O biodiesel na matriz energética brasileira: da sua inserção aos dias atuais

Tassio Lessa do Nascimento

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) Brasil

Maria Aparecida Medeiros Maciel

ORCID iD Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Brasil

Helen Elisia de Souza Gurgel

ORCID iD Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) Brasil

Maria Alexsandra de Sousa Rios

ORCID iD Universidade Federal do Ceará (UFC) Brasil

Luciana Medeiros Bertini

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) Brasil

Resumo

Em uma conjuntura de preocupações crescentes com o aumento dos problemas ambientais, os biocombustíveis, em especial o Biodiesel, representam uma ferramenta significativa para contenção da emissão de poluentes e, ainda, contribuem para o empreendedorismo da economia regional. Nesse sentido, o presente artigo buscou investigar os mais variados aspectos que envolvem a produção e a utilização desse tipo de combustível, tais como: principais matérias-primas, políticas de regulamentação, as formas de sínteses e suas produções, bem como estímulos governamentais e questões socioeconômicas e ambientais. Dessa forma, foram utilizadas pesquisas documentais e revisões bibliográficas sobre biodiesel, desde sua origem, em 1937, até os dias atuais. Nesse cenário, concluiu-se que, mundialmente, o combustível oleaginoso representa uma alternativa promissora para o balanceamento entre desenvolvimento sustentável e redução de gases poluentes, além de fomentar a produção regional e políticas governamentais, por ser tecnologia de inserção ecocompatível. 

Palavras-chave


biocombustíveis; biodiesel; incentivos governamentais; sustentabilidade


Texto completo:

Referências


ANDREO-MARTÍNEZ, P.; ORTIZ-MARTÍNEZ, V. M.; GARCÍA-MARTÍNEZ, N.; RÍOS, A. P.; HERNÁNDEZ-FERNÁNDEZ, F. J.; QUESADA-MEDINA, J. Production of biodiesel under supercritical conditions: State of the art and bibliometric analysis. Applied Energy, v. 264, 114753, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.apenergy.2020.114753.

ANP – AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO. Produção e fornecimento de biocombustíveis. Brasília, DF: ANP, 2021. Disponível em: https://www.gov.br/anp/pt-br/assuntos/producao-e-fornecimento-de-biocombustiveis. Acesso em: 2 fev. 2022.

ANP – AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO. Painel dinâmico de produtores de biodiesel. Brasília, DF: ANP, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/anp/pt-br/centrais-de-conteudo/paineis-dinamicos-da-anp/paineis-e-mapa-dinamicos-de-produtores-de-combustiveis-e-derivados/painel-dinamico-de-produtores-de-biodiesel. Acesso em: 2 fev. 2022.

BARBOSA, C. M. Estudo da produção de biodiesel obtido a partir de óleos vegetais utilizando catálise heterogênea. 2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Química Industrial) – Universidade Federal de São Paulo, Diadema, 2021. Disponível em: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/60393. Acesso em: 2 fev. 2022.

BATTISTELLA, E. C. APROBIO completa 10 anos celebrando trajetória de sucesso do setor e mirando consolidação do crescimento do biodiesel no Brasil. APROBIO – Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil, 17 jun. 2021. Disponível em: https://aprobio.com.br/ler-conheca-o-biodiesel/partigo-de-erasmo-carlos-battistella-aprobio-completa-10-anos-celebrando-trajetoacuteria-de-sucesso-do-setor-e-mirando-consolidaccedilatildeo-do-crescimento-do-biodiesel-no-brasilp. Acesso em: 2 fev. 2022.

BERTONI, E. Expedito José de Sá Parente (1940-2011): engenheiro que criou o biodiesel. Folha de São Paulo, 19 set. 2011. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1909201116.htm. Acesso em: 12 maio 2020.

BORBA, M. M.; FERREIRA, M. D. P. Variação da renda dos agricultores familiares e a competição por área agrícola no contexto do PNPB na Bahia e no Ceará. Revista Econômica do Nordeste, v. 50, n. 2, p. 163-181, 2019. Disponível em: https://g20mais20.bnb.gov.br/revista/index.php/ren/article/view/932. Acesso em: 4 mar. 2020.

BRASIL. Decreto nº 10.527, de 22 de outubro de 2020. Institui o Selo Biocombustível Social e dispõe sobre os coeficientes de redução das alíquotas da Contribuição para o Programa de Integração Social e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público e da Contribuição Social para o Financiamento da Seguridade Social, incidentes na produção e na comercialização de biodiesel, e sobre os termos e as condições para a utilização das alíquotas diferenciadas. Brasília, DF: Presidência da República, 2020. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/decreto/d10527.htm. Acesso em: 3 fev. 2022.

BRASIL. Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005. Dispõe sobre a introdução do biodiesel na matriz energética brasileira; altera as Leis nºs 9.478, de 6 de agosto de 1997, 9.847, de 26 de outubro de 1999 e 10.636, de 30 de dezembro de 2002; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11097.htm. Acesso em: 7 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.576, de 26 de dezembro de 2017. Dispõe sobre a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13576.htm. Acesso em: 3 abr. 2020.

