Diversidade de coleópteros edáficos em plantio de Eucalyptus grandis situado em Dois Vizinhos, Paraná

Debora Daneluz Mezzalira

Bióloga autônoma Brasil

Jéssica Camile da Silva

ORCID iD Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Dois Vizinhos Brasil

Luis Felipe Wille Zarzycki

ORCID iD Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Dois Vizinhos Brasil

Ketrin Lorhayne Kubiak

ORCID iD Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Dois Vizinhos Brasil

Dinéia Tessaro

ORCID iD Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Dois Vizinhos Brasil

Resumo

A comunidade de coleópteros edáficos é responsável por muitos serviços fundamentais para o funcionamento do ecossistema terrestre. Considerando sua importância, este estudo teve como objetivo avaliar a diversidade de coleópteros associados ao solo de uma área cultivada com Eucalyptus grandis. A amostragem de coleópteros foi realizada no município de Dois Vizinhos-PR em uma área de plantio de Eucalyptus grandis, em dois períodos distintos, verão e outono. Para tal, foi traçado um transecto de 50 metros, iniciado a 15 metros das bordas. As armadilhas foram instaladas com distância de 10 metros entre si, em uma linha paralela ao transecto, totalizando cinco armadilhas simultâneas por coleta, as quais permaneceram no campo pelo período de sete dias durante cada estação. Os coleópteros amostrados foram classificados ao nível taxonômico de família. Foram identificadas 5 famílias de Coleoptera, sendo Hybosoridae exclusiva do verão. Os grupos Scolytinae e Nitidulidae foram dominantes nos períodos avaliados. A maior abundância de coleópteros foi observada durante o verão, enquanto os valores de riqueza e diversidade foram semelhantes em ambos os períodos. A ocorrência de grupos raros e elevada densidade da subfamília Scolytinae durante o verão contribuíram para menor uniformidade e maior dominância neste período.

Palavras-chave


Biodiversidade do solo; Bioindicadores; Coleoptera; Invertebrados; Macrofauna


Texto completo:

Referências


ALVARES, C. A. et al. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Stuttgart, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507. Disponível em: https://www.schweizerbart.de/papers/metz/detail/22/82078/Koppen_s_climate_classification_map_for_Brazil?af=crossref. Acesso em: 23 ago. 2021.

ATHIÉ, I.; PAULA, D. C. Insetos de grãos armazenados: aspectos biológicos e identificação. São Paulo: Livraria Varela, 2002.

AUDINO, L. D. et al. Identificação dos coleópteros (Insecta: Coleoptera) das regiões de Palmas (município de Bagé) e Santa Barbinha (município de Caçapava do Sul), RS. Bagé: Embrapa Pecuária Sul, 2007.

BARNES, I. et al. Ceratocystis fimbriata infecting Eucalyptus grandis in Uruguay. Australasian Plant Pathology, Netherlands, v. 32, p. 361-366, 2003. Doi: https://doi.org/10.1071/AP03032. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1071%2FAP03032. Acesso em: 25 ago. 2021.

BERNARDES, A. C. C. et al. Abundance and diversity of beetles (Insecta: Coleoptera) in land use and management systems. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 44, e0190183, 2020. DOI: https://doi.org/10.36783/18069657rbcs20190183. Disponível em: https://www.rbcsjournal.org/article/abundance-and-diversity-of-beetles-insecta-coleoptera-in-land-use-and-management-systems/. Acesso em: 22 ago. 2021.

BERTI FILHO, E. Coleópteros de importância florestal: 1 – Scolytidae. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 19, p. 39-43, 1979. Disponível em: https://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr19/cap03.pdf. Acesso em: 25 ago. 2021.

BOUCHARD, P. et al. Biodiversity of Coleoptera. In: FOOTTIT, R. G.; ADLER, P. H. (eds.). Insect Biodiversity: Science and Society. Chichester: John Wiley & Sons, 2017. p. 337–417.

