A burocratização da ressocialização: uma análise das concepções de educadores atuantes no sistema de privação de liberdade

Edson Ferreira Souza

Universidade Joaquim Nabuco Brasil

Ane Bianca Stricagnoli de Aguiar

Universidade Joaquim Nabuco Brasil

Carla Fabiana Silva

Instituto Federal de Pernambuco Brasil

Renato Wagner Daniel de Souza Menezes

Faculdade Pernambucana de Saúde Brasil

Amanda Sannara Daniel de Souza Menezes

Universidade Federal de Pernambuco Brasil

Catarina Carneiro Gonçalves

Universidade Federal da Paraiba

Resumo

This study presents a qualitative research of a case study conducted with 5 socioeducators from Funase, Abreu e Lima - PE. These professionals were chosen because they work directly with the reeducation of students,most of the time being a model for them. In addition to that, they were chosen because we believe that education is an important tool in the formation of the student by the childcare system, that is, it is within the school units of deprivation of liberty that the internal students can feel human and have better possibilities of social reintegration. This study aimed to identify the pedagogical practices of youth educators considered effective in the rehabilitation process, it also aimed to get to know the concept of rehabilitation, pedagogical practices and the educators’ view of the rehabilitation process. We conclude that despite the difficulties mentioned, it seems that school education is the key that can open the gates of the social reintegration process to adolescent deprived of their freedom, and professional education is considered by socioeducators the most relevant practice.

Palavras-chave


Educators. Adolescents. Education of young people and adolescents deprived of their freedom. School childcare system


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, M.G.B. A violência na sociedade contemporânea [recurso eletrônico] / organizadora Maria da Graça Blaya Almeida. – Dados eletrônicos. Porto Alegre : EDIPUCRS, 2010. 161 f.

AQUINO, Leonardo Gomes de. Criança e adolescente: o ato infracional e as medidas sócio-educativas. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 99, abr 2012. Disponível em: . Acesso em nov 2018.

BRASIL. Código penal. Código de Menores Decreto nº17 943-A de 12 de outubro de 1927. São Paulo: Saraiva, 1970.

BRASIL. Código de Menores de 1979. Lei n º 6.697, de 10 de outubro de 1979.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: lei n. 8.069 de 13 de julho de 1990. São Paulo: Atlas, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Parecer CEB/CNE 17/2001, homologação publicada no DOU 17/08/2001, Seção 1, p. 46. Resolução CNE/CEB 02/2001, publicada no DOU 14/09/2001, Seção 1, p. 39.

BRASIL. Lei N° 12.433, de 29 de junho de 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12433.htm. Acesso em 10 jan. 2014.

CUNHA, J.S; LIMA, V.F. A situação no sistema carcerário de imperatriz na perspectiva da ressocialização dos presos. Universidade Superior do Sul do Maranhão, 2007. Disponível em: http://www.socialsocial.com.br/ana_cristina.pdf. Acesso em 30 set, 2014.

DE MAYER, M. Na prisão existe perspectiva da educação ao longo da vida? In: Alfabetização e cidadania: revista de educação de jovens e adultos. Brasília: RAAAB, UNESCO, Governo Japonês, 2006. 18-37p.

FRANCISCHINI, R. & CAMPOS, H. R. Adolescente em conflito com a lei e medidas socioeducativas: Limites e (im)possibilidades. PSICO, 36(3), 267-273. 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/viewFile/1397/1097.Acesso em 05 de fevereiro, 2014.

FREIRE, Paulo. Ação Cultural Para a Liberdade e outros escritos. 8ª e São Paulo: Paz e Terra, 1982.

FUNASE. Histórico.2014a. Disponível em:

http://www.funase.pe.gov.br/historico.php. Acesso em 02 de março 2014.

FUNASE. Finalidade, visões e valores. 2014b. Disponível em:

http://www.funase.pe.gov.br/missao_visao_valores.php. Acesso em 02 de março 2014.

GADOTTI, M. Palestra de Encerramento. In: MAIDA, M.J.D. (Org.). Presídios e Educação. São Paulo: FUNAP, 1993. p. 121-148.

GASKELL, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In: M. W. Bauer, & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp.64-89). Petrópolis: Vozes.

GUIMARÃES, A. A; BARROS, A. C. A;

IRELAND, Timothy. Educação em prisões no Brasil: direito, contradições e desafios. Rev. Em Aberto, vol. 24, n. 86. Brasília: nov. 2011.

ONOFRE, Elenice M. C. Escola da prisão: espaço de construção da identidade do homem aprisionado? In: ONOFRE, Elenice M. C. (Org.). Educação escolar entre as grades. São Carlos: Edufscar, 2007. p.11-28.

ONOFRE, E.M.C., JULIÃO, E.F. A Educação na Prisão como Política Pública: entre desafios e tarefas. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 51-69, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v38n1/05.pdf

Acesso em: 24 de abril 2014.

ONOFRE, E.M.C. Educação escolar para jovens e adultos em situação de privação de liberdade. Cad. Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, p. 239-255, maio-ago., 2015

PELIANO, J. C. P. A importância da Educação para o novo modo de produção do conhecimento, 2008. Disponível em: http://www.pt.org.br/assessor/mecunb.htm. Acesso em: 22 jul, 2014.

PINTO A. V. “O estudo particular do problema da educação de adultos”. In:Sete lições sobre educação de adultos. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SÁ, Geraldo Ribeiro de. A PRISÃO DOS EXCLUÍDOS – origens e reflexões sobre a pena privativa de liberdade. Rio de Janeiro: Diadorin, 1996.

SANTOS. Boaventura. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In:

SOUSA SANTOS, Boaventura de (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: “Um discurso sobre as Ciências” Revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

SECAD, Educação como exercício de diversidade. – Brasília : UNESCO, MEC, ANPEd, 2005. 476 p. – (Coleção educação para todos; 6).

SERRALHEIRO, J.P.; COSTA, R.J. Um longo e pormenorizado plano de ação a debater. In: A página da Educação. Nº 166, Ano 16, Abril 2007. p. 35.

VOLPI, M. O Adolescente e o ato infracional / Mário Volpi (org). – 7, ed- São Paulo: Cortez, 2008.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n48p11-19

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 304

Total de downloads do artigo: 203