CÉSAR, A. S.; BATALHA, M. O. Análise dos direcionadores de competitividade sobre a cadeia produtiva de biodiesel: o caso da mamona. Revista Produção, v. 21, n. 3, p. 484-497, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65132011005000039.

CNPE – CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA. Resolução nº 16, de 29 de outubro de 2018. Dispõe sobre a evolução da adição obrigatória de biodiesel ao óleo diesel vendido ao consumidor final, em qualquer parte do território nacional. Brasília, DF: CNPE, 2018. Disponível em: https://www.gov.br/mme/pt-br/assuntos/conselhos-e-comites/cnpe/resolucoes-do-cnpe/arquivos/2018/resolucao_16_cnpe_29-10-18.pdf/view. Acesso em: 6 fev. 2022.

COLLARES, D. Sebo bovino é segunda matéria-prima na produção de biodiesel. Embrapa Notícias, 4 nov. 2019. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/47881589/sebo-bovino-e-segunda-materia-prima-na-producao-de-biodiesel. Acesso em: 25 fev. 2022.

CORNÉLIO, J. P. S. Microalgas: uma alternativa sustentável para a produção de biodiesel no Brasil. Revista Multidisciplinar de Educação e Meio Ambiente, v. 2, n. 3, p. 52, 2021. DOI: https://doi.org/10.51189/rema/2074.

COSTA, A. O. A inserção do biodiesel na matriz energética nacional: aspectos socioeconômicos, ambientais e institucionais. 2017. Tese (Doutorado em Planejamento Energético) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: http://www.ppe.ufrj.br/images/publicações/doutorado/Angela_Oliveira_da_Costa.pdf. Acesso em: 25 fev. 2022.

DANTAS, J.; LEAL, E.; MAPOSSA, A. B.; SILVA, A. S.; COSTA, A. C. F. M. Síntese, caracterização e performance catalítica de nanoferritas mistas submetidas a reação de transesterificação e esterificação via rota metílica e etílica para biodiesel. Revista Matéria, v. 21, n. 4, p. 1080-1093, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-707620160004.0099.

DURÁN, N. P.; TAKAHASHI, J. A.; FORTES, I. C. P. Biomassa liofilizada de Syncephalastrum racemosum como um biocatalisador inovador para produção de biodiesel. Revista Virtual de Química, v. 11, n. 1, p. 35-49, 2019. Disponível em: http://static.sites.sbq.org.br/rvq.sbq.org.br/pdf/JaquelineNoPrelo.pdf. Acesso em: 25 fev. 2022.

EPE – EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2020. 2020. Disponível em: https://www.epe.gov.br/pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/balanco-energetico-nacional-2020. Acesso em: 25 fev. 2022.

FAWZY, M. A.; ALHARTHI, S. Use of response surface methodology in optimization of biomass, lipid productivity and fatty acid profiles of marine microalga Dunaliella parva for biodiesel production. Environmental Technology & Innovation, v. 22, p. 101485, 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eti.2021.101485.

FREITAS, C. V. M.; SILVA, M. L. P. Mudanças do clima: análise das conferências que trataram do mercado de carbono e seus principais resultados. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 10, p. 75332-75342, 2020. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-093.

GAVILANES, F. Z.; ANDRADE, D. S.; SILVA, H. R.; CRUZATTI, L. G.; PALACIOS, C. C. Avaliação do potencial do uso de pinhão manso para a geração de biocombustíveis. UNESUM – Ciencias. Revista Científica Multidisciplinaria, v. 5, n. 3, p. 33-46, 2021. Disponível em: http://revistas.unesum.edu.ec/index.php/unesumciencias/article/view/113. Acesso em: 8 mar. 2022.

HOLANDA, A. Biodiesel e inclusão social. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2004. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/a-camara/estruturaadm/altosestudos/pdf/biodiesel-e-inclusao-social/biodiesel-e-inclusao-social. Acesso em: 23 fev. 2022.

JARDIM, A. Renovabio: revolução econômica e socioambiental. Agroanalysis, v. 37, n. 12, p. 48, 2017. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/agroanalysis/article/view/76577. Acesso em: 10 maio 2020.

JARDINE, J. G.; BARROS, T. D. Craqueamento. Agência Embrapa de Informação Tecnológica, 8 dez. 2021. Disponível em: https://www.embrapa.br/agencia-de-informacao-tecnologica/tematicas/agroenergia/biodiesel/tecnologia/craqueamento. Acesso em: 25 fev. 2022.

MAIA, R. R. S. Biodiesel no Brasil: análise de custo-benefício. Curitiba: Appris, 2015.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MELLO, B. T. F.; CARDOZO FILHO, L.; SILVA, C. Produção de biodiesel a partir da reação de hidroesterificação Uningá Review Journal, v. 35, eRUR3522, 2020. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/3522. Acesso em: 17 fev. 2022.

