Mapeamento geológico do Pegmatito Alto do Tibiri: aspectos estruturais e mineralógicos

Paulo Jedean da Silva Araújo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Picuí Brasil

Vinicius Anselmo Carvalho Lisboa

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Picuí Brasil

José Ramilson dos Santos Oliveira

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus Picuí Brasil

Resumo

O Pegmatito Alto do Tibiri localiza-se ao sul do estado do Rio Grande do Norte, na cidade de Parelhas. Este corpo pegmatítico é, atualmente, explorado para a extração de mica e feldspato. Está inserido no contexto da Província Pegmatítica da Borborema, intrudindo os metassedimentos da Formação Seridó. Nas missões de campo foram descritos 39 afloramentos; em cada um eram descritos os principais aspectos texturais e mineralógicos da rocha aflorante. O mapeamento realizado permitiu observar uma variação nos xistos, sendo possível individualizar dois tipos, com base no conteúdo e no tamanho das fases minerais, existindo xistos com granada e outros com conteúdos relevantes de cordierita. Na região estudada, ocorrem diques pegmatíticos, pouco espessos, compostos por quartzo, feldspato, muscovita e/ou biotita e turmalina preta, classificados como homogêneos. No corpo pegmatítico estudado, é possível observar um zoneamento mineral bem definido: i) Zona de borda, marcada pela abundância de muscovita; ii) Zona II, composta por quartzo, feldspato e mica, onde ocorrem os principais recursos minerais (tantalita, espodumênio, apatita etc.) e iii) Bolsões de quartzo. O zoneamento mineral observado é similar ao observado em corpos pegmatíticos mistos clássicos.

Palavras-chave


Província Pegmatítica da Borborema; Pegmatito Alto do Tibiri; Mapeamento Geológico


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, F. F. M. et al. Radiometric age determinations from Northern Brazil. Boletim da Sociedade Brasileira de Geologia, São Paulo, n. 17, p. 3-14, jan. 1968.

ARAÚJO, P. J. S. Mapeamento Geológico Do Pegmatito Alto Do Tibiri: aspectos estruturais e mineralógicos. 2016. 23 f. Monografia – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, Picuí, 2016.

DA SILVA, M. R. R. Petrographical and geochemical investigations of pegmatites in the Borboreme Pegmatitic Province of Northeastern Brazil. 1993. 305 f. Tese (Doutorado) – Ludwig-Maximilians-Universitat, Munich, 1993.

EBERT, H. Geologia do Alto Seridó: nota explicativa da folha geológica de Currais Novos. Recife, PE: SUDENE, 1969.

FERREIRA, C. A.; SANTOS, E. J. Programa levantamentos Geológicos básicos do Brasil- Caicó (Folha SB.24-Z-B) – Escala 1:250.000 – Geologia e matalogenese. Brasília, DF: CPRM, 1998.

GENUÍNO, V. A.; SANTOS, L. C. M. L.; VIEIRA, F. F. Aspectos Geológicos, Mineralógicos e Estruturais do Pegmatito Alto do Feio (Pedra Lavrada - PB): contribuição para modelos prospectivos em corpos pegmatíticos no Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Mineração e Meio Ambiente, Campina Grande, n. 5, p. 21-31, dez. 2015.

JARDIM DE SÁ, E. F. A Faixa Seridó (Província Borborema, NE do Brasil) e o seu significado geodinâmico na cadeia Brasiliana/Pan-Africana. 1994. 803 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências da Universidade de Brasília, Brasília, 1994.

JOHNSTON JR., W. D. Os pegmatitos berilo-tantaliferos da Paraiba e Rio Grande do Norte, no Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro, RJ: DNPM, 1945.

ROLFF, P. A. M. A. Geologia da província Tântalo-Glucinífera da Borborema. Rio de Janeiro, RJ: DNPMDFPM, 1945.

SOARES, D. R. Contribuição à Petrologia de Pegmatitos Mineralizados em Elementos Raros e Elbaítas Gemológicas da Província Pegmatítica da Borborema, Nordeste do Brasil. 2004. 286 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

SCORZA, E. P. Província Pegmatítica da Borborema. Rio de Janeiro, RN: DNPM/DGM, 1944.

VAUCHEZ, A. et al. The Borborema shear zone system, NE Brazil. Jounal of South American Earth Sciences, South Carolina, n. 8, p. 247-266, dez. 1995.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n33p29-36

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1633

Total de downloads do artigo: 2033