A tecnologia Enhaced Geothermal System (EGS) e sua aplicação na exploração de gás de xisto no Brasil - uma revisão

Vitor Mascarenhas Péres

ORCID iD Universidade Federal da Bahia (UFBA) Brasil

Leonardo Almeida da Silva

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) Brasil

Tássia Cristina Bastos de Jesus

Universidade Federal da Bahia (UFBA) Brasil

Thamires de Oliveira Barreto

Universidade Federal da Bahia (UFBA) Brasil

Resumo

À medida que a demanda por energia se torna cada vez maior, faz-se necessário explorar novas alternativas para suprila. Nesse contexto, estão o gás de xisto – que revolucionou o mercado energético americano e que é extraído por meio do fraturamento hidráulico (fracking) – e a tecnologia Enhaced Geothermal System (EGS) – sistemas geotérmicos que geram energia elétrica e que também utilizam o fraturamento hidráulico. Por meio de revisões bibliográficas, dados de sites de notícia e artigos científicos sobre os dois temas, este artigo procurou abordar a possibilidade e a viabilidade de desenvolvê-los, de forma conjunta, no Brasil. O país apresentou, assim, três áreas com potencial para desenvolver as duas tecnologias: a Bacia do Parecis, no Planalto Central; a Bacia do Paraná, na região Sul do país; e a Bacia SergipeAlagoas, no Nordeste Setentrional. Entretanto, os impactos ambientais dos fraturamentos hidráulicos ainda têm dimensões desconhecidas, sendo possível citar sismos, contaminação de aquíferos como consequência de um possível vazamento de gás e a captação dos grandes volumes de água necessários para fraturamento do xisto. Concluiu-se, assim, que se faz necessário desenvolver mais estudos sobre a viabilidade de desenvolvimento das duas tecnologias nos locais sugeridos e sobre os possíveis impactos ambientais associados.

Palavras-chave


Brasil; EGS; Energia geotérmica; Fracking; Gás de xisto


Texto completo:

Referências


ABIAPE. Usina a fio d’água amplia desafios. Roberto Rockmann. 2014. Disponível em: http://www.abiape.com.br/imprensa/noticias-do-setor/139-noticia-energia/554-usina-a-fio-d-agua-ampliadesafios.html. Acesso em: 11 jul. 2015.

ABREU, S. M. A exploração do gás de xisto e a ameaça ambiental: Discurso e poder no sistema energético. REBELA – Revista

Brasileira de Estudos Latino-Americanos, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 240-249, fev. 2014.

ALTAROCK. Enhanced geothermal systems (egs). 2014. Disponível em: http://altarockenergy.com/technology/enhanced-geothermalsystems/. Acesso em: 9 jul. 2015.

GOMES, A. P. P. Ambiental da Água Produzida na Indústria de Petróleo: Melhores Práticas e Experiências Internacionais. 2014. 120 F. Dissertação (Mestrado em Planejamento Energético)–Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Rio de Janeiro, 2014.

ANP. Reservas Brasileiras de Gás Convencional e Potencial para Gás Não-Convencional. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/seminario/Seminario_Gas_Nao_Convencional/olavo_colela_anp.pdf> Acesso em: 15 jul. 2015.

ARBOIT, N. K. S. et al. Potencialidade de utilização da energia geotérmica no brasil – uma revisão de literatura. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 26, p. 155-168, dez. 2013.

BAPTISTA, R.; CARDOSO, F. de O. Estudo ambiental da utilização do coque de petróleo na cogeração de energia elétrica em comparação com o carvão mineral. Revista Científica Integrada da UNAERP, v. 3, p. 1-11, 2013.

BARBOSA, V. Brasil tem uma das 10 maiores reservas de gás de xisto. Exame Info, abr. 2014. Disponível em: http://exame.abril.com.br/economia/brasil-tem-uma-das-10-maiores-reservasde-gas-de-xisto/. Acesso em: 10 jul. 2015.

BEASLEY, C. et al. Minig Heat – Exploiting Geothermal Energy. Oilfield Review, Chester, v. 21, n. 4, winter, 2010.

BIELLO, D. Fracking Could Help Geothermal Become a Power Player. Scientific American. 2013. Disponível em: http://www.scientificamerican.com/article/fracking-forrenewable-power-geothermal/. Acesso em: 10 jul. 2015.

BRASIL. Lei n. Lei 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9433.htm> Acesso em: 15. jul. 2015.

