A consolidação de uma orientação empreendedora: um estudo sobre o “Trade Turístico” de Porto Alegre/RS (Brasil)

José Amilton Lopes

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) - Câmpus Porto Alegre Brasil

Claudio Vinícius Silva Farias

ORCID iD Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) - Câmpus Porto Alegre Brasil

Duilio Castro Miles

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) - Câmpus Porto Alegre Brasil

Resumo

O presente artigo tem por finalidade a realizar um estudo sobre os determinantes da "cultura empreendedora", como condição necessária para a formação de Ecossistemas Empreendedores eficazes. Tomando-se por referência os dados da ENDEAVOR BRASIL, que demonstram quais são as cidades brasileiras com melhores índices de empreendedorismo, propõe-se um recorte, destacando a cidade de Porto Alegre - RS (região Sul do Brasil) para uma análise dos operadores do ”Trade Turístico" desta capital. Metodologicamente, optou-se por formular um instrumento de pesquisa com base nas sete dimensões presentes no conceito de Orientação Empreendedora. Foram entrevistadas 62 empresas, entre maio e junho de 2017. Como resultados, nos limites de uma investigação exploratória, os fatores que ainda exercem influência para a baixa performance ao nível de uma orientação empreendedora, encontram-se: estratégias empresariais voltadas aos resultados de curto prazo, potencializados pela cultura em priorizar ações de comercialização e preferência por projetos tendentes ao baixo risco.

Palavras-chave


Cultura empreendedora; Orientação empreendedora; Empreendedorismo


Texto completo:

Referências


BASILE, A. (2012). Entrepreneurial orientation in SMES: risk-taking to entering international markets. Far East Journal of Psychology and Business, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 1-17.

BOM ÂNGELO, E. Empreendedor Corporativo: a nova postura de quem faz a diferença. Rio de Janeiro: Campus, p.25, 2003.

CHEN, M. J.; HAMBRICK, D. C. (1995). Speed stealth and selective attack: how small firms differ from large firms in competitive behavior. The Academy of Management Journal, New York, v. 38, n. 32, p. 453-482.

COVIN, J. G.; MILLER, D. (2014). International entrepreneurial orientation: conceptual considerations, research themes, measurement issues, and future research directions. Entrepreneurship Theory and Practice, [S. l.], v. 38, n. 1, p. 11- 44.

COVIN, J.; SLEVIN, D. (1991). A conceptual model of entrepreneurship as firm behavior. Entrepreneurship Theory and Practice. n. 16, p.7-25.

COVIN, Jeffrey G.; GREEN, Kimberly M.; SLEVIN, Dennis, P. (2006). Strategic Process Effects on the Entrepreneurial Orientation-Sales Growth Rate Relationship. Entrepreneurship Theory and Practice.

COVIN, J. G.; MILLER, D. (2014). International entrepreneurial orientation: conceptual considerations, research themes, measurement issues, and future research directions. Entrepreneurship Theory and Practice, [S. l.], v. 38, n. 1, p. 11- 44.

DAY, G. (1990). Market Driven Strategy: Process for Creating Value. New York: Free Press.

____ (1994). The capabilities of market-driven organizations. Journal of Marketing, v. 58, n. 4, p. 37- 53.

____ (1999). The Market Driven Organization: Understanding, Attracting, and Keeping Valuable Customers. New York: Free Press.

DESS, G. G.; LUMPKIN, G. T. (2005). The role of entrepreneurial orientation in stimulating effective corporate entrepreneurship. The Academy of Management Executive, New York, v.19, n.1, p.147-156.

DIEHL, A .A.; TATIM, D.C. (2004). Pesquisa em Ciências Sociais Aplicadas: métodos e Técnicas. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

DOLABELA, F. (1999). Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura.

DOLABELA, F. (1999a). O segredo de Luísa. São Paulo: Cultura Editores Associados.

DORNELAS, J. C. Assis. (2001). Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

_______. (2005). Transformando ideias em negócios. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

ENDEAVOR BRASIL. (2015). Empreendedorismo nas cidades do Brasil. ICE - Índice das Cidades Empreendedoras.

_____ (2016). Empreendedorismo nas cidades do Brasil. ICE - Índice das Cidades Empreendedoras.

FISCHMANN, A. A.; CUNHA, N. C. V. da. (2003). Alternativas de ações estratégicas para promover a interação Universidade-Empresa através dos escritórios de transferência de tecnologia. In: Seminário Latino-iberoamericano de gestion tecnologica, 10., 2003. Anais... Cidade do México: ALTEC.

GEM - Global Entrepreuneral Monitor. (2015). Relatório Empreendedorismo no Brasil. São Paulo.

GREEN, K. M.; COVIN, J. G.; SLEVIN, D. P. (2008). Exploring the relationship between strategic reactiveness and entrepreneurial orientation: The role of structure‐style fit. Journal of Business Venturing, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 356-383.

HITT, M. A.; NIXON, R.; HOSKIS¬SON, R.; KOCHHAR, R. (1999). Corporate entrepreneurship and cross-functional fertilization: Activation, process and disintegration of a new product design team. Entrepreneurship: Theory & Practice, [S. l.], v. 23, n.3, p. 145-168.

KHOLI, A. K; JAWORSKI, B. J. (1990). Market Orientation: The Construct, Research Propositions, And Managerial Implications. Journal of Marketing, v.54, p.1-18.

KNIGHT, Gary. (2000). Entrepreneurship and marketing strategy: the SME under globalization. Journal of International Marketing. v. 8, n. 2, p. 12-32.

JAWORSKI, B. J.; KOHLI, A. (1993). Market Orientation: antecedents and consequences. Journal of Marketing, v. 57, n. 3, p. 53-70.

LAPIDE, L. (1998). A simple view of top-down versus bottom-up forecasting. The Journal of Business Forecasting, 17, 28-29.

LAZZAROTTI, F.; SILVEIRA, A. L. T.; CARVALHO, C. E.; ROSSETTO, C. R.; SYCHOSKI, J. C. (2015). Orientação empreendedora: um estudo das dimensões e sua relação com desempenho em empresas graduadas. RAC - Revista de Administração Contemporânea, [S. l.], v. 19, n. 6, p. 673-695.

LUMPKIM G., & DESS, G. (1996). Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of Management Review, 21(1), 135-172.

McCLELLAND, D. C. (1972). A sociedade competitiva: realização e pro¬gresso social. Rio de Janeiro: Ex¬pressão e Cultura.

MARTENS, C. D. P.; FREITAS, H. (2008). Orientação empreendedora nas organizações e a busca de sua facilitação. Gestão.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 6(1), 90-108.

MARTENS, C. D. P.; SALVI, E. J.; MARMITT, C.; PEREIRA, A. L. B.; FREITAS, H. M. R.; BOTH, T. M. (2011). Orientação empreendedora em indústrias de alimentos: estudo exploratório com médias e grandes empresas do Sul do Brasil. Revista de Economia e Administração (Impresso), v. 10, p. 285-319.

MELLO, S. C. B.; LEÃO, A. L. M. S. (2005). Compreendendo a orientação empreendedora de empresas de alta tecnologia. In E. C. L. Souza & T. A. Guimarães (Orgs.), Empreendedorismo além do plano de negócios (pp. 162-178). São Paulo: Atlas.

MELLO, S. C. B.; PAIVA, F. G. de, Jr.; SOUZA, A. F.; NETO, LUBI, L. H. O. (2006). Orientação empreendedora e competências de marketing no desempenho organizacional: um estudo em empresas de base tecnológica. Organizações & Sociedade, 13(36), 185-202. doi:

MILES, M. P.; COVIN, J. G.; HEELEY, M. B. (2000). The relationship between environmental dynamism and small firm structure, strategy, and performance. Journal of Marketing: Theory and Practice, v. 8, n. 2, p. 63-74.

MILLER, D. (1983). The correlates of entrepreneurship in three types of firms. Management Science, v. 27, n. 7, p. 770-791.

MINTUR - MINISTÉRIO DO TURISMO. Disponível em: http://www.turismo.gov.br. Acesso em 30 de março de 2017.

NARVER, J. C.; SLATER, S. F. (1990). The effect of a market orientation on business profitability. Journal of Marketing, v. 54, n. 4, p. 20-35.

PAIVA JR., F. G. de; FERNANDES, N. C. M.; ALMEIDA, L. F. L. (2010). A competência de relacionamento contribuindo para o desenvolvimento de capital social da empresa de base tecnológica. Revista de Negócios, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 11-28, 2010.

PELHAM, A. M.; WILSON, D. T. (1996). A Longitudinal study of the impact of Market Structure, Firm Structure, Strategy, and Market Orientation Culture on dimensions of small-firm performance. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 24, n. 1, p. 27-43.

PREVIDELLI, J.J.; DUTRA, I.S. (2003). Perfil do empreendedor versus mortalidade de empresas: estudo de caso do perfil do micro e pequeno empreendedor. In: Encontro anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração – ENANPAD, XXVIII, 2003, Atibaia-SP. Anais...Atibaia: 1 CD ROM.

SCHUMPETER, J. A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril.

SLATER, S. F.; NARVER, J. C. (1994). Does competitive environment moderate the market orientation performance relationship? Journal of Marketing, v. 58, n. 1, p. 46-55.

______. (1995). Market orientation and learning organization. Journal of Marketing, v. 59, n. 3, p. 63-74.

SMTUR - SECRETARIA MUNICIPAL DO TURISMO DE PORTO ALEGRE.

Disponível em:

http://www2.portoalegre.rs.gov.br/turismo/default.php?p_secao=335

STEINMAN, C.; DESHPANDÉ, R; FARLEY, J. U (2000). Beyond market orientation: when customers and suppliers disagree. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 28, n. 1, p. 109-119.

STEVENSON, H.H; JARILLO, J.C. (1990). A Paradigm of Entrepreneurship: Entrepreneurial Management. Strategic Management Journal, v.ll , n.4, p.17-27.

TANG, J.; TANG, Z.; ZHANG, Y.; LI, Q. (2007). The impact of entrepreneurial orientation and ownership type on firm performance in the emerging region of China. Journal of Developmental Entrepreneurship, [S. l.], v. 12, n. 4, p. 383-397.

VENKATRAMAN, N. (1989). Strategic Orientation of Business Enterprises: The Construct, Dimensionality, and Measurement. Management Science, v.35, n. 8, p. 942-962.

ZAHRA, S. (1993). A conceptual model of entrepreneurship as firm behavior: a critique and extension. Entrepreneurship Theory and Practice. v. 17, n. 4, p. 5-21.

ZAHRA, S.; COVIN, J. G. (1995). Contextual influences on the corporate entrepreneurship performance relationship: a longitudinal analysis. Journal of Business Venturing. V. 10, p. 43-58.

WIKLUND, J. (1990). The sustainability of the entrepreneurial orientation‐performance relationship. Entrepreneurship: Theory & Practice, [S. l.], v. 24, n. 1. p. 37-48.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n41p39-51

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1597

Total de downloads do artigo: 1122