Mapeamento dos manguezais do estuário do Rio Paraíba

Diandra Soares de Araújo

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Brasil

Rogério Silva Bezerra

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Resumo

A pesquisa teve como objetivo principal o mapeamento dos manguezais do estuário do Rio Paraíba, levando em consideração sua distribuição e as ocupações e atividades humanas identificadas no seu entorno. Para isso, foram utilizadas técnicas de geoprocessamento e atividades de campo. O uso das técnicas de geoprocessamento resultou na produção de mapas temáticos contendo a extensão dos manguezais e as ocupações humanas (residências, viveiros, depósito de petcoque etc.) presentes na paisagem analisada. O processo de ocupação dos manguezais do estuário do Rio Paraíba se deu de acordo com o ritmo de expansão dos municípios dos quais os manguezais fazem parte. A ocupação dos manguezais foi analisada sob a perspectiva da geografia crítica, considerando a sua degradação como o resultado dos intensos processos de globalização e urbanização do território. Os resultados da pesquisa apontam à necessidade de políticas públicas visando à conservação do manguezal e a melhoria de vida dos moradores das comunidades nele presentes.

Palavras-chave


Manguezal; Estuário do Rio Paraíba; Ocupações Humanas


Texto completo:

Referências


ABCC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DE CAMARÃO. Levantamento da infraestrutura produtiva e dos aspectos tecnológicos, econômicos, sociais e ambientais da carcinicultura marinha do Brasil em 2011. Disponível em: http://abccam.com.br/site/wpcontent/uploads/2013/12/LEVANTAMENTODAINFRAESTRUTURAPRODUTIVA.pdf. Acesso em: 05 jan. 2014.

BATISTA, P. I. de S.; TUPINAMBÁ, S. V. A carcinicultura no Brasil e na América Latina: o agronegócio do camarão. Rio de Janeiro: REBRIP, 2003. Disponível em: http://www.rebrip.org.br. Acesso em: 11 out. 2013.

BRASIL. Lei Nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasilia, 2012.

BRASIL. Lei Nº 12.727, de 17 de outubro de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasilia, 2012.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente/ Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira: atualização - Portaria MMA n°9, de 23 de janeiro de 2007. Brasília: MMA, 2007.

CABRAL, G. J. da C. M. O Direito Ambiental do Mangue. João Pessoa: Sal da Terra, 2003.

CASTRO, Josué de. Geografia da fome: o dilema brasileiro: pão ou aço. Rