

SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Sífilis congênita e sífilis na gestação. Rev. Saúde Pública, v. 42, n. 4, p. 768-772, 2008.

SOUZA, W. N.; BENITO, L. A. O. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Brasil no período de 2008 a 2014. Univ Ciências da Saúde, v. 14, n. 2, p. 97–104, 2016.

SARACENI, V.; PEREIRA, G. F. M.; SILVEIRA, M. F.; ARAUJO M.; MIRANDA, A. E. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Salud Publica. v. 41, p. 01-08, 2017

SINAN. Sífilis em gestantes. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2019.

XIMENES, I. P. E.; MOURA, E. R. F.; FREITAS, G. L.; OLIVEIRA N. C. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Rev Rene Fortaleza, v. 9, n. 3, p. 74–80, 2008.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021v1n54p104-112

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 94

Total de downloads do artigo: 45