Educação em saúde e ambiente: vamos fazer a trilha da escadaria do Cristo Redentor no Parque Estadual da Serra Azul?

Lucas Fumyhiko Shiraishi

Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Universitário do Araguaia Brasil

Carlos Kusano Bucalen Ferrari

ORCID iD Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Universitário do Araguaia Brasil

Professor Associado do ICBS, Campus Universitário do Araguaia, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Resumo

Considerando-se a importância de incentivar a atividade física, a educação ambiental e a saúde, o presente estudo teve como objetivo investigar o perfil e as motivações dos praticantes de uma trilha ecológica no Parque Estadual da Serra Azul, importante local turístico pertencente ao Vale do Médio Araguaia em Barra do Garças, Estado de Mato Grosso (MT). Elaborou-se em questionário contendo sete itens que foi utilizado para as entrevistas dos participantes. Após explicação da pesquisa foram solicitadas as assinaturas dos termos de consentimento livres e esclarecidos (TCLE). Em seguida, foram entrevistadas 100 pessoas durante a semana e aos finais de semana de modo aleatório. As principais razões para a prática da subida do Cristo Redentor estiveram relacionadas à saúde e condicionamento físico, enquanto que as principais motivações foram paisagem/beleza natural do local seguida do condicionamento físico. Representa motivo de preocupação que 44% dos participantes fazem a subida sozinhos o que pode representar perigo para os mesmos. A maioria (54%) faz a subida apenas uma vez por semana, assim como 88% são moradores do município. As condições de acesso à trilha precisam ser melhoradas, o que reduziria sua subutilização e pode constituir diversas oportunidades de turismo ecológico associadas à educação ambiental e à promoção da saúde.

Palavras-chave


Atividade física; Educação em saúde ambiental; Promoção da saúde


Texto completo:

Referências


ALVES, C. G.; MORAIS NETO, O. L. Tendência da mortalidade prematura por doenças crônicas não transmissíveis nas unidades federadas brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 3, p. 641-654, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015203.15342014.

ALVES, T. M.; ROSA, L. C. S. Usos de substâncias psicoativas por mulheres: a importância de uma perspectiva de gênero. Revista Estudos Feministas, v. 24, n. 2, p. 443-462, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n2p443.

AFONSO, P.; FONSECA, M.; TEODORO, T. Evaluation of anxiety, depression and sleep quality in full-time teleworkers. Journal of Public Health, May 25, 2021. DOI: https://doi.org/10.1093/pubmed/fdab164.

BANKOFF, A. D. P.; ARRUDA, M.; BISPO, I. M. G. P.; RODRIGUES, M. D. Doenças crônicas não transmissíveis: história familiar, hábitos alimentares e sedentarismo em alunos de graduação de ambos os sexos. Revista Saúde e Meio Ambiente, v. 5, n. 2, p. 37-56, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/sameamb/article/view/4246. Acesso em: nov. 2021.

BASSETT, D. R.; VACHON, J. A.; KIRKLAND, A. O.; HOWLEY, E. T.; DUNCAN, G. E.; JOHNSON, K. R. Energy cost of stair climbing and descending on the college alumnus questionnaire. Medicine in Sports and Exercise, v. 29, n. 9, p. 1250-1254, 1997. DOI: https://doi.org/10.1097/00005768-199709000-00019.

BECK, D. F.; SILVA NETO, W. L. B.; CONTI, D. M. O turismo sob a ótica das cidades inteligentes e sustentáveis. Organizações e Sustentabilidade, v. 8, n. 2, p. 103-117, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2318-9223.2020v8n2p103.

BOREHAM, C. A.; KENNEDY, R. A.; MURPHY, M. H.; TULLY, M.; WALLACE, W. F.; YOUNG, I. Training effects of short bouts of stair climbing on cardiorespiratory fitness, blood lipids, and homocysteine in sedentary young women. British Journal of Sports Medicine, v. 39, n. 9, p.5 90–593, 2005. DOI: https://doi.org/10.1136/bjsm.2002.001131.

CHAVES, N. C. B.; LOPES, L. F.; MAIA, M. A. G.; MOTA, V. G.; CARDOSO, Y. S.; FEITOSA, P. W. G.; PORTO, A. O. Prevenção e tratamento de obesidade e dislipidemia em crianças e adolescentes: uma revisão integrativa. Revista Interfaces, v. 8, n. 2, p. 591-602, 2020. Disponível em: https://interfaces.leaosampaio.edu.br/index.php/revista-interfaces/article/view/768. Acesso em: nov. 2021.

