Captura e identificação de Diaemus youngi e Diphylla ecaudata em São Francisco do Guaporé, Rondônia

Bruna Bastos Boroviec

ORCID iD Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (IDARON) Brasil

Jhulhie Cristian Justiniano Moreno Mund

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (IDARON) Brasil

Cleiton Forgiarini

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (IDARON) Brasil

Odete Borchardt

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (IDARON) Brasil

Júlio Cesar Felix

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (IDARON) Brasil

Bruno Leonardo Mendonça Ribeiro

ORCID iD Universidade Federal de Rondônia (UNIR) Brasil

Resumo

Os morcegos hematófagos são da subfamília Desmodontinae, que é restrita ao continente americano e é composta por três espécies hematófagas: Desmodus rotundus, Diphylla ecaudata e Diaemus youngi. As capturas de morcegos hematófagos, assim como o tratamento do Desmodus rotundus, são ações rotineiras da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (IDARON) na aplicação do Plano Nacional de Controle de Raiva em Herbívoros (PNCRH), que tem como objetivo principal manter sob controle a incidência da raiva na população de herbívoros domésticos. Os morcegos saem para forragear à noite; por conta disso, esse é o período principal para realizar as capturas. A equipe da Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAV) da Agência IDARON em São Francisco do Guaporé-RO realizou duas atividades de captura de morcegos, nos dias 2 e 9 de junho de 2021, em propriedades com queixas de ataque em aves e bovinos e onde foi realizada a coleta de encéfalo por conta de suspeita de raiva herbívora. Nas respectivas capturas, foram identificados os morcegos Diaemus youngi e Diphylla ecaudata, nessa mesma ordem. Mesmo tendo sido o primeiro relato científico das espécies na região, o banco de dados da Agência IDARON relata que entre 2017 e 2019 houve 16 capturas de Diaemus youngi e a primeira de Diphylla ecaudata, o que demonstra a importância e necessidade de publicação de dados coletados na rotina da agência.

Palavras-chave


defesa animal; hematófagos; herbívoros; raiva


Texto completo:

Referências


AGUIAR, L. M. S.; CAMARGO, W. R.; PORTELLA, A. S. Occurence of white- winged vampire bat, Diaemus youngi (Mammalia, Chiroptera), in the Cerrado of Distrito Federal, Brazil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 23, n. 3, p. 893-896, Sept. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-81752006000300041.

BARBOSA, C. R.; REZENDE, L. V.; SILVA, A. C. R.; BRITTO, F. M. A.; CUNHA, G. N. Prevalência da raiva em morcegos capturados no município de Patos de Minas – MG, Brasil. Archives of Veterinary Science, v. 24, n. 4, p. 71-82, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/avs.v24i4.63051.

BERNARD, E.; TAVARES, V. C.; SAMPAIO, E. Compilação atualizada das espécies de morcegos (Chiroptera) para a Amazônia Brasileira. Biota Neotropica, v. 11, n. 1, p. 35-46, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-06032011000100003.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros – PNCRH. 2012. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/saude-animal/programas-de-saude-animal/raiva-dos-herbivoros-e-eeb. Acesso em: 3 jun. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica. 7. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009. 816 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidemiologica_7ed.pdf. Acesso em: 16 jun. 2021.

BREDT, A.; UIEDA, W.; MAGALHÃES, E. D. Morcegos cavernícolas da região do Distrito Federal, centro-oeste do Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 16, n. 3, p. 731-770, 1999. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-81751999000300012.

CASTRO, F. F. C. Nuevo reporte del murciélago hematófago de patas peludas Diphylla ecaudata Spix, 1823 (Chiroptera, Phyllostomidae) en Colombia. Mastozoologia Neotropical, Mendonza, v. 23, n. 2, p. 529-532, 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/457/45750282024/. Acesso em: 15 jun. 2021.

COSTA, L. M.; OLIVEIRA, D. M.; FERNANDES, A. F. P. D.; ESBERARD, C. E. L. Ocorrência de Diaemus youngi (Jentink, 1893), Chiroptera, no estado do Rio de Janeiro. Biota Neotropica, v. 8, n. 1, p. 217-220, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-06032008000100023.

DELPIETRO, H. A.; RUSSO, R. G. Observations of the common vampire bat (Desmodus rotundus) and the hairy-legged vampire bat (Diphylla ecaudata) in captivity. Mammalian Biology, v. 67, n. 2, p. 65-78, 2002. DOI: https://doi.org/10.1078/1616-5047-00011.

FALCÃO, F. C. Mammalia, Chiroptera, Phyllostomidae, Diaemus youngi: first record for the state of Bahia, northeastern Brazil. Check List, v. 3, n. 4, p. 330-332, 2007. DOI: https://doi.org/10.15560/3.4.330.

