Utilização da areia industrial em argamassas de revestimento

Luana Cechin

ORCID iD Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Brasil

Rosângela Basso Torkarski

ORCID iD Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC) Brasil

Ticiana Patel Weiss Trento

ORCID iD Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Brasil

Adalberto Matoski

ORCID iD Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Brasil

Resumo

Este trabalho tem como objetivo a caracterização da areia industrial, identificando suas propriedades físicas e mecânicas através de ensaios de laboratório. Para tanto, essas propriedades são comparadas com os resultados obtidos com a utilização de areia natural na confecção de argamassas. As análises foram realizadas por meio de ensaios com ambas as areias, conforme as Normas Técnicas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), bem como das argamassas moldadas em corpos de prova prismáticos. Foram realizados ensaios de compressão e de tração na flexão. Para a comparação da ação dessas areias, foram usados cinco traços diferentes na composição da argamassa, quais sejam: 100% areia natural; 75% areia natural e 25% areia industrial; 50% areia natural e 50% areia industrial; 25% areia natural e 75% areia industrial; e 100% areia industrial. Como resultado, observou-se que a areia industrial possui características que possibilitam o seu uso como componente de argamassa de revestimento, para traços com até XX% de areia industrial. Observou-se ainda que, para um mesmo fator água/cimento, ocorre a redução da trabalhabilidade, se comparada com a argamassa feita com areia natural.

Palavras-chave


Areia industrial; Areia natural; Argamassa de revestimento; Ensaios


Texto completo:

Referências


ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6467: Agregados – Determinação do inchamento de agregado miúdo. Rio de Janeiro, 1987a.

______. NBR 7211: Agregados para concreto – Especificação. 2. ed. Rio de Janeiro, 2005a.

______. NBR 7217: Agregados – Determinação da composição granulométrica. Rio de Janeiro, 1987b.

______. NBR 7219: Agregados – Determinação do teor de materiais

pulverulento. Rio de Janeiro, 1987c.

______. NBR 7251: Agregado em estado solto – Determinação da massa unitária. Rio de Janeiro, 1982.

______. NBR 9776: Agregados – Determinação da massa específica de agregados miúdos por meio do frasco Chapman, Rio de Janeiro, 1987d.

______. NBR 13277: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da retenção de água. Rio de Janeiro, 1995a.

______. NBR 13278: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da densidade de massa e do teor de ar incorporado. Rio de Janeiro, 1995b.

______. NBR 13279: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da resistência à tração na flexão e à compressão. 2. ed. Rio de Janeiro, 2005b.

______. NBR 13281: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Requisitos. Rio de Janeiro, 2001a.

______. NBR 13530: Revestimentos de paredes e tetos de argamassas inorgânicas. Rio de Janeiro, 1995c.

______. NBR NM 30: Agregado Miúdo – Determinação da absorção de água. Rio de Janeiro, 2001b.

______. NBR NM 52: Agregado Miúdo – Determinação de massa específica e massa específica aparente. Rio de Janeiro, 2009.

ALMEIDA, S. L. M.; SAMPAIO, J. A. Obtenção de areia artificial com base em finos de pedreiras. Revista Areia & Brita, São Paulo, n. 20, p. 32-36, out./dez 2002.

ALMEIDA, S. L. M.; SILVA, V. S. Areia artificial: uma alternativa econômica e ambiental para o mercado nacional de agregados. In: Anais do II SUFFIB: O uso da fração fina de britagem. São Paulo: EPUSP, 2005.

ALVES, N. J. D. Avaliação dos aditivos incorporadores de ar em argamassas de revestimento. 2002. 198 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Faculdade de Tecnologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

ANDRIOLO, F. R. Usos e abusos do pó de pedra em diversos tipos de concreto. In: Anais do II SUFFIB: o uso da fração fina da britagem. São Paulo: EPUSP, 2005.

BARBOSA, M, T. G.; COURA, C. G.; MENDES, L. O. Estudo sobre a areia artificial em substituição à natural para confecção de concreto. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 8, n. 4, p. 51-60, out./dez. 2008.

BASTOS, S. R. B. Uso da areia artificial basáltica em substituição parcial à areia fina para a produção de concretos convencionais. 2002. 118 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

BUEST NETO, G. T. Estudo da substituição de agregados miúdos naturais por agregados miúdos britados em concretos de cimento Portland. 2006. 117 f. Dissertação (Mestrado em Construção Civil) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

BUSANELLO, G.; GARLET, G.; REGINATO, P. Uso da areia artificial oriunda de britagem de rochas na região de Caxias do Sul em substituição a areia natural para produção de concretos. In: ENCONTRO DE JOVENS PESQUISADORES DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL, 15., 2007, Caxias do Sul. Caderno... Caxias do Sul: UCS, 2007.

CABRAL, K. O. Influência da areia artificial oriunda da britagem de rocha granito-gnaisse nas propriedades do concreto convencional no estado fresco e endurecido. 2007. 341 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2007.

CHAVES, A. P. Estado da arte da produção de areia de britagem. In: Anais do II SUFFIB: O uso da fração fina da britagem. São Paulo: EPUSP, 2005.

FREITAS, J. M. C. Influência da variação dos constituintes no desempenho de argamassas de revestimento. 2007. 168 f. Dissertação (Mestrado em Construção Civil) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

GASPERIN, J. Aderência de revestimentos de argamassa em substrato de concreto: influência da forma de aplicação e composição do chapisco. 2011. 194 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

GUACELLI, P. A. G. Substituição da areia natural por areia de britagem de rochas basálticas para argamassa de revestimento. 2010. 167 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Edificações e Saneamento) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, 2010.

LODI, V. H. Viabilidade técnica e econômica do uso de areia de britagem em concretos de cimento Portland na região de ChapecóSC. 2006. 131 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

PEREIRA, G. L. Avaliação do uso de areia de britagem em argamassas e concretos de cimento Portland. 2008. 82 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2008.

PEREIRA, A. F. R.; ALMEIDA, S. L. M. Obtenção de areia artificial da pedreira Vigné. In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 12., Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: CETEM/MCT, 2004.

RIBEIRO, B. C. Utilização da areia artificial (areia de brita) no preparo do concreto. 2010. Relatório – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2010.

SILVA, N. G. Argamassa de revestimento de cimento, cal e areia britada de rocha calcária. 2006. Dissertação (Mestrado em Construção Civil) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

SUPEKAR, V. R.; KUMBHAR, P. D. Properties of concrete by replacement of natural sand with artificial sand. International Journal of Engineering Research & Technology (IJERT), Fayoum City, v. 1, n. 7, 2012.

VIERO, E. H. Aplicação de areia de britagem de rochas basálticas na fabricação de concreto de cimento Portland. 2010. 137 f. Dissertação (Mestrado em Materiais) – Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, 2010.

YOSHIDA, A. T.; BARROS, M. M. S. B. Caracterização de argamassas no estado fresco: peculiaridades na análise de argamassas industrializadas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DAS ARGAMASSAS, 1., 1995, Goiânia. Anais... Goiânia: ANTAC, 1995. p. 53-62.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n29p77-87

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 2137

Total de downloads do artigo: 3926