BROWN, K. S. Conservation of Neotropical Environments: Insects as Indicators. In: COLLINS, N.M.; THOMAS, J.A. (Eds.). The conservation of insects and their habitats. London: Academic Press, 1991. p. 349-404.

CARVALHO, A. G.; TREVISAN, H. Novo Modelo de Armadilha para Captura de Scolytinae e Platypodinae (Insecta, Coleoptera). Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 22, n. 4, p. 575-578, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.105114. Disponível em: https://www.scielo.br/j/floram/a/JHksD6KLC9TDvRN3g9knWgN. Acesso em: 27 ago. 2021.

CIVIDANES, F. J.; SANTOS-CIVIDANES, T. M. Distribuição de Carabidae e Staphylinidae em agroecossistemas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 43, n. 2, p. 157-162, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-204X2008000200001 Disponível em: https://www.scielo.br/j/pab/a/6DH8KBQ5qc8GCwPVMpmh84N. Acesso em: 22 ago. 2021.

DORVAL, A.; ROCHA, J. R. M.; PERES FILHO, O. Coleópteros em ambientes florestais, no município de Cuiabá, estado de Mato Grosso. Multitemas, Campo Grande, n. 42, p. 21-40, 2012. DOI: https://doi.org/10.20435/multi.v0i0.273. Disponível em: https://www.multitemas.ucdb.br/multitemas/article/view/273. Acesso em: 23 ago. 2021.

FAO. Global Forest Resources Assessment 2020: Brazil Report. Rome. 2020a. 119p. Disponível em: http://www.fao.org/3/ca9976en/ca9976en.pdf. Acesso em: 22 ago. 2021.

FAO. Global Forest Resources Assessment 2020: Main Report. Rome. 2020b. 184p. Disponível em: http://www.fao.org/documents/card/en/c/ca9825en. Acesso em: 22 ago. 2021.

FLECHTMANN, C. A. H.; OTTATI, A. L. T.; BERISFORD, C. W. Ambrosia and bark beetles (Scolytidae: Coleoptera) in pine and eucalypt stands in southern Brazil. Forest Ecology and Management, Netherlands, v. 142, n.1-3, p. 183-191, 2001. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0378-1127(00)00349-2. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378112700003492. Acesso em: 27 ago. 2021.

FORTI, L. C. et al. In: FUJIHARA, R. T.; FORTI, L. C.; ALMEIDA, M. C.; BALDIN, E. L. L. (Eds). Insetos de Importância Econômica: Guia ilustrado para identificação de famílias. Botucatu: Editora FEPAF, 2016, p. 187-226.

GALDINO-DA-SILVA, T.; TREVISAN, H.; CARVALHO, G. Análise da ocorrência de seis grupos de Coleoptera em dois ecossistemas perturbados ecologicamente. Entomo Brasilis, Vassouras, v. 9, n. 3, p. 187-192, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.12741/ebrasilis.v9i3.612. Disponível em: https://www.entomobrasilis.org/index.php/ebras/article/view/ebrasilis.v9i3.612. Acesso em: 24 ago. 2021.

GALLO, D. et al. Entomologia Agrícola. São Paulo: Editora Agronômica Ceres, 2002.

GARCIA, L. E.; MORAES, R. M.; VIANNA, E. E. S. Besouros de solo (Insecta: Coleoptera) em fragmento de mata de restinga no extremo sul do Brasil. Biotemas, Florianópolis, v. 29, n. 4, p. 59-67, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2016v29n4p59. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/article/view/2175-7925.2016v29n4p59. Acesso em: 22 ago. 2021.

GONÇALVES, M. P. G. Relação entre tempo e besouros em mata de Cocal. Revista Brasileira de Meteorologia, São Paulo, v. 32, n. 4, p. 543-554, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-7786324003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbmet/a/kJPLKtB3gLTdfTcMB9vM4Vd. Acesso em: 25 ago. 2021.