GONÇALVES, M. A. S.; SÁ-NETO, R. J.; BRAZIL T. K.; Outbreak of agressions and transmission of rabies in human beings by vampire bats in northeastern Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 35, n. 5, p. 461-464, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822002000500006.

GREENHALL, A. M.; JOERMANN, G.; SCHMIDT, U. Desmodus rotundus. Mammalian Species, n. 202, p. 1-6, Apr. 1983. DOI: https://dx.doi.org/10.2307/3503895.

GREENHALL, A. M.; SCHUTT JUNIOR, W. A. Diaemus youngi. Mammalian Species, n. 533, p. 1-7, Dec. 1996. DOI: https://doi.org/10.2307/3504240.

HOPPE, J. P. M.; MARCHEZI, G.; DITCHFIELD, A. D. First record of the white-winged vampire bat, Diaemus youngii (Jentink, 1893) (Chiroptera, Phyllostomidae) for the state of Goiás, Brazil, with a revised distribution map. Check List, v. 15, n. 1, p. 55-64, 2019. DOI: https://doi.org/10.15560/15.1.55.

IBAMA – INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Instrução Normativa nº 141, de 19 de dezembro de 2006. Regulamenta o controle e o manejo ambiental da fauna sinantrópica nociva. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 143, n. 243, p. 139-140, 20 dez. 2006. Disponível em: www.ibama.gov.br/sophia/cnia/legislacao/IBAMA/IN0141-191206.PDF. Acesso em: 3 jun. 2021.

IDARON – AGÊNCIA DE DEFESA SANITÁRIA AGROSILVOPASTORIL DO ESTADO DE RONDÔNIA. Raiva dos herbívoros. 2019. Disponível em: http://www.idaron.ro.gov.br/index.php/raiva-dos-herbivoros/. Acesso em: 3 jun. 2021.

ITO, F.; BERNARD, E.; TORRES, R. A. What is for dinner? First report of human blood in the diet of the hairy-legged vampire bat Diphylla ecaudata. Acta Chiropterologica, v. 18, n. 2, p. 509-515, 2016. DOI: https://doi.org/10.3161/15081109ACC2016.18.2.017.

KOTAIT, I.; CARRIERI, M. L.; CARNIELI JÚNIOR, P.; CASTILHO, J. G.; OLIVEIRA, R. N.; MACEDO, C. I.; FERREIRA, K. C. S.; ACHKAR, S. M. Reservatórios silvestres do vírus da raiva: um desafio para a saúde pública. BEPA: Boletim Epidemiológico Paulista, v. 4, n. 40, p. 1-10, abr. 2007. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/38754. Acesso em: 16 dez. 2022.

MAGAÑA-COTA, G. E.; CHARRE-MEDELLÍN, J. F.; HERNÁNDEZ, R.; IGLESIAS, J.; CHÁVEZ-GALVÁN, B.; BOLAÑOS, R.; CECAIRA-RICOY, R.; SÁNCHEZ-CORDERO, V.; BOTELLO, F. Primeros registros del murciélago vampiro de pata peluda (Diphylla ecaudata) para el estado de Guanajuato, México. Therya, v. 1, n. 3, p. 213-219, dic. 2010. Disponível em: https://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2007-33642010000300006. Acesso em: 16 dez. 2022.

MARTINS, J. L. R.; RODRIGUES, D. A.; RAMOS, F. N. C.; MOREIRA, M. A. S. Controle populacional do principal transmissor da raiva dos herbívoros no município de Coromandel de 2009 a 2017. Revista Agroveterinária, Negócios e Tecnologias, v. 3, supl., 2018. Disponível em: https://ojs.fccvirtual.com.br/index.php/REVISTA-AGRO/article/view/79. Acesso em: 18 jun. 2021.

MOÇO, L. C.; DEPES, V. C. A.; TREBEJO, C. B. M.; SHIMABUKURO, C. U.; MASSENO, A. P. B.; INACIO, R. B.; NITTA, T. Y.; ROMÃO, F. T. N. M. A. Raiva em herbívoros: relato de casos. Revista Científica de Medicina Veterinária, ano 16, n. 32, jan. 2019. Disponível em: http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/NZD4pWlSr9zmAh9_2019-5-28-17-17-4.pdf. Acesso em: 18 jun. 2021.

MOK, W. Y.; WILSON, D. E.; LACEY, L. A.; LUIZÃO, R. C. C. Lista atualizada de quirópteros da Amazônia Brasileira. Acta Amazonica, v. 12, n. 4, p. 817-823, 1982. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-43921982124817.

