Ecoeficiência: análise das empresas da [B]3 potencialmente poluidoras

Kátia Dalcero

ORCID iD Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Brasil

Denize Minatti Ferreira

ORCID iD Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Brasil

Resumo

A ecoeficiência verifica a integração dos fatores econômicos e ambientais nas organizações, buscando a utilização adequada dos recursos para maximizar resultados econômicos. O objetivo do presente estudo é comparar o índice de ecoeficiência das empresas listadas na [B]3 (Brasil, Bolsa, Balcão) consideradas potencialmente poluidoras e utilizadoras dos recursos naturais, conforme o Anexo VIII da Lei Federal nº 10.165/2000, que trata sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Para determinar a relação dos indicadores econômicos e ambientais e para o cálculo do índice de ecoeficiência das empresas que compõem a amostra da pesquisa, utilizou-se a Análise Envoltória de Dados (DEA). Foi verificada, ainda, a relação entre as variáveis por meio do cálculo da correlação de Pearson. Os resultados apontaram que a maioria das empresas analisadas possuía, no período de 2012 a 2017, nível alto de ecoeficiência, exceto algumas dos setores de transporte e de papel e celulose, que apresentaram índices de ecoeficiência muito baixos. Também foi analisada a correlação das variáveis que compõem o modelo do cálculo de ecoeficiência, ficando demonstrado que todas as variáveis apresentaram significância para a explicação do modelo. Além disso, verificou-se que a variável “lucro bruto” apresenta correlação positiva com o índice de ecoeficiência, enquanto as demais variáveis (emissões de gases de efeito estufa (GEE), consumo energético, consumo hídrico e resíduos) apresentam relação negativa com esse índice.

Palavras-chave


Ecoeficiência; Gestão Ambiental; Análise Envoltória de Dados (DEA); Atividades Potencialmente Poluidoras


Texto completo:

Referências


ALRAZI, B.; VILLIERS, C.; STADEN, C. J. A comprehensive literature review on, and the construction of a framework for, environmental legitimacy, accountability and proactivity. Journal of Cleaner Production, v. 102, p. 44–57, 2015. DOI: 10.1016/j.jclepro.2015.05.022. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652615005624. Acesso em: 6 jan. 2019.

BANKER, R. D.; CHARNES, A.; COOPER, W. W. Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, v. 30, n. 9, p. 1078–1092, 1984. DOI: 10.1287/mnsc.30.9.1078. Disponível em: https://pubsonline.informs.org/doi/abs/10.1287/mnsc.30.9.1078. Acesso em: 10 jan. 2019.

BEZERRA, P. R. C.; VIEIRA, M. M.; ALMEIDA, M. R. Modelagem DEA: teoria e aplicações na indústria do petróleo. Revista ADMpg Gestão Estratégica, v. 8, n. 2, p. 139–146, 2015. Disponível em: https://revistas.apps.uepg.br/index.php/admpg/article/view/14090. Acesso em: 20 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.165, de 27 de dezembro de 2000. Altera a Lei nº 6.938, de 31 de agosto de l981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2000]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10165.htm. Acesso em: 15 dez. 2018.

BURRITT, R. L.; SAKA, C. Environmental management accounting applications and eco-efficiency: case studies from Japan. Journal of Cleaner Production, v. 14, n. 14, p. 1262–1275, 2006. DOI: 10.1016/j.jclepro.2005.08.012. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652605001988. Acesso em: 15 dez. 2018.

CHRIST, K. L.; BURRITT, R. L. Environmental management accounting: the significance of contingent variables for adoption. Journal of Cleaner Production, v. 41, p. 163–173, 2013. DOI: 10.1016/j.jclepro.2012.10.007. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652612005392. Acesso em: 15 dez. 2018.

COLARES, A. C. V.; MATIAS, M. A. Análise das práticas de gestão ambiental de empresas sediadas no estado de Minas Gerais – Brasil na ótica da ecoeficiência. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, v. 3, n. 3, p. 48–64, 2014. DOI: 10.5585/geas.v3i3.75. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4716/471647055004.pdf. Acesso em: 15 jan. 2019.

EPSTEIN, M. J.; ROY, M.-J. Implementing a corporate environmental strategy: establishing coordination and control within multinational companies. Business Strategy and the Environment, v. 16, n. 6, p. 389–403, 2007. DOI: 10.1002/bse.545. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/bse.545. Acesso em: 20 dez. 2018.

FÁVERO, L. P.; BELFIORE, P. Manual de Análise de Dados. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017. Acesso em: 25 jan. 2019.

FIGGE, F.; HAHN, T. Value drivers of corporate eco-efficiency: Management accounting information for the efficient use of environmental resources. Management Accounting Research, v. 24, n. 4, p. 387–400, 2013. DOI: 10.1016/j.mar.2013.06.009. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1044500513000528. Acesso em: 15 dez. 2018.

FROOMAN, J. Stakeholder influence strategies. Academy of Management Review, v. 24, n. 2, p. 191–205, 1999. DOI: 10.5465/amr.1999.1893928. Disponível em: https://journals.aom.org/doi/abs/10.5465/AMR.1999.1893928. Acesso em: 16 jan. 2019.

