Análises físico-químicas e microbiológicas de águas de pré e pós-tratamento na cidade de Jundiaí-SP

Giorgia Ariani Lujan Coyado

Universidade Paulista (UNIP), campus Jundiaí Brasil

Gustavo Henrique Gonçalves

Universidade Paulista (UNIP), campus Jundiaí Brasil

Claudia de Moura

Universidade Paulista (UNIP), campus Jundiaí Brasil

Danilo Balthazar-Silva

ORCID iD Universidade Paulista (UNIP), campus Jundiaí Brasil

Ana Beatriz Carollo Rocha-Lima

ORCID iD Universidade Paulista (UNIP), campus Jundiaí Brasil

Resumo

O objetivo do presente estudo foi avaliar a qualidade das águas pré-tratamento (in natura) e pós-tratamento na cidade de Jundiaí-SP, bem como avaliar a eficácia do tratamento de água do município. Foram avaliados três pontos amostrais: a nascente do Rio Jundiaí-Mirim (p1), a represa de acumulação, localizada no Parque da Cidade (p2), e a água pós-tratamento de torneira da rede de distribuição (p3). A avaliação dos parâmetros físico-químicos (oxigênio dissolvido-OD, potencial hidrogeniônico-pH, ortofosfato- , nitrito- , nitrato- , amônia-NH3, turbidez e temperatura) e microbiológicos (coliformes termotolerantes-CT) foi realizada através do uso do Ecokit II da Alfakit®. Foram observadas inconformidades apenas em relação ao parâmetro microbiológico: p1 apresentou 2,2 x 103 UFC/mL e p2, 1,8 x 103 UFC/mL; a Resolução CONAMA nº 357/05 estabelece até 2 x 102 UFC/mL para a classe I. A água de torneira encontra-se em conformidade com os valores de referência estabelecidos pela Portaria nº 2914/11 do Ministério da Saúde. Os métodos utilizados foram eficazes para atestar a boa qualidade da água após o rigoroso tratamento feito pela empresa DAE, no entanto são sugeridos estudos adicionais para identificação de possíveis contaminantes na região.

Palavras-chave


Poluição; Coliformes; Saneamento Ambiental; Recursos Hídricos


Texto completo:

Referências


ALMEIDA, P. G. C. S.; SALA, M. E. Avaliação preliminar e espacialização cartográfica da qualidade das águas do Córrego Forquilha e do Ribeirão dos Cocos por meio do uso do Ecokit. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, n. 17. 2007, São Paulo. Anais[...]. São Paulo: ABRHidro, 2007. Disponível em: https://abrh.s3.sa-east-1.amazonaws.com/Sumarios/19/19273ce901260601f203bc242ce14c41_985c3313f9a5a14a03da3e0b7ad53d9b.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

BRASIL. Lei n. 9.984, de 17 de julho de 2000. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de Águas - ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9984.htm. Acesso em: 23 mar. 2018.

BRASIL. Lei n.12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm. Acesso em: 23 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html. Acesso em: 23 mar. 2018.

CONAMA. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Brasília, DF: Conama, 2005. Disponível em: http://pnqa.ana.gov.br/Publicacao/RESOLUCAO_CONAMA_n_357.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

CBH – PCJ. Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Situação dos Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí UGRHI 5. Relatório Técnico Final. São Paulo: CETEC, 2017, v.1. Disponível em: http://www.agenciapcj.org.br/antigo/download/RSituacao-PCJ-Vol-1.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

CUNHA, A.; LIMA, D. C. I.; BRITO, P. N. F.; CUNHA, A. C.; SILVEIRA-JUNIOR, A. M; BRITO, D. C. Qualidade físico-química e microbiológica de água mineral e padrões da legislação. Revista Ambiente e Água, Taubaté, v. 7, n. 3, p. 155-165, dez. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.908. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1980-993X2012000300013&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 mar. 2018.

DAE – Jundiaí Departamento de Água e Esgoto de Jundiaí. Diagnóstico Agroambiental: Resumo para o projeto de gestão e monitoramento da bacia hidrográfica do rio Jundiaí-Mirim. Jundiaí [s.n.] 2017. Disponível em: . Acesso em 23 mar 2018.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuárias. Análise do impacto da bovinocultura sobre a qualidade da água. Embrapa Cerrados. Brasília: Embrapa, 2011. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/3665/analise-do-impacto-da-bovinocultura-sobre-a-qualidade-da-agua. Acesso em: 23 mar. 2018.

