Um diagnóstico sobre a adoção de sistemas de informação nas atividades dos artesãos da Paraíba

Izabele Cristina Linhares de Ariete

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Adriana Moura Beserra de Santana

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Madony Araújo Lima

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Viviane Rodrigues da Silva

ORCID iD Centro Integrado de Tecnologia e Pesquisa Brasil

Ramon Leonn Victor Medeiros

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Resumo

Os sistemas de informação têm grande importância para apoiar os processos de qualquer negócio, estabelecendo controle nas operações e auxiliando na tomada de decisão. Dentro desse âmbito, este estudo visa contribuir com o pressuposto de que o empreendedor artesão deve utilizar sistemas de informação para ter mais controle sobre as suas atividades. Assim, o objetivo é diagnosticar a gestão da informação dos microempreendedores artesãos do estado da Paraíba. Quanto à estratégia metodológica, foram aplicados questionários com artesãos que estiveram presentes no XXIII Salão de Artesanato da Paraíba. A pesquisa permitiu a constatação de que a maioria dos artesãos não possui qualificação para utilização de meios digitais, sendo necessária uma educação digital. É imprescindível, também, oferecer meios para o acesso à informação e às ferramentas que auxiliem na gestão dos empreendimentos, mesmo que de forma simplificada, melhorando, assim, o desempenho das atividades cotidianas destes artesãos.

Palavras-chave


Sistema de informação; Artesão; Empreendedor; Inclusão digital; Tecnologia


Texto completo:

Referências


BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio e Serviços. Programa do Artesanato Brasileiro (PAB). Brasília, DF: 2010.

DELORS, J. Educação um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Brasília: MEC; UNESCO, 1998.

LAUDON, K.; LAUDON, J. Sistemas de informação gerenciais. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

O’BRIEN J. A.; MARAKAS G. M. Administração de Sistemas de Informação. 15. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

OLIVEIRA, D. de P. R. de. Sistemas de Informações Gerenciais. São Paulo: Atlas, 2009.

PORTAL BRASIL. Governo promove evento para estimular as micro e pequenas empresas. 2014. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2014/02/governo-promove-evento-para-estimular-as-micro-e-pequenas-empresas. Acesso em: 18 out. 2015.

PORTAL DO EMPREENDEDOR - MEI. O que é ser um MEI? [2018?]. Disponível em: http://www.portaldoempreendedor.gov.br/temas/quero-ser/formalize-se/O-que-e-ser-um-mei/. Acesso em: 23 nov. 2015.

PRETTO, N. Escola sem/com futuro. Campinas: Papirus, 1996. p 99.

QUARESMA, H. M. N. Inclusão Digital e Serviços de Acesso à Informação para Deficientes Visuais: A situação das bibliotecas da Universidade de Coimbra. 2014. Dissertação (Mestrado em Informação, Comunicação e Novos Media) – Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2014.

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Como saber qual o enquadramento tributário para minha empresa. Brasília: Sebrae, 2019. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/ap/artigos/como-saber-qual-o-enquadramento-tributario-para-minha-empresa,2ae2ace85e4ef510VgnVCM1000004c00210aRCRD. Acesso em: 21 jun. 2019.

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Artesão pode formalizar atividade como MEI, Brasília: Sebrae, 2019. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/artesao-pode-formalizar-atividade-como-mei,b4298b88ba73e410VgnVCM1000003b74010aRCRD. Acesso em: 21 jun. 2019

SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software. 8 ed. São Paulo: Pearson Addison-Wesley, 2007.

STAIR, R M.; REYNOLDS, G W. Princípios de Sistemas de Informação. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n45p140-149

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1063

Total de downloads do artigo: 675