Design da mascote Ana Terra do Projeto Solo na Escola/UFCG

Adriana de Fátima Meira Vital

ORCID iD Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Brasil

Vanessa dos Santos Gomes

ORCID iD Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Brasil

Diogo dos Santos Oliveira

Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Brasil

Ivson de Sousa Barbosa

Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Brasil

Resumo

A representação de uma marca usando mascotes é uma técnica bastante antiga e muito promissora. As mascotes fortalecem a identidade do produto ou serviço e a identificação das pessoas. O  presente estudo, de caráter exploratório, objetiva apresentar o processo de criação da mascote Ana Terra, do Projeto Solo na Escola/UFCG, para trabalhar a popularização do conhecimento do solo por meio de personalidades arquetípicas. A criação da mascote foi idealizada por um bolsista do projeto, tendo por base o perfil do Luvissolo, tipo de solo característico da região caririzeira do estado da Paraíba, descrito no Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Após a criação da personagem, foi realizada a escolha do nome da mascote e organizada a sua presença nas logomarcas de dois projetos de Educação em Solos conduzidos no Campus Sumé da Universidade Federal de Campina Grande, além da confecção da mascote em tecido para ser pintada com tinta de solo, a partir de amostras coletadas no perfil descrito no campus universitário. O estudo contribuiu também para revelar a importância do uso da mascote Ana Terra como marca do projeto, aumentando a eficácia da comunicação não verbal sobre solos, com todos os públicos.

Palavras-chave


Educação em solos; Identidade de marca; Mascote; Popularização do solo


Texto completo:

Referências


AAKER, D. A. Marcas: Brand Equity gerenciando o valor da marca. São Paulo: Negócio Editora, 1998.

BATISTA, R. F. Educação em solos e o ensino contextualizado com o Semiárido: percepções e abordagens. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnologia em Agroecologia) – Universidade Federal de Campina Grande, Sumé, PB, 2017. Disponível em: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/4955. Acesso em: 12 dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997. 90 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro04.pdf. Acesso em: 21 mar. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio): Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, DF: MEC/SEF, 2000. 141 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf. Acesso em: 21 mar. 2022.

BROWN, S. It's alive inside! A note on the prevalence of personification. Irish Marketing Review, v. 21, n. 1-2, p. 3-11, 2011. Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2015303. Acesso em: 17 mar. 2022.

CALLCOTT, M.; LEE, W. Establishing the spokes-character in academic inquiry: historical overview and framework for definition. Advances in Consumer Research, v. 22, p. 144-151, 1995. Disponível em: https://www.acrwebsite.org/volumes/7687. Acesso em: 19 mar. 2022.

CARDENUTO, R. M.; TRILHA, C. C. S.; PACHECO, F.; OLIVEIRA, M. M.; MACIEL, W. A. As atividades de extensão como compromisso social: um estudo de caso no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e na Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Gestão Universitária na América Latina-GUAL, Florianópolis, v. 10, n. 4, p. 134-156, Edição Especial 2017. DOI: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2017v10n4p134.

CIRINO, F. O.; MUGGLER, C. C.; CARDOSO, I. M. Sistematização participativa de cursos de capacitação em solos para professores da educação básica. Terrae Didática, v. 11, n. 1. p. 21-32, 2015. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v11i1.8637307.

COELHO, M. R.; SANTOS, H. G.; SILVA, E. F.; AGLIO, M. L. D. O recurso natural solo. In: MANZATTO, C. V.; FREITAS JUNIOR, E.; PERES, J. R. R. (ed.). Uso agrícola dos solos brasileiros. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2002. p. 1-11. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPS-2009-09/11063/1/uso_agricola_solos_brasileiros.pdf. Acesso em: 12 dez. 2020.

COLL, C. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.

COSTA, M. T.; FARIAS, M. T. C.; ALMEIDA, S. C. D. Perspectivas da educação ambiental na fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 200-213, 2014. DOI: https://doi.org/10.34024/revbea.2014.v9.1768.

CRUZ, A. P. G. O impacto das mascotes no consumo infantil de produtos alimentares. 2012. Dissertação (Mestrado em Marketing) – Instituto Superior de Contabilidade e Administração, Universidade de Aveiro, Aveiro, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/10773/11026. Acesso em: 12 dez. 2020.

FAVARIM, L. C. Representações sociais de solo e educação ambiental nas séries iniciais do ensino fundamental em Pato Branco - PR. 2012. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2012. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/414. Acesso em: 12 dez. 2020.