FERREIRA, M.; BUENO, P. S. S.; SOUZA, M. A.; GONÇALVES-JÚNIOR, A. F.; SANTOS-FILHO, E. X. Avaliação Físico-Química e Microbiológica da Água Disponível para Consumo humano nos bebedouros e torneiras da faculdade de Montes Belos em São Luís de Montes Belos – GO. Montes Belos: [s.n.], [2017]. Disponível em: http://faculdademontesbelos.com.br/wp-content/uploads/2017/11/AVALIACAO_FISICO_QUIMICA_E_MICROBIOLOGICA_DA_AGUA_DISPONIVEL_PARA_CONSUMO_HUMANO_NOS_BEBEDOUROS_E_TORNEIRAS_DA_FACULDADE_MONTES_BELOS_EM_SAO_LUIS_DE_MONTES_BELOS.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

GOOGLE MAPS. Av. Maria Negrini Negro, Jundiaí – SP: [2019] 1 imagem de satélite, color, 3D. Airbus Digital Globe/Google. Lat. 23°07'15.3"S, 46°49'23.0"W. Disponível em: https://www.google.com.br/maps/place/23%C2%B007'15.3%22S+46%C2%B049'23.0%22W/@-23.120913,-46.8239322,288m/data=!3m2!1e3!4b1!4m14!1m7!3m6!1s0x94cf27f6799c1f9b:0xa1d983f07b7704e7!2sAv.+Maria+Negrini+Negro,+Jundia%C3%AD+-+SP!3b1!8m2!3d-23.1323186!4d-46.8271887!3m5!1s0x0:0x0!7e2!8m2!3d-23.120915!4d-46.8230587. Acesso em: 12 fev. 2019.

GOOGLE MAPS. Pinheirinho/Represa, Jundiaí – SP: [2019] 1 imagem de satélite, color, 3D. Airbus Digital Globe/Google. Lat. 23°09'15.9"S 46°53'26.9"W. Disponível em: https://www.google.com.br/maps/place/Pinheirinho%2FRepresa/@-23.1492795,-46.8909048,1441m/data=!3m2!1e3!4b1!4m8!1m2!2m1!1srepresa+jundia%C3%AD!3m4!1s0x94cf261711c69839:0x631342a3c1ab296b!8m2!3d-23.1494696!4d-46.8864686. Acesso em: 12 fev. 2019.

HERMES, L. C. Guia prático para a caracterização e priorização de comunidades quanto ao manejo sustentável dos recursos hídricos locais, com ênfase na dessalinização de água salobra. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2007. Disponível em: http://www.cnpma.embrapa.br/download/documentos_60.pdf. Acesso em: 12 fev. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População do último censo em Jundiaí. [S.l.: s.n.], 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/jundiai/panorama. Acesso em: 23 mar. 2018.

MAIA NETO, C. F. M. Água: direito humano fundamental máximo. Proteção jurídica ambiental, responsabilidade pública e dever da cidadania. VERBA JURIS, ano 7, n. 7, p. 323-352, 2008. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/vj/article/download/14892/8451. Acesso em: 12 fev. 2019.

MARINHO, W. L. M; LOPES-DA-SILVA, A.; MEDEIROS-BRAGA, N.; SILVA ARAÚJO, S. J.; OLIVEIRA, U. G.; COUTINHO, R. M. P. Análise Físico-Química e Microbiológica da Água tratada na Cidade de Marabá-Pará. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE QUÍMICA, 56., 2016, Belém, PA. Anais[...]. Belém: ABQ, 2016. Disponível em: http://www.abq.org.br/cbq/2016/index.html. Acesso em: 23 mar. 2018.

MORAES, D. S. L.; JORDÃO, B. Q. Degradação de recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 370-374, 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000300018Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102002000300018&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 fev. 2019.

OLIVEIRA-FILHO, A. D.; ALMEIDA, R. D.; MELLO, J. D.; GAVILANES, M. L. Estrutura fitossociológica e variáveis ambientais em um trecho da mata ciliar do córrego dos Vilas Boas, Reserva Biológica do Poço Bonito, Lavras (MG). Revista Brasileira de Botânica, v. 17, n. 1, p. 67-85, 1994.

PALMA, D. A. Monitoramento de qualidade da água com o enfoque ciência cidadã: estudo de caso em Brazlândia/DF. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Ambiental) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016. Disponível em: http://bdm.unb.br/handle/10483/16961. Acesso em: 23 mar. 2018.

PORTAL TRATAMENTO DE ÁGUA. Jundiaí/SP amplia em 1 bilhão de litros a reservação de água. São Paulo: [s.n.], 2018. Disponível em: https://www.tratamentodeagua.com.br/jundiai-reservacao-agua/. Acesso em: 12 fev. 2019.

PREFEITURA DE JUNDIAÍ. O Parque da Cidade. Jundiaí: [s.n.], 2019. Disponível em: https://parquedacidade.jundiai.sp.gov.br/o-parque-da-cidade/. Acesso em: 12 fev. 2019.

QUEIROZ, B. P. V.; BERRO, E. C. Avaliação ambiental de um córrego urbano na cidade de Americana–SP. Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v. 8, n. 1, p. 03-16, 2011.

SILVA, A. J. S. Reflexões e desafios à gestão participativa das águas no Pará: a experiência do CERH no período de 2007 a 2013. 2014. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) –Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2014. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/bitstream/2011/7474/1/Dissertacao_ReflexoesDesafiosGestao.pdf. Acesso em: 12 fev. 2019.

WHATELY, M.; CUNHA, P. Cantareira 2006: um olhar sobre o maior manancial de água da Região Metropolitana de São Paulo. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2007. Disponível em: https://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/10289.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Progress on drinking water, sanitation and hygiene: 2017 update and SDG baselines. Geneva: WHO: UNICEF, 2017. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/258617/9789241512893-eng.pdf. Acesso em: 12 fev. 2019.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n45p200-207

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1395

Total de downloads do artigo: 863