CLARO, R. M.; SANTOS, M. A. S.; OLIVEIRA, T. P.; PEREIRA, C. A.; SZWARCWALD, C. L.; MALTA, D. C. Unhealthy food consumption related to chronic non-communicable diseases in Brazil: National Health Survey, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, n. 2, p. 257-265, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000200008.

COHEN, R. V.; DRAGER, L. F.; PETRY, T. B. Z.; SANTOS, R. D. Metabolic health in Brazil: trends and challenges. The Lancet Diabetes & Endocrinology, v. 8, n. 12, p. 937-938, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/S2213-8587(20)30370-3.

COUTO, R. Com muita devoção e suor, fiéis sobem a serra em Barra do Garças. Olhar Direto. 02 Abril 2010. Disponível em: https://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=93568&noticia=com-muita-devocao-e-suor-fieis-sobem-a-serra-em-barra-do-garcas. Acesso em: ago. 2021.

DONATH, L.; FAUDE, O.; ROTH, R.; ZAHNER, L. Effects of stair climbing on balance, gait, strength, resting heart rate, and submaximal endurance in healthy seniors. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports, v. 24, n. 2, p. e93-101, 2014. DOI: https://doi.org/10.1111/sms.12113.

FALEIRO, J. C. et al. Posição socioeconômica no curso da vida e comportamentos de risco relacionados à saúde: Elsa-Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, e00017916, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00017916. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/3gWtFWKdHsXSvCL4KYbxXjH. Acesso em: out. 2021.

FERRARI, C. K. B.; CARNEIRO, S. S.; ROCHA, E. M.; SANTOS, A. L. V. Sedentarismo, estilo de vida e saúde em adolescentes de um município da Amazônia Legal. Revista Inspirar Movimento & Saúde, v. 14, n. 3, p. 28-33, 2017. Disponível em: https://www.inspirar.com.br/wp-content/uploads/2017/07/revista-inspirar-ms-43-536-2016.pdf Acesso em: jul. 2021

FERRARI, C. K. B. Implementation of public health policies for healthy lifestyles promotion: what Brazil should tell us? Health Promotion and Perspectives, v. 8, n. 3, p. 243-248, 2018a. DOI: https://dx.doi.org/10.15171%2Fhpp.2018.33.

FERRARI, C. K. B. Lifestyle risk factors for chronic non-communicable diseases in an inner Brazilian Central-Western municipality. Archiv Euromedica, v. 8, n. 1, p. 86-92, 2018b. Disponível em: http://www.ewg-board.eu/archiv-euromedica/archiv-euromedica-01-2018/PAGES_archiv_euromedica_01_2018_maket_20_06_2018_001_120_86_92.pdf. Acesso em: nov. 2021.

FERRARI, C.K.B. High prevalence of negative mood and body dissatisfaction among Brazilian adolescents and women. Archiv Euromedica, v.9, n. 2, p. 44-46, 2019a Disponível em: http://ewg-board.eu/archiv-euromedica/archiv-euromedica-02-2019/archiv_euromedica_02_2019_maket_12_09_2019_READY-all.pdf#page=46. Acesso em: nov. 2021.

FERRARI, C. K. B. Excessive body weight, body fat, and eating habits of students from public and private elementary education. Archiv Euromedica, v. 9, n. 1, p. 5-9, 2019b. DOI: http://dx.doi.org/10.35630/2199-885X/2019/9/1/05.

FLORES-ORTIZ, R.; MALTA, D. C.; VELASQUEZ-MELENDEZ, G. Adult body weight trends in 27 urban populations of Brazil from 2006 to 2016: a population-based study. PLoS ONE, v. 14, n. 3, e0213254, 2019. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0213254.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a ed. São Paulo: Atlas, 2007.

HENRICH, L. C.; ANTYPA, N.; VAN DEN BERG, J. F. Sleep quality in students: Associations with psychological and lifestyle factors. Current Psychology, 2021. DOI: https://doi.org/10.1007/s12144-021-01801-9.

HONGU, N.; SHIMADA, M.; MIYAKE, R.; NAKAJIMA, Y.; NAKAJIMA, I.; YOSHITAKE, Y. Promoting stair climbing as an exercise routine among healthy older adults attending a community-based physical activity program. Sports, v. 7, p. 23, 2019. DOI: https://doi.org/10.3390/sports7010023.

IMAGAWA, R.; HARRISON, B. The current state of ecotourism in Japan. Japanese Journal of Policy and Culture, v. 29, March, p. 43-63, 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE cidades. Barra do Garças. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/barra-do-garcas/panorama. Acesso em: jul. 2021.