OLIVEIRA, A. C. D.; GRAZIANI, A. C.; SHULTZ, C.; MARIANO, A. B. Estimativa das propriedades do biodiesel metílico produzido a partir da pupunha e aspectos biotecnológicos. Revista Principia – Divulgação Científica e Tecnológica do IFPB, João Pessoa, v. 59, n. 1, p. 41-51, 2022. DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id4353.

RAMOS, L. P.; SILVA, F. R.; MANGRICH, A. S.; CORDEIRO, C. S. Tecnologias de produção de biodiesel. Revista Virtual de Química, v. 3, n. 5, p. 385-405, 2011. Disponível em: https://rvq-sub.sbq.org.br/index.php/rvq/article/view/190. Acesso em: 3 mar. 2022.

RIBEIRO, D. M.; GARCIA, L. C.; CANÇADO, L. J.; WILLIAMS, T. C. R.; RONCARATTI, L. F.; BRASIL, B. S. A. F. Potencial para produção de biodiesel de algas verdes da ordem Chlorellales cultivadas em meio de baixo custo Blue Green Nitrogen Mix (BGNIM). In: CONGRESSO DA REDE BRASILEIRA DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DE BIODIESEL, 7., 2019, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Rede Brasileira de Tecnologia e Inovação de Biodiesel, 2019. p. 523-525. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1120288/potencial-para-producao-de-biodiesel-de-algas-verdes-da-ordem-chlorellales-cultivadas-em-meio-de-baixo-custo-blue-green-nitrogen-mix-bgnim. Acesso em: 25 fev. 2022.

RODRIGUES, L. A. Inovação no setor de biodiesel: o papel da demanda induzida. 2016. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2016. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/9524. Acesso em: 20 fev. 2022.

SAMPAIO, R. M.; BONACELLI, M. B. M. Energia, tecnologia e instituições: a produção de biodiesel no Brasil. In: CONGRESSO LATINO-IBEROAMERICANO DE GESTÃO DA TECNOLOGIA, 16., 2015, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: UFRGS, 2015. Disponível em: http://altec2015.nitec.co/altec/papers/456.pdf. Acesso em: 25 fev. 2022.

SANTANA, J. C. S.; RIBEIRO, M. E. O.; SOUZA, P. R. A.; SOUZA, J. P. S.; PERES, S. M. O uso e produção da energia limpa como método de preservação ambiental sustentável. Epitaya E-books, v. 1, n. 12, p. 99-111, 2020. DOI: https://doi.org/10.47879/ed.ep.2020144p99.

SANTOS, J. S.; MACIEL, M. A. M.; SILVA, A. O. Biofuels: general aspects, technological development and economic viability. International Journal of Latest Research in Science and Technology, v. 4, n. 4, p. 8-17, 2015. Disponível em: https://www.mnkjournals.com/journal/ijlrst/pdf/temp/Volume_4_4/10534.pdf. Acesso em: 25 fev. 2022.

SANTOS, L. K.; CALERA, G. C.; STRINGACI, J. C. T.; VILAÇA, S. M.; VIVIANI, V. E.; FLUMIGNAN, D. L. Estado da arte da aplicação do processo de hidroesterificação na produção de biodiesel a partir de matérias-primas de baixa qualidade. Revista Principia, João Pessoa, v. 28, p. 178-190, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n28p178-190.

SILVA, C. C.; POLLI, S. A. O programa nacional de produção e uso do biodiesel - PNPB e a atuação da agricultura familiar. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 2, p. 3542-3555, 2020. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-184o.

SILVA, E. C. A análise do PNPB, com foco no Projeto Polos de Produção de Biodiesel: trajetória e transversalidade de gênero. 2016. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2016. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/8344. Acesso em: 25 fev. 2022.

SILVA, M. E. S. A política pública do biodiesel e os desafios para a inclusão dos diferentes estilos de agricultura familiar no mercado dos biocombustíveis no Brasil. 2019. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/201530. Acesso em: 25 fev. 2022.

SILVA NETO, J. F.; MACHADO, J. S.; MENDES, F.; RIOS, M. A. S.; ASSUNÇÃO, J. C. C.; SILVA, F. F. M.; MACÊDO, A. A. M.; SOUZA, C. F. V. Óleo e azeite de coco babaçu (Orbignya speciosa Mart.) como matérias-primas para produção de biodiesel. Revista ION, v. 34, n. 2, p. 95-104, 2021. DOI: https://doi.org/10.18273/revion.v34n2-2021009.

SUAREZ, P. A. Z.; MENEGHETTI, S. M. P. 70º Aniversário do biodiesel em 2007: evolução histórica e situação atual no Brasil. Revista Química Nova, v. 30, n. 8, p. 2068-2071, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-40422007000800046.

TAPANES, N. C. O.; ARANDA, D. A. G.; PEREZ, R. S.; CRUZ, Y. R. Biodiesel no Brasil: matérias primas e tecnologias de produção. Acta Scientiae & Technicae, v. 1, n. 1, p. 119-125, 2013. DOI: https://doi.org/10.17648/uezo-ast-v1i1.11.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id6316

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1260

Total de downloads do artigo: 753