GERMANO, M. G.; KULESZA, W. A. Popularização da Ciência: uma revisão conceitual. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 24, n. 1, p. 7-25. 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/1546. Acesso em: 13 dez. 2020.

HERNÁNDEZ, F.; VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

HIGGS, R.; MEDEIROS, C.; PEREIRA, F. C. As mascotes na publicidade a alimentos para crianças. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 5., 2007, Braga. Comunicação e Cidadania - Actas (...). Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho), 2008. p. 852-865. Disponível em: http://www.lasics.uminho.pt/ojs/index.php/5sopcom/article/download/76/198. Acesso em: 11 dez. 2021.

LEPSCH, I. F. Formação e conservação dos solos. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

LIMA, V. C.; LIMA, M. R.; MELO, V. F. (ed.). O solo no meio ambiente: abordagem para professores do ensino fundamental e médio e alunos do ensino médio. Curitiba: Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, 2007. 130 p. Disponível em: https://hdl.handle.net/1884/67899. Acesso em: 10 dez. 2020.

LOOMIS, A. Successful Drawing. Nova York: Viking Books, 1951.

MCCLOUD, S. Making comics. Nova York: Harper Collins, 2011.

MIGUEL, R. Guia Rápido: Design de Mascotes. Teresópolis: 2AB, 2012.

MONTIGNEAUX, N. Les marques parlent aux enfants: grâce aux personnages imaginaires. Paris: Editions d’Organisation, 2002.

MORA, A. M. S. A divulgação da ciência como literatura. Tradução: Silvia Perez Amato. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, UFRJ, 2003.

MUGGLER, C. C.; PINTO SOBRINHO, F. A.; MACHADO, V. A. Educação em solos: princípios, teoria e métodos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 30, n. 4, p. 733-740, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832006000400014.

MUNSELL SOIL COLOR COMPANY. Munsell soil color charts. Baltimore: Munsell color, Macbeth Division of Kollmorgen Corporation, 1973.

NOVAK, J.; LEVY, L. Play the game: the parent’s guide to video games. Nova York: Course Technology, 2007.

PEREZ, C. Signos da marca: expressividade e sensorialidade. São Paulo: Thomson Learning, 2004.

PEREZ, C. Mascotes: semiótica da vida imaginária. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

SANTOS, H. G.; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C.; OLIVEIRA, V. A.; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A.; ARAÚJO FILHO, J. C.; OLIVEIRA, J. B.; CUNHA, T. J. F. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa, 2018. Disponível em:

https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/199517/1/SiBCS-2018-ISBN-9788570358004.pdf. Acesso em: 11 dez. 2021.

SARAIVA, J. L. Papel da extensão universitária na formação de estudantes e professores. Brasília Médica, Brasília, v. 44, n. 3, p. 220-225, 2007. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-496083. Acesso em: 11 dez. 2021.

SOARES, K. I.; MANFROI, J. Personagens ilustrados: criação para uso na comunicação empresarial. Revista Philologus, Rio de Janeiro, ano 19, n. 55 supl., p. 580-596, jan./abr. 2013. Disponível em: http://www.filologia.org.br/rph/ANO19/55SUP/047.pdf. Acesso em: 10 dez. 2020.

TIERNO, G. Pegadas reflexivas acerca da arte de contar histórias: a teia do invisível. In: TIERNO, G. A arte de contar histórias: abordagens poética, literária e performática. São Paulo: Ícone, 2010. p. 13-35.

VAN NISTELROOIJ, E. Face it, your brands personality needs a logo. Unpublished thesis. 2012.

ZAIDAN, T. E. As crianças como prospects: a comunicação mercadológica voltada para o segmento infanto-juvenil. Revista Electrónica de Comunicação, v. 5, n. 1, p. 1-9. 2010. Disponível em: https://periodicos.unifacef.com.br/index.php/rec/article/view/459. Acesso em: 12 dez. 2020.

ZAMMITTO, V. The expressions of colours. In: DiGRA INTERNATIONAL CONFERENCE: CHANGING VIEWS: WORLDS IN PLAY, 2005, Vancouver. Proceedings (...). Vancouver: DiGRA Conference DBL, 2005. Disponível em: http://www.digra.org/digital-library/publications/the-expressions-of-colours/. Acesso em: 12 dez. 2020.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-0306a2021id4553

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 360

Total de downloads do artigo: 228