CODAY, B. D.; XU, P.; BEAUDRY, E. G.; HERRON, J.; LAMPI, K.; HANCOCK, N. T.; CATH, T. Y. The sweet spot of forward osmosis: Treatment of produced water, drilling wastewater and other complex and difficult liquid streams. Desalination, v. 333, p. 23-35, 2014.

COLORADO - Geothermal. Latent Semantic Analysis, 1998. Disponível em: http://lsa.colorado.edu/essence/texts/geothermal.html. Acesso em: 11 jul. 2015.

COOLEY, H.; DONNELY, C. Hydraulic Fracturing and Water Resources: Separating the Frack from the Fiction. 1. ed. California: Pacific Institute, 2012.

DEI, THE ROYAL SOCIETY & THE ROYAL SOCIETY OF ENGINEERING/UK. Shale gas extraction in the UK: a review of hydraulic fracturing. UK, jun. 2012.

DICKSON, M.; FANELLI, M. What is Geothermal Energy? International Geothermal Association. Istituto di Geoscienze e Georisorse, CNR , Pisa, Italy, 2004.

ENVI. Public Health and Food Safety. Impacts of shale gas and shale oil extraction on the environment and on human health. European Union, 2011. Disponível em: http://europeecologie.eu/IMG/pdf/shale-gas-pe-464-425-final.pdf Acesso em: 15 jul. 2015.

EPA/US – Environmental Protection Agency. Plan to Study the Potential Impacts of Hydraulic Fracturing on Drinking Water Resources. Washington, DC: Office of Research and Development, 2011. Disponível em: http://www.epa.gov/hfstudy/HF_Study__Plan_110211_FINAL_508.pdf. Acesso em: 15 jul. 2015.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética. Contexto Mundial e Preço do Petróleo: Uma visão a longo prazo. Rio de Janeiro: 2013.

FIGUEREDO, K. S. L.; MARTÍNEZ-HUITLE, C. A.; TEIXEIRA, A. B. R.; PINHO, A. L. S.; VIVACQUA, C. A.; SILVA, D. R. Study of produced water using hydrochemestry and multivariate statistics in different productions zones of mature fields in the Potiguar Basin – Brazil. Journal of Petroleum Science and Engineering, v. 116, p. 109-114, 2014.

GARAPATI, N.; RANDOLPH, J. B.; SAAR, M. O. Superheating of Low-Temperature Geothermal Working Fluids to Boost Electricity Production: Comparison between Water and CO2 Systems. Proceedings, Fortieth workshop on geothermal reservoir engineering. Stanford University, Stanford, California, 2015.

GEOFISICA, BRASIL. Os riscos sísmicos associados à energia geotérmica. 2013. Disponível em: http://geofisicabrasil.com/geofisicabasica/5322-os-riscos-sismicos-associados-a-energiageotermica.html. Acesso em: 9 jul. 2015.

GOMES 2014 - GOMES, A. P. P. Gestão Ambiental da Água Produzida na Indústria de Petróleo: Melhores Práticas e Experiências Internacionais. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Março de 2014.

GWPC – Ground Water Protection Council; ALL Consulting. Modern Shale Gas Development in the United States: A Primer, 2009. Disponível em: http://www.allllc.com/publicdownloads/ShaleGasPrimer2009.pdf Acesso em: 15 jun. 2015.

ISENMANN, A. Fracking. Centro Federal de Educação Tecnológica – Campus Timóteo, Minas Gerais, 2014. Disponível em: http://docplayer.com.br/7378637-Fracking-centro-federal-de-educacaotecnologica-de-minas-gerais-campus-timoteodisciplina-processos-industriais-modulo-petroleoe-gas-natural.html. Acesso em: 10 jul. 2015.

LEMOINE, G. Approche comparée de fracturation hydrauliquepour l’exploitation des hydrocarbures de roche-mèreet la stimulation de réservoirs géothermiques. Kartuzy (POLOGNE), 2013.

Matriz de Energia Elétrica. ANEEL. sine datum. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/OperacaoCapacidadeBrasil.cfm> Acesso em: 11 jul. 2015.

Matriz energética de 2016 terá maior participação das energias renováveis. Infraestrutura – Ministério de Minas e Energia (MME) – Governo brasileiro. 2016. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/infraestrutura/2016/05/matriz-energetica-de2016-tera-maior-participacao-das-energiasrenovaveis. Acesso em: 10 jul. 2016.

MCCLURE, S. EGS Designs with Horizontal Wells, Multiple Stages, and Proppant. The University of Texas at Austin. Stanford University, Stanford, California, 2014.

