Caminhos de enfrentamento das arboviroses na Paraíba: a governança na 6ª Gerência Regional de Saúde

Ayalla Cândido Freire

Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Brasil

Felipe César Silva Brito

Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Brasil

Adriele Mercia Souza de Assis

Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Brasil

Mayara Santiago Monteiro

Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Brasil

Francisca Mikaely Pacheco da Silva

Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Brasil

Resumo

A sociedade brasileira tem enfrentado, desde o ano de 2015, um grande surto das chamadas arboviroses, causadas pelo mosquito Aedes aegypti. Desde então, inúmeros estudos procuram alternativas de ação nos âmbitos da saúde pública, da educação e das demais determinantes sociais do problema. Esta pesquisa está voltada para a análise da governança regional em redes de atores para o enfrentamento das arboviroses, com foco na rede da 6ª Gerência Regional de Saúde do estado da Paraíba. A articulação entre os diferentes atores envolvidos na problemática é fundamental para a redução dos efeitos da tríplice epidemia, utilizando mecanismos de governança. A partir da análise documental e da realização de entrevistas com diferentes atores da rede, foi possível descrever os mecanismos de governança adotados e os gargalos para a expansão da articulação e da ação cooperada para o enfrentamento das arboviroses. Pôde-se concluir que estratégias de enfrentamento importantes têm sido elaboradas nos municípios, entretanto os meios de articulação entre eles ainda são frágeis. Destaca-se ainda a existência de problemas técnicos, operacionais e estruturais que dificultam a efetividade das ações de enfrentamento, o que aponta as demandas mais urgentes em termos de governança.

Palavras-chave


Governança; Redes de políticas públicas; Arboviroses; Paraíba


Texto completo:

Referências


BRASIL. Decreto nº 8.612 de 21 de dezembro de 2015. Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/decreto/D8612.htm (acesso em 09 jun. 2019).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Nota Técnica: ações da atenção básica visando ao enfrentamento do Aedes aegypti. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015b. Disponível em: http://combateaedes.saude.gov.br/pt/plano-nacional. Acesso em: 12 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico: monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 15, 2017. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sala Nacional de Coordenação e Controle. Brasília, DF,: Ministério da Saúde, 2017b. Disponível em: http://combateaedes.saude.gov.br/pt/sala-de-situacao. Acesso em: 12 jan. 2017.

CERQUEIRA, S. C.; ROCHA, M. D.; TEIXEIRA, C. F. Planejamento municipal em saúde: o caso da secretaria municipal de saúde de Salvador. In: TEIXEIRA, C. F. (org.). Planejamento em saúde: conceitos, métodos e experiências. Salvador: EDUFBA, 2010. Cap. 4, p. 77-94.

CHAGAS, A. A. P.; PINHEIRO, M. C. M.; JUNQUEIRA, M. G.; CARVALHO, M. S.; CARVALHO, T. M. Os municípios na linha de frente. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS [recurso eletrônico]. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. p. 111-117.

COSTA, A. M. A determinação social da microcefalia/zika no Brasil. Waterlat-Gobacit Network Working Papers: Structural inequality and microcephaly: the social determination of an epidemic, Newcastle upon Tyne, Buenos Aires, and Recife, v. 3, n. 9, p. 44-61, Dec. 2016.

DENHARDT, R. B. Teorias da administração pública. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

DENZIN, N. K.; LINCON, Y. S. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCON, Y. S. (orgs.). Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FIOCRUZ – FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030: diretrizes para a prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro. Rio de Janeiro: Fiocruz; Ipea; Ministério da Saúde; Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006.

GURGEL, A. M.; GUEDES, C. A.; LAVOR, A. C. Enfoques ecossistêmicos para o enfrentamento das arboviroses: construindo um modelo possível de controle vetorial sem o uso de venenos. Waterlat-Gobacit Network Working Papers: Structural inequality and microcephaly: the social determination of an epidemic, Newcastle upon Tyne, Buenos Aires, and Recife, v. 3, n. 9, p. 83-97, Dec. 2016.

GURGEL, I. G. D. Controle de doenças transmitidas por vetores: um contrassenso na saúde coletiva. Waterlat-Gobacit Network Working Papers: Structural inequality and microcephaly: the social determination of an epidemic, Newcastle upon Tyne, Buenos Aires, and Recife, v. 3, n. 9, p. 68-82, Dec. 2016.

JESUS, W. L. A.; TEIXEIRA, C. F. Planejamento estadual em saúde: o caso da secretaria de saúde do estado da Bahia. In: TEIXEIRA, C. F. (org.). Planejamento em saúde: conceitos, métodos e experiências. Salvador: EDUFBA, 2010. Cap. 5, p. 95-116.

KISSLER, L.; HEIDEMANN, F. G. Governança pública: novo modelo regulatório para as relações entre Estado, mercado e sociedade? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, p. 479-499, maio/jun. 2006.

KLIJN, E.-H. Policy Networks: An Overview. In: KICKERT, W. J. M.; KLIJN, E.-H.; KOPPENJAN, J. F. (eds.). Managing Complex Networks: Strategies for the Public Sector. London: Sage, 1998. p. 14-34.

MOURA, J. T. V.; SILVA, M. K. Atores sociais em espaços de ampliação da democracia: as redes sociais em perspectiva. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 16, número suplementar, p. 43-54, ago. 2008.

OLIVEIRA, N. A. Gestão, articulação e mobilização. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS [recurso eletrônico]. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. p. 57-64.

PAIM, J. S.; TEIXEIRA, C. F. Política, planejamento e gestão em saúde: balanço do estado da arte. Revista de Saúde Pública, v. 40, n. especial, p. 73-78, 2006.

PROCOPIUCK, M. Políticas públicas e fundamentos da administração pública. São Paulo: Atlas, 2013.

PROCOPIUCK, M.; FREY, K. Redes de políticas públicas e de governança e sua análise a partir da websphere analysis. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 17, n. 34, p. 63-83, out. 2009.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. V. Manual de investigação em Ciências Sociais. Tradução: J. M. Marques, M. A. Mendes, M. Carvalho. 2. ed. Lisboa: Gradiva Publicações, 1998.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

SANTOS, A. M.; GIOVANELLA, L.; ALMEIDA, P. F. Comissão Intergestores Regional (CIR) em Região de Saúde na Bahia: institucionalidade, representatividade e dinâmica dos sujeitos para gestão do cuidado. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE, 2., 2013, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

SANTOS, M. J. A.; PINHEIRO, L. B.; QUEIROZ, I. A. S. Governança na Administração Pública: Concepções do Modelo Australiano de Edwards et al. (2012) vis-à-vis as Contribuições Teóricas. In: ENCONTRO DA ANPAD, 38., 2014, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: ANPAD, 2014.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p. 347-69, mar./abr. 2009.

SECCHI, L. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

SILVA, L. F.; DAROSCI, A. A. B.; ALMEIDA, J. A. A Educação Ambiental como ação educativa no combate à dengue no município de Araguaína-TO. In: CONGRESSO NORTE E NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO, 7., 2012, Tocantins. Anais [...]. Palmas: IFTO, 2012.

TEIXEIRA, C. F. Enfoques teórico-metodológicos do planejamento em saúde. In: TEIXEIRA, C. F. (org.). Planejamento em saúde: conceitos, métodos e experiências. Salvador: EDUFBA, 2010. Cap. 1, p. 17-32.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1995.

VIANA, A. L. A.; LIMA, L. D.; FERREIRA, M. P. Condicionantes estruturais da regionalização na saúde: tipologia dos Colegiados de Gestão Regional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 5, p. 2317-2326, 2010. ISSN 1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000500007.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n45p64-75

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1202

Total de downloads do artigo: 779