GONZAGA, E. P. et al. Diversidade inicial da entomofauna em povoamento florestal de eucalipto, no município de Rio Largo, Alagoas. Diversitas Journal, Santa do Ipanema, v. 6, n. 3, p. 2931-2945, 2021. DOI: https://doi.org/10.48017/Diversitas_Journal-v6i3-1815. Disponível em: https://periodicos.ifal.edu.br/diversitas_journal/article/view/1815. Acesso em: 23 ago. 2021.

HOLLAND, J. M.; LUFF, M. L. The effects of agricultural practices on Carabidae in temperate agroecosystems. Integrated Pest Management Reviews, Netherlands, v. 5, n. 2, p. 109-129, 2000. DOI: https://doi.org/10.1023/A:1009619309424. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1023/A:1009619309424. Acesso em: 23 ago. 2021.

INMET. Mapa de Precipitação Acumulada. Instituto Nacional de Meteorologia. Disponível: https://portal.inmet.gov.br/. Acesso: 12 dez. 2015.

LIMA, I. M. M. Registro da ocorrência de Cybocephalus sp. (Coleoptera: Nitidulidae) predando espécies-praga de Diaspididae (Hemiptera), no estado de Alagoas. Neotropical Entomology, Londrina, v. 31, n. 1, p. 157-159, 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-566X2002000100022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ne/a/ZvhsLhGCgjmmmZQgDw6SJzP. Acesso em: 23 ago. 2021.

MAGGIOTTO, G. et al. (2019). Soil fauna community and ecosystem’s resilience: A food web approach. Acta Oecologica, v. 99, 103445, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.actao.2019.103445. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1146609X18302637. Acesso em: 25 ago. 2021.

MARGALEF, R. Información y diversidad específica em las comunidades de organismos. Investigación Pesquera, v. 3, p. 99-106, 1956.

MEDRI, I. M.; LOPES, J. Coleopterofauna em floresta e pastagem no Norte do Paraná, Brasil, coletada com armadilha de solo. Revista Brasileira de Zoologia, Curitiba, v. 18, Supl. 1, 125-133, 2001. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81752001000500010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbzool/a/LRDVVC9hmMmfwMWkp4LrDQL. Acesso em: 22 ago. 2021.

MEURER, E. et al. Scolytinae (Coleoptera, Curculionidae) associados a diferentes fitofisionomias no Pantanal de Cáceres, Mato Grosso. Acta Biológica Paranaense, Curitiba, v. 42, n. 3-4, p.195-210, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abpr.v42i1-4.35214. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/acta/article/view/35214. Acesso em: 27 ago. 2021.

MONNÉ, M. L.; COSTA, C. Coleoptera. In: Catálogo Taxonômico da Fauna do Brasil. PNUD, 2021. Disponível em: http://fauna.jbrj.gov.br/fauna/faunadobrasil/223. Acesso em: 23 ago. 2021.

PELLENS, R., GARAY, I. Edaphic microarthropod communities in fast-growing plantations of Eucalyptus grandis Hill ex Maid (Myrtaceae) and Acacia mangium Wild (Leguminosiaceae) in Brazil. European Journal of Soil Biology, France, v. 45, n. 2, 77-80, 1999. DOI: https://doi.org/10.1016/S1164-5563(99)00209-5. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1164556399002095?via%3Dihub. Acesso em: 26 ago. 2021.

PFIFFNER, L.; LUKA, H. Overwintering of arthropods in soils of arable fields and adjacent semi-natural habitats. Agriculture, Ecosystems & Environment, Netherlands, v. 78, n. 3, p. 215- 222, 2000. DOI: https://doi.org/10.1016/S0167-8809(99)00130-9. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0167880999001309?via%3Dihub. Acesso em: 25 ago. 2021.

PINTO, R. et al. Coleópteros coletados com armadilhas luminosas em plantio de Eucalyptus urophylla na região amazônica brasileira. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 111-119, 2004. DOI: https://doi.org/10.5902/198050981787. Disponível: https://periodicos.ufsm.br/cienciaflorestal/article/view/1787. Acesso em: 28 ago. 2021.

POWELL, G.; CLINE, A. Nitidulidae. In: Catálogo Taxonômico da fauna do Brasil. PNUD, 2021. Disponível em: http://fauna.jbrj.gov.br/fauna/faunadobrasil/167274. Acesso em: 21 Ago. 2021.

QUINTEIRO, T.; LOPES, J.; MARTINS, I. C. F. Diversidade de Carabidae (Coleoptera) amostrados em áreas de reflorestamento de mata ciliar e fragmento florestal, no Estado do Paraná. EntomoBrasilis, Vassouras, v. 5, n. 3, p. 217-222, 2012. DOI: https://doi.org/10.12741/ebrasilis.v5i3.255. Disponível em:

RAINHO, H. L. Scolytinae. In: Catálogo Taxonômico da Fauna do Brasil. PNUD, 2021. Disponível em: . Acesso em: 21 Ago. 2021.

ROCHA, J. R. M. et al. Dinâmica populacional de Bostrichidae, Platypodidae e Scolytidae (Coleoptera) em talhão de urograndis (Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis) no município de Cuiabá, estado de Mato Grosso. Revista de Agricultura, Piracicaba, v. 86, n. 3, p. 230-242, 2011. DOI: https://doi.org/10.37856/bja.v86i3.7. Disponível em: https://1library.org/document/zkedpp4z-populacional-bostrichidae-platypodidae-scolytidae-urograndis-eucalyptus-eucalyptus-municipio.html. Acesso em: 28 ago. 2021.

RODRIGUES, W. C. DivEs-Diversidade de Espécies-Software e guia do usuário. Seropédica: Entomologistas do Brasil. 2015. Disponível em: https://dives.ebras.bio.br. Acesso em: 21 ago. 2021.

SILVA, L. S. R. et al. Coleopterofauna em Eucalyptus spp. na região sudoeste da Bahia. In: PEREIRA, A. I. Z. (Ed). Coletânea nacional sobre entomologia 2. Ponta Grossa: Atena, 2020, p. 21-28.

SIQUEIRA, M. T. et al. Carabidae (Coleoptera, Insecta) no cultivo de tabaco em Santa Cruz do Sul, RS, Brasil. Revista Jovens Pesquisadores, Santa Cruz do Sul, v. 5, n. 2, p. 13-26, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rjp.v5i2.5747. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/jovenspesquisadores/article/view/5747. Acesso em: 26 ago. 2021.

SLIPINSKI, S. A.; LESCHEN, R. A. B.; LAWRENCE, J. F. Order Coleoptera Linnaeus, 1758. In: ZHANG, Z.-Q. (ed.). Animal biodiversity: an outline of higher-level classification and survey of taxonomic richness. Zootaxa, v. 3148, n. 1, p. 203–208, 2011. DOI: https://doi.org/10.11646/zootaxa.3148.1.39. Disponível em: https://www.biotaxa.org/Zootaxa/article/view/zootaxa.3148.1.39. Acesso em: 27 ago. 2021.

SUJII, E. R. et al. Controle de artrópodes-praga com insetos predadores. In: FONTES, E. M. G.; VALADARES-INGLI, M. C. (Eds). Controle biológico de pragas da agricultura. Brasília: Embrapa, 2020, p. 113-140.

TRIPLEHORN, C. A.; JOHNSON, N. F. Estudo dos insetos. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

VASCONCELLOS, R. L. F. et al. Soil macrofauna as an indicator of soil quality in an undisturbed riparian forest and recovering sites of different ages. European Journal of Soil Biology, France, v. 58, p. 105-112, 2013. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ejsobi.2013.07.001. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1164556313000642. Acesso em: 28 ago. 2021.

WU, P.; WANG, C. Differences in spatiotemporal dynamics between soil macrofauna and mesofauna communities in forest ecosystems: The significance for soil fauna diversity monitoring. Geoderma, Netherlands, v. 337, p. 266-272, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.geoderma.2018.09.031. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S001670611831187X. Acesso em: 28 ago. 2021.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id5172

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 263

Total de downloads do artigo: 100