MEIER, P. M.; RODRIGUEZ, A. A.; BETHMANN, F. Lessons Learned from Basel: New EGS Projects in Switzerland Using Multistage Stimulation and a Probabilistic Traffic Light System for the Reduction of Seismic Risk. Melbourne, Australia. 2015.

MITRACO SURYA. Flash Steam Geothermal Power Plants. s. d. Disponível em: http://mitraco-surya.com/contents/geothermal/techniques/flash-steamgeothermal-power-plants/. Acesso em: 9 jul. 2015.

Ministério do Planejamento. Brasil é o 4º maior produtor de energia renovável do mundo, 2014. Disponível em: http://www.pac.gov.br/noticia/3c67e495. Acesso em: 10 jul. 2016. Acesso em: 11 jul. 2015.

NICOT, J.; SCANLON, B. Water Use for ShaleGas Production in Texas, U.S. Environmental Science & Technology. The University of Texas, Austin, Estados Unidos, 2012.

OLIVEIRA, V. Caracterização de Reservatórios Não Convencionais/ Tight Gas. Universidade Federal Fluminense. Niterói, Rio de Janeiro. 2014.

ONUBR. Brasil é um dos dez maiores investidores em energia renovável do mundo, aponta relatório do PNUMA, 2016. Disponível em: https://nacoesunidas.org/brasil-e-um-dos-dez-maioresinvestidores-em-energia-renovavel-do-mundo-apontarelatorio-do-pnuma/. Acesso em: 10 jul. 2016.

PAC – Ministério do Planejamento. Brasil é o 4º maior produtor de energia renovável do mundo, 2014. Disponível em: http://www.pac.gov.br/noticia/3c67e495> Acesso em: 10 jul. 2016.

PENSAMENTO VERDE. Ceará possui a primeira usina de ondas da América Latina, jun. 2014.Disponível em: http://www.pensamentoverde.com.br/economia-verde/ceara-possui-primeira-usina-deondas-da-america-latina/# Acesso em: 10 jul. 2016.

PEREIRA, S. et al. Uso da Água na Geração de Energia Geotérmica no Brasil a partir de Modelo de Aproximação para o Transporte de Calor.

RBRH – Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 18, n.4, p 125-136, out/dez. 2013.

PINI, Produção de eletricidade a partir da geotermia: um mercado em transformação. 2015. Disponível em: http://blogs.pini.com.br/posts/tecnologia-sustentabilidade/producao-deeletricidade-a-partir-da-geotermia-um-mercadoem-356316-1.aspx. Acesso em: 9 jul. 2015.

PRESS, F. et al. Para Entender a Terra. 4. ed. São Paulo: Editora Bookman, 2006. 656 p.

RAMOS, C. O futuro da energia no Brasil é renovável. ESTADÃO. São Paulo. 2015. Disponível em: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,o-futuro-da-energia-no-brasil-e-renovavelimp-,1630359. Acesso em: 10 jul. 2015.

Redução do preço da energia elétrica é uma vitória do consumidor, diz Padovani. PSC. 2003. Disponível em: http://www.psc.org.br/comunicacao-psc/psc-na-midia/730-partidosconseguem-adiar-votacao-da-reforma-politicapor-duas-semanas. Acesso em: 11 jul. 2015.

SIDER, A.; GOLD, R.; LEFEBVRE, B. Reciclar água do ‘fracking’ vira bom negócio. The Wall Street Journal, nov. 2012. Disponível em: http://br.wsj.com/articles/SB10001424127887324851704578135323300690696. Acesso em: 15 jun. 2015.

SUMI, L. Shale gas: focus on Marcellus shale. Report for the Oil & Gas Accountability Projetc/Earthworks, 2008.

UK. Shale gas extraction in the UK: a review of hydraulic fracturing. The royal society & the royal society of engineering/uk, jun. 2012. Diponível em: http://www.raeng.org.uk/publications/reports/shalegas-extraction-in-the-uk. Acesso em: 9 jul. 2015.

USDOE. Electricity Generation, 2010. Disponível em: http://energy.gov/eere/geothermal/electricity-generation. Acesso em: 9 jul. 2015.

USDOE. Top 10 Things You Didn’t Know about Enhanced Geothermal Systems. 2015. Disponível em: http://energy.gov/articles/top-10-things-you-didnt-know-about-enhancedgeothermal-systems. Acesso em: 9 jul. 2015.

ZHANG, Y. et al. Microholes for Improved Heat Extraction from Egs Reservoirs: Numerical Evaluation. Lawrence Berkeley National Laboratory. Stanford University, Stanford, California, 2012


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n31p13-21

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 3085

Total de downloads do artigo: 2085