INPE – INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos. Previsão Numérica do Tempo. Barra do Garças (MT). Disponível em: https://www.cptec.inpe.br/previsao-tempo/mt/barra-do-garcas. Acesso em: ago. 2021.

ISA – INSTITUTO SOCIO-AMBIENTAL. Unidades de conservação no Brasil. Parque Estadual da Serra Azul. Disponível em: https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/811#. Acesso em: ago. 2021.

LACRUZ, M.E.; SCHMIDT-POKRZYWNIAK, A.; DRAGANO, N.; MOEBUS, S.; DEUTRICH, S.E.; MÖHLENKAMP, S.; SCHMERMUND, A.; KAELSCH, H.; ERBEL, R.; STANG, A. Depressive symptoms, life satisfaction and prevalence of sleep disturbances in the general population of Germany: results from the Heinz Nixdorf Recall study. BMJ Open, v.6, e007919, 2016. DOI: https://dx.doi.org/10.1136%2Fbmjopen-2015-007919.

LIMA FILHO, M. F. Aragarças: A cidade encantada no sertão de Goiás. Horizontes Antropológicos, v. 6, n. 13, p. 65-87, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71832000000100004.

MACIEL, D. P. O Estado na integração de territórios vazios à nação brasileira (1943-1968): atuação da Fundação Brasil Central na região do Médio Araguaia. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 24., 2007, São Leopoldo. Anais... São Leopoldo: ANPUH, 2007. Disponível em: https://anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548210414_a46b27f8e67db0aa983d45ba2c2966f4.pdf. Acesso em: nov. 2021.

MALTA, D. C.; SANTOS, M. A. S.; ARAÚJO, S. S. C.; OLIVEIRA, T. P.; STOPA, S. R.; OLIVEIRA, M. M.; JAIME, P. Tendência temporal dos indicadores de excesso de peso em adultos nas capitais brasileiras, 2006-2013. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 4, p. 1061-069, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015214.12292015.

MIELKE, G. I.; HALLAL, P. C.; RODRIGUES, G. B. A.; SZWARCWALD, C. L., SANTOS, F. V.; MALTA, D. C. Prática de atividade física e hábito de assistir à televisão entre adultos no Brasil: pesquisa nacional de saúde 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, n. 2, p. 277-286, 2015.

MONTEIRO, C. A. et al. Ultra-processed foods: what they are and how to identify them. Public Health Nutrition, v. 22, n. 5, p. 936-941, 2019. DOI: https://doi.org/10.1017/s1368980018003762

NILSON, E. A. F.; ANDRADE, R. C. S.; BRITO, D. A.; OLIVEIRA, M. L. Custos atribuíveis a obesidade, hipertensão e diabetes no Sistema Ùnico de Saúde, Brasil, 2018. Revista Panamericana de Salud Publica, v. 44, n. 8, p. 1-7, 2020. Doi: https://doi.org/10.26633/RPSP.2020.32.

PAULA, L. F.; PIRES, M. Crise e perspectivas para a economia brasileira. Estudos Avançados, v. 31, n. 89, p. 125-144, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890013.

PIRILLO, A.; CASULA, M.; OLMASTRONI, E.; NORATA, G. D.; CATAPANO, A. L. Global epidemiology of dyslipidaemias. Nature Reviews in Cardiology, v. 18, p. 689-700, 2021. DOI: https://doi.org/10.1038/s41569-021-00541-4.

PORTAL GEÓGRAFOS. Coordenadas geográficas de Barra do Garças, Mato Grosso – MT. Disponível em: https://www.geografos.com.br/cidades-mato-grosso/barra-do-garcas.php. Acesso em: jul. 2021.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARRA DO GARÇAS. História do município. 2020. Disponível em: https://www.barradogarcas.mt.gov.br/O-Municipio/Historia-do-Municipio/. Acesso em: jul. 2021.

REIS, D. F., et al. Atividade física ao ar livre e a influência na qualidade de vida. Colloquium Vitae, v. 9 (n. esp.), p. 191-201, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5747/cv.2017.v09.nesp.000319.

RIBEIRO, J. A. B.; CAVALLI, A. S.; CAVALLI, M. O.; POGORZELSK, L. V., PRESTES, M. R.; RICARDO, L. I. C. Adesão de idosos a programas de atividade física: motivação e significância. Revista Brasileira Ciências do Esporte, v. 34, n. 4, p. 970-973, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32892012000400012.