HAHN, T. et al. Opportunity cost based analysis of corporate eco-efficiency: A methodology and its application to the CO2-efficiency of German companies. Journal of Environmental Management, v. 91, n. 10, p. 1997–2007, 2010. DOI: 10.1016/j.jenvman.2010.05.004. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0301479710001210. Acesso em: 15 dez. 2018.

HUANG, J. et al. Composite eco-efficiency indicators for China based on data envelopment analysis. Ecological Indicators, v. 85, p. 674–697, 2018. DOI: 10.1016/j.ecolind.2017.10.040. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1470160X17306775. Acesso em: 15 dez. 2018.

HUPPES, G.; ISHIKAWA, M. A framework for quantified eco-efficiency analysis. Journal of Industrial Ecology, v. 9, n. 4, p. 25–41, 2005. DOI: 10.1162/108819805775247882. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1162/108819805775247882. Acesso em: 15 dez. 2018.

MAAS, K.; SCHALTEGGER, S.; CRUTZEN, N. Integrating corporate sustainability assessment, management accounting, control, and reporting. Journal of Cleaner Production, v. 136, parte A, p. 237–248, 2016. DOI: 10.1016/j.jclepro.2016.05.008. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652616304632. Acesso em: 15 jan. 2019.

MACIEL, H. M.; KHAN, A. S.; ROCHA, L. A. Índice de ecoeficiência e a regressão Tobit: uma análise entre os anos de 1991 a 2012. Revista Econômica do Nordeste, v. 49, n. 2, p. 27–42, 2018. Disponível em: https://ren.emnuvens.com.br/ren/article/view/554/711. Acesso em: 15 dez. 2018.

MUNCK, L.; CELLA-DE-OLIVEIRA, F. A.; BANSI, A. C. Ecoeficiência: uma análise das metodologias de mensuração e seus respectivos indicadores. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 5, n. 3, p. 183–199, 2011. Disponível em: https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/453. Acesso em: 15 dez. 2018.

PAI, J.-T.; HU, D.; LIAO, W.-W. Research on eco-efficiency of industrial parks in Taiwan. Energy Procedia, v. 152, p. 691–697, 2018. DOI: 10.1016/j.egypro.2018.09.232. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S187661021830777X. Acesso em: 15 dez. 2018.

PASSETTI, E.; TENUCCI, A. Eco-efficiency measurement and the influence of organisational factors: evidence from large Italian companies. Journal of Cleaner Production, v. 122, p. 228–239, 2016. DOI: 10.1016/j.jclepro.2016.02.035. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652616001803. Acesso em: 20 dez. 2018.

QIAN, W.; HÖRISCH, J.; SCHALTEGGER, S. Environmental management accounting and its effects on carbon management and disclosure quality. Journal of Cleaner Production, v. 174, p. 1608–1619, 2018. DOI: 10.1016/j.jclepro.2017.11.092. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652617327580. Acesso em: 25 jan. 2019.

RAPPAPORT, A. Creating Shareholder Value: the new standard for business performance. New York: Free Press, 1986.

ROBAINA-ALVES, M.; MOUTINHO, V.; MACEDO, P. A new frontier approach to model the eco-efficiency in European countries. Journal of Cleaner Production, v. 103, p. 562–573, 2015. DOI: 10.1016/j.jclepro.2015.01.038. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652615000426. Acesso em: 20 dez. 2018.

SCHALTEGGER, S.; STURM, A. Ökologische Rationalität: Ansatzpunkte zur Ausgestaltung von ökologieorientierten Managementinstrumenten. Die Unternehmung, v. 44, n. 4, p. 273–290, 1990. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/24180467. Acesso em: 20 dez. 2018.

SILVA, D. A.; MATIAS, M. A. Análise da relação entre gerenciamento do ciclo de vida de produtos e ecoeficiência. Revista Mineira de Contabilidade, v. 3, n. 47, p. 36–48, 2012. Disponível em: https://revista.crcmg.org.br/index.php?journal=rmc&page=article&op=view&path%5B%5D=255&path%5B%5D=84. Acesso em: 30 jan. 2019.

VELLANI, C. L.; RIBEIRO, M. S. Sistema contábil para gestão da ecoeficiência empresarial. Revista Contabilidade & Finanças, v. 20, n. 49, p. 25–43, 2009. DOI: 10.1590/S1519-70772009000100003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rcf/v20n49/03.pdf. Acesso em: 31 jan. 2019.

YU, Y.; HUANG, J.; ZHANG, N. Industrial eco-efficiency, regional disparity, and spatial convergence of China’s regions. Journal of Cleaner Production, v. 204, p. 872–887, 2018. DOI: 10.1016/j.jclepro.2018.09.054. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652618327689. Acesso em: 5 fev. 2019.

ZURANO-CERVELLÓ, P. et al. Eco-efficiency assessment of EU manufacturing sectors combining input-output tables and data envelopment analysis following production and consumption-based accounting approaches. Journal of Cleaner Production, v. 174, p. 1161–1189, 2018. DOI: 10.1016/j.jclepro.2017.10.178. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S095965261732485X. Acesso em: 3 fev. 2019.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2020v1n50p168-178

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1223

Total de downloads do artigo: 1093