Mapeamento colaborativo do patrimônio cultural de Princesa Isabel (PB) utilizando um smartphone

Erickson Melo de Albuquerque

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Israel Manoel da Silva

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Henando Nunes da Silva

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Everaldo Barbosa da Silva

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Francisco de Assis da Silva

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Resumo

Princesa Isabel, município localizado no sertão da Paraíba, possui vasta riqueza histórica e carrega uma herança dos períodos marcantes do passado, como as edificações históricas, os registros da Revolta de 1930 e as tradições culturais do seu povo. O resgate e a preservação dessa história fortalecem a identidade do povo sobre o seu território, no entanto, a Paraíba ainda carece de investimentos no setor para modernizar a forma de registro do seu patrimônio cultural. Partindo das tecnologias atualmente disponíveis, com destaque para o geoprocessamento, é adequada a utilização de técnicas de mapeamento colaborativo para o registro e compartilhamento de informações, com vistas à preservação e disseminação da história. Por ser uma tecnologia em evolução, uma solução prática, simples e gratuita é apresentada pelo uso do sistema e serviço GIS Cloud e do smartphone para a coleta de dados georreferenciados. Portanto, o objetivo deste trabalho foi mapear o patrimônio cultural de Princesa Isabel (PB), utilizando um smartphone e aplicativos capazes de executar o geoprocessamento para coleta, armazenamento, gerenciamento e compartilhamento de dados georreferenciados. Os mapas dinâmicos produzidos proveem informações sintetizadas em uma interface amigável, que facilita a navegação para qualquer usuário. Tais mapas estão compartilhados no Google Meus Mapas. Assim, foi alcançado um registro seguro do patrimônio cultural do município, pelo qual a tecnologia empregada se mostrou oportuna, prática, barata e acessível.

Palavras-chave


GIS Cloud; Geoprocessamento; Disponibilização de dados geográficos na internet; Patrimônio cultural


Texto completo:

Referências


BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. A Cultura. Art. 215 e 216, Seção II, do Capítulo III. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 29 jan. 2016.

BRASIL. Decreto-lei nº 25, de 30 de novembro de 1937. Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1937. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0025.htm. Acesso em: 29 jan. 2016.

CÂMARA, Gilberto et al. Análise espacial e geoprocessamento: Introdução. In: DRUCK, Suzana et al. Análise Espacial de Dados Geográficos. Brasília, DF: EMBRAPA, 2004. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/analise/. Acesso em: 27 jan. 2016.

FERREIRA, Fernanda Costa et al. O papel do geoprocessamento na preservação do patrimônio cultural nacional nos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, Bahia: procedimentos e desafios. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 15., 2011, Curitiba. Anais eletrônicos [...]. Curitiba: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2011. Disponível em: http://marte.sid.inpe.br/rep/dpi.inpe.br/marte/2011/07.14.19.17. Acesso em: 20 mar. 2017.

FITZ, Paulo Roberto. Geoprocessamento Sem Complicação. 1. ed. São Paulo: Editora Oficina de Textos, 2008. 160 p.

HUBERMAN, Leo. A história da riqueza do homem. Tradução de Waltesnir Dutra. Atualização e revisão técnica Marcia Guerra. 22. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

LIMA, L. B.; RIBEIRO, J. C. S. Mapas colaborativos digitais e (novas) representações sociais do território: uma relação possível. C-legenda: Revista do Programa de Pós-graduação em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, n. 25, p. 38-47, 2011. Disponível em: http://www.ciberlegenda.uff.br/index.php/revista/article/view/469/283. Acesso em: 26 jan. 2017.

LONDRES, Cecília. O patrimônio histórico na sociedade contemporânea. Revista Escritos, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, p. 159-171, 2007. Disponível em: http://www.casaruibarbosa.gov.br/escritos/numero01/FCRB_Escritos_1_7_Cecilia_Londres.pdf. Acesso em: 29 jan. 2016.

OLAYA, Victor. Sistema de Información Geográfica. Online, 2014. Disponível em: https://www.icog.es/TyT/files/Libro_SIG.pdf. Acesso em: 20 mar. 2017.

PARAÍBA. Decreto nº 26.099, de 04 de agosto de 2005. Homologa a Deliberação nº 0075/2004 do Conselho de Proteção dos Bens Históricos Culturais – CONPEC, Órgão de Orientação Superior do IPHAEP, que dispõe sobre a Delimitação do Centro Histórico do Município de Princesa Isabel, neste Estado, e dá outras providências. Diário Oficial [do] Estado da Paraíba, João Pessoa, n. 12.995, p. 3, 5 ago. 2005. Disponível em: http://www.pbprev.pb.gov.br/pbprev/a-previdencia/legislacao/36A5Cd01.pdf. Acesso em: 16 fev. 2016.

SILVA, Luciana Paschoal Hoffmann da. Geoprocessamento aplicado à realidade do patrimônio histórico do bairro Savassi/Centro – Belo Horizonte - MG. 2002. 74 f. Monografia (Especialização em Geoprocessamento) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002. Disponível em: http://csr.ufmg.br/geoprocessamento/publicacoes/LUCIANA%20PASCHOAL%20HOFFMANN%20DA%20SILVA.PDF. Acesso em: 16 fev. 2016.

SIQUEIRA, J. C. S.; FOSSE, J. M. Uso da cartografia 3D para o resgate e preservação do patrimônio histórico da cidade de São João Marcos – RJ. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 16., 2013, Foz do Iguaçu. Anais [...]. Foz do Iguaçu: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2013. Disponível em: http://marte2.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/marte2/2013/05.28.23.33/doc/p0514.pdf. Acesso em: 16 fev. 2016.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n45p102-111

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1205

Total de downloads do artigo: 803