ROOMI, M. A.; MOHAMMADNEZHAD, M. Prevalence of metabolic syndrome among apparently healthy workforce. Journal of Ayub Medical College, v. 31, n. 2, p. 252-254, 2019. Disponível em: https://jamc.ayubmed.edu.pk/jamc/index.php/jamc/article/view/5121. Acesso em: nov. 2021.

ROSA, M. C.; COSTA, F. C.; SANTANA, J. O. Parque Estadual do Itacolomi e atividades físicas e esportivas na natureza: estudo de um equipamento de lazer. Caderno Virtual de Turismo, v. 19, n. 1, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.18472/cvt.19n1.2019.1560. Disponível em: http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/1560. Acesso em: 26/07/2021

SÁ, C. S. C.; BELLINTANE, M. D.; MARQUES, J. S. Influência do sedentarismo no equilíbrio e coordenação de crianças da região do ABC paulista. Revista Neurociências, v. 16, n. 1, p. 25-29, 2008. DOI: https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8661. Acesso em: nov. 2021.

SANTOS, P. S. O.; CARVALHO, V. C. H. S. Percepção dos nutricionistas do Programa Nacional de Alimentação Escolar sobre educação alimentar e nutricional. Demetra, v. 16, e51296, 2021. DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2021.51296.

SCHMIDT, M. I., et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet, v. 377, n. 9781, p. 1949-1979, 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/s0140-6736(11)60135-9.

SILVA, D. A. S.; PETROSKI, E. L.; REIS, R. S. Barreiras e facilitadores de atividades físicas em frequentadores de parques públicos. Motriz, v. 15, n. 2, p. 219-227, 2009.

SOARES, A. S. B.; PAIS-RIBEIRO, J. L.; SILVA, I. M. L. Recursos pessoais e contextuais preditores de afetos positivo e negativo em adolescentes. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 38, n. 1, p. 33-47, 2020. DOI: https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.7472.

SOUZA, E. L. A.; MUNIZ, C. C. M.; GUSMÃO, T. M. E. Avaliação da qualidade de vida, do sono e sintomas respiratórios em crianças e adolescentes obesos. Saúde Coletiva, v. 11, n. 65, p. 6138-6144, 2021. DOI: https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i65p6138-6151. Disponível em: http://www.revistas.mpmcomunicacao.com.br/index.php/saudecoletiva/article/view/1601. Acesso em: ago. 2021.

SPANHOL, R. C.; FERRARI, C. K. B. Obesity and lifestyle risk factors among an adult population in Legal Amazon, Mato Grosso, Brazil. Revista de Salud Publica, v. 18, n. 1, p. 26-36, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.15446/rsap.v18n1.30570.

SURDI, A. C.; PADILHA, E.; ZAGO, E.; LOUZADA, L. G. A prática de atividades físicas em academia ao ar livre: a percepção dos seus praticantes. EFDeportes, v. 16, n. 162, 2011. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd162/atividades-fisicas-em-academia-ao-ar-livre.htm. Acesso em: nov. 2021.

TAKAISHI, T.; IMAEDA, K.; TANAKA, T.; MORITANI, T.; HAYASHI, T. A short bout of stair climbing-descending exercise attenuates postprandial hyperglycemia in middle-aged males with impaired glucose tolerance. Applied Physiology Nutrition and Metabolism, v. 37, n. 1, p. 193-196, 2012. DOI: https://doi.org/10.1139/h11-140.

TAVARES, N. U. L.; COSTA, K. S.; MENGUE, S. S.; MALTA, D. C.; SILVA JUNIOR, J. B. Uso de medicamentos para tratamento de doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: resultados da pesquisa nacional de saúde, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, n. 2, p. 315-323, 2015. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000200014.

TEH, K. C.; AZIZ, A. R. Heart rate, oxygen uptake, and energy cost of ascending and descending the stairs. Medicine & Science in Sports and Exercise, v. 34, n. 4, p. 695-699, 2002. DOI: https://doi.org/10.1097/00005768-200204000-00021.

ZAPPE, J. G.; DELL’AGLIO, D. D. Variáveis pessoais e contextuais associadas a comportamentos de risco em adolescentes. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 65, p. 44-52, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/0047-2085000000102.

WHO. Depression and other common mental disorders. Global Health Estimates. Geneve: World Health Organization, 2017. Disponível em: https://www.who. int/mental_health/management/depression/prevalence_global_health_estimates/en/. Acesso em: ago. 2021.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id6278

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 148

Total de downloads do artigo: 64