OLIVEIRA, P. R.; SILVA, D. A. R.; ROCHA, J. H.; MELO, S. M. A.; BOMBONATO, N. G.; CARNEIRO E SILVA, F. O. Levantamento, cadastramento e estimativa populacional das habitações de morcegos hematófagos, antes e após atividades de controle, no município de Araguari, MG. Arquivos do Instituto Biológico, v. 76, n. 4, p. 553-560, 2009. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1808-1657v76p5532009.

PEDROSO, M. A.; ROCHA, P. A.; BRANDÃO, M. V.; GARBINO, G. S. T.; MORAES, C. O.; AIRES, C. C. Filling gaps in the distribution of the white-winged vampire bat, Diaemus youngii (Phyllostomidae, Desmodontinae): new records for southern Amazonia. Acta Amazonica, v. 48, n. 2, p. 154-157, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4392201704291.

REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; PEDRO, W. A.; LIMA, I. P. (ed.). Morcegos do Brasil. Londrina: UEL, 2007. Disponível em: http://www.uel.br/pos/biologicas/pages/arquivos/pdf/Morcegos_do_Brasil.pdf. Acesso em: 3 jun. 2021.

RIET-CORREA, F.; SCHILD, A. L.; MENDEZ, M. C.; LEMOS, R. A. A. Doenças de ruminantes e equídeos. 3. ed. Santa Maria: Pallotti, 2007. 790 p. v. 1.

PINTO, E. RS tem primeiro registro de espécie de morcego. Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Estado do Rio Grande do Sul, 25 jun. 2020. Disponível em: https://www.agricultura.rs.gov.br/rs-tem-primeiro-registro-de-especie-de-morcego. Acesso em: 15 jun. 2021.

ROCHA, P. A.; PEDROSO, M. A.; FEIJÓ, A.; GURGEL FILHO, N.; CAMPOS, B. A. T. P.; FERRARI, S. F. Update on the distribution of Diphylla ecaudata Spix, 1823 (Mammalia, Chiroptera): new records from the Brazilian northeast. Check List, v. 10, n. 6, p. 1541-1545, 2014. DOI: https://doi.org/10.15560/10.6.1541.

SANTOS, T. C. M.; LOPES, G. P. First record of Diphylla ecaudata Spix, 1823 (Phyllostomidae, Desmodontinae) for the state of Amazonas, and update on species distribution in Brazil. Chiroptera Neotropical, v. 21 n. 2, p. 1347-1357, 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/291329125_First_record_of_Diphylla_ecaudata_Spix_1823_Phyllostomidae_Desmodontinae_for_the_state_of_Amazonas_and_update_on_species_distribution_in_Brazil. Acesso em: 18 jun. 2021.

SCHNEIDER, M. C; ROMIJN, P. C.; UIEDA, W.; TAMAYO, H.; SILVA, D. F.; BELOTTO, A.; SILVA, J. B.; LEANES L. F. Rabies transmitted by vampire bats to humans: An emerging zoonotic disease in Latin America? Revista Panamericana de Salud Pública, v. 25, n. 3, p. 260-269, 2009. Disponível em: https://scielosp.org/article/rpsp/2009.v25n3/260-269/en/. Acesso em: 16 dez. 2022.

SILES, L.; MUÑOZ, A.; AGUIRRE, L. F. Nuevos reportes del vampiro de patas peludas Diphylla ecaudata (Chiroptera: Desmodontinae) para los departamentos de Cochabamba y Santa Cruz. Ecología en Bolivia, v. 38, n. 2, p. 161-165, oct. 2003. Disponível em: http://www.scielo.org.bo/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1605-25282003000200006. Acesso em: 3 jun. 2021.

SOARES, F.; ROCHA, P. A.; FERRARI, S.; ACIOLI, T.; PINTO-SOBRINHO, J. P. Bats (Mammalia, Chiroptera) from an area of Caatinga in southwestern Bahia, Brazil. Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza, v. 2, n. 1, p. 7-16, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v2i1.575.

TRAJANO, E. Ecologia de populações de morcegos cavernícolas em uma região cárstica do sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 2, n. 5, p. 255-320, 1984. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0101-81751984000100001.

WITT, A. A.; MENDES, F. C.; GRILLO, H. C. Z.; HOFFMEISTER JUNIOR, W.; ROSSATO, N. A. Primeiro registro de Diaemus youngi (Jentink, 1893) no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Notas sobre Mamíferos Sudamericanos, v. 1, p. 1-7, 2019. DOI: https://dx.doi.org/10.31687/saremNMS.19.0.15.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id6271

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1137

Total de downloads do artigo: 954