Análise da emergência e desenvolvimento inicial de plântulas de Handroanthus roseo-albus (Ridl.) Mattos e Handroanthus serratifolius (Vahl) S.O.Grose sobre diferentes tipos de substratos

Regimonica Craveiro da Silva

ORCID iD Universidade Federal do Tocantins (UFT) Brasil

Bruno Aurélio Campos Aguiar

ORCID iD Universidade Federal do Tocantins (UFT) Brasil

Taiuan Bruno Almeida Gomes

ORCID iD Universidade Federal do Tocantins (UFT) Brasil

Milena Oliveira Xavier

Universidade Federal do Tocantins (UFT) Brasil

Euclides Figuerêdo Fonseca

ORCID iD Universidade Federal do Tocantins (UFT) Brasil

Priscila Bezerra de Souza

ORCID iD Universidade Federal do Tocantins (UFT) Brasil

Resumo

A formação de mudas florestais de qualidade tem relação direta com os substratos que serão utilizados. A germinação de sementes e a formação do sistema radicular e da parte aérea estão associadas a características particulares de cada substrato. Sendo assim, o estudo teve como objetivo avaliar a influência de diferentes substratos na formação de mudas de ipê-branco e ipê-amarelo. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente ao acaso, com os tratamentos distribuídos em arranjo fatorial 2 x 5 (2 espécies e 5 substratos), com 4 repetições. Para compor os substratos, foram utilizados os seguintes componentes: casca de arroz carbonizada (CAC), casca de arroz in natura autoclavada por um período de duas horas a 120 °C (CA), substrato comercial Bioflora (SC), areia lavada (AL) e esterco bovino (EB). O estudo foi disposto em cinco tratamentos: tratamento 1 – CAC, tratamento 2 – CA, tratamento 3 – SC, tratamento 4 – AL e tratamento 5 – EB. Foram avaliadas as seguintes características morfológicas: Diâmetro do coleto, Altura das plântulas e o Índice de Qualidade de Dickson (IQD) das plântulas, sendo este obtido por meio das variáveis: peso da matéria seca total (PMST), peso da matéria seca da parte aérea (PMSPA), peso da matéria seca da raiz (PMSR), H e DC. A velocidade de emergência e o índice de porcentagem de emergência foi inferior para ambas as espécies no tratamento, contendo 100% de casca de arroz in natura. O substrato comercial Bioflora permitiu o bom desempenho na emergência das duas espécies em análise, obtendo resultados satisfatórios quanto ao índice de porcentagem de emergência e uma maior velocidade de emergência entre os tratamentos. O substrato esterco bovino obteve resultados superiores no desenvolvimento inicial tanto para Handroanthus serratifolius (Vahl) S.O.Grose como para o Handroanthus roseo-albus (Ridl.) Mattos.

Palavras-chave


Ipê-amarelo; Ipê-branco; Produção de mudas; Sementes florestais


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, R. S.; MAYRINCK, R. C.; ZANINI, A. M.; DIAS, B. A. S.; BARONI, G. R. Crescimento e qualidade de mudas de Croton floribundus Spreng. em diferentes recipientes e substratos. Enciclopédia Biosfera, v. 10, n. 19, p. 672-683, 2014. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2014b/AGRARIAS/Crescimento%20e%20qualidade.pdf. Acesso em: 14 jul. 2019

ANTUNES, L. E. C.; PICOLOTTO, L.; VIGNOLO, G. K.; GONÇALVES, M. A. Influência do substrato, tamanho de sementes e maturação de frutos na formação de mudas de pitangueira. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 34, n. 4, p. 1216-1223, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-29452012000400031.

ARAÚJO, A. P.; SOBRINHO, S. P. Germinação e produção de mudas de tamboril (Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong) em diferentes substratos. Revista Árvore, v. 35, n. 3, p. 581-588, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622011000400001.

BASSACO, M. V. M. Comportamento fenológico, germinação, produção de mudas e tolerância a saturação hídrica de Sebastiania brasiliensis (Spreng.). 2011. 112 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

CALDEIRA, M. V. W.; PERONI, L.; GOMES, D. R.; DELARMELINA, W. M.; TRAZZI, P. A. Diferentes proporções de biossólido na composição de substratos para a produção de mudas de timbó (Ateleia glazioveana Baill). Ciências Florestais, v. 40, n. 9, p. 15-22, 2012. Disponível em: https://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr93/cap02.pdf. Acesso em: 20 jun. 2019.

CARDOSO, A. A. Fertilizantes organominerais granulados na produção de mudas de espécies florestais em dois tipos de tubetes. 2017. 106 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Escola de Agronomia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

DELARMELINA, W. M.; CALDEIRA, M. V. W.; FARIA, J. C. T.; LACERDA, L. C. Uso de resíduo orgânico em substrato para produção de Chamaecrista desvauxii (Collad.) Killip var. latistipula (Benth.). Cerne, v. 21, n. 3, p. 429-437, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/01047760201521031439

DICKSON, A.; LEAF, A. L.; HOSNER, J. F. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. The Forestry Chronicle, v. 36, n. 1 p. 10-13, 1960. DOI: https://doi.org/10.5558/tfc36010-1.

DUARTE, M. L. Tubetes e substratos na produção de mudas de cássia-rosa (Cassia grandis L.f) e canafístula (Cassia ferruginea (Schrad.) Schrader ex DC). 2016. 57 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2016.

EDER-SILVA, E. Produção de mudas de Tabebuia aurea (manso) benth. & hook. f. ex. s. moore (Bignoniaceae) com qualidade em diferentes embalagens e substratos. Conexões-Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 2, 2014. DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v8i2.638

FERRAZ, A. V.; ENGEL, V. L. Efeito do tamanho de tubetes na qualidade de mudas de jatobá (Hymenaea courbaril L. var. stilbocarpa (Hayne) Lee et Lang.), ipê-amarelo (Tabebuia chrysotricha (Mart. ex DC.) Sandl.) e guarucaia (Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan). Revista Árvore, v. 35, n. 3, p. 413-423, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622011000300005.

MACEDO, M. C.; ROSA, Y. B. C. J.; ROSA JUNIOR, E. J.; SCALON, S. P. Q.; TATARA, M. B. Produção de mudas de ipê-branco em diferentes substratos. Cerne, v. 17, n. 1, p. 95-102, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-77602011000100011.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962. DOI: https://doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x.

OLIVEIRA, L. C.; COSTA, E.; OLIVEIRA SOBRINHO, M. F.; SILVA BINOTTI, F. F.; MARUYAMA, W. I.; ALVES, A. C. Esterco bovino e fibra de coco na formação de mudas de baruzeiro. Journal of Neotropical Agriculture, v. 1, n. 2, p. 42-51, 2014. DOI: https://doi.org/10.32404/rean.v1i2.240

RODRIGUES, A. J.; BATISTA, E. M. C.; OLIVEIRA, L. M.; PORTELLA, A. C. F.; SOUZA, P. B. Influência da profundidade e posição de semeadura na emergência de Acacia polyphylla DC. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 11, n. 1, p. 23-29, 2016. DOI: https://doi.org/10.18378/rvads.v11i1.3812.

SILVA, E. A.; MARUYAMA, W. I.; OLIVEIRA, A. C.; BARDIVIESSO, D. M. Efeito de diferentes substratos na produção de mudas de mangabeira (Hancornia speciosa). Revista. Brasileira Fruticultura. v.31, n.3, p.925-929, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-29452009000300043.

SOUZA, F. B. C.; MENGARDA, L. H. G.; SPADETO, C.; LOPES, J. C. Substratos e temperaturas na germinação de sementes de gonçalo-alves. Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas, v. 6, n. 3, p. 76-86, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.0000/rtcab.v6i3.905

SOUZA, C. A. M.; OLIVEIRA, R. B.; MARTINS FILHO, S.; LIMA, J. S. Desenvolvimento em campo de espécies florestais em diferentes condições de adubação. Ciência Florestal, 16, 243-249, 2006. DOI: 10.5902/198050981905

TOCANTINS. Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente. Diretoria de zoneamento ecológico- econômico. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. 6. ed. Palmas: Seplan, 2012.

VALVERDE, S. R.; MAFRA, J. W. A.; MIRANDA, M. A.; SOUZA, C. S.; VASCONCELOS, D. C. Silvicultura brasileira – oportunidades e desafios da economia verde. Rio de Janeiro: Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável – FBDS, 2012. Disponível em: https://www.fbds.org.br/IMG/pdf/doc-29.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2020v1n53p18-26

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 416

Total de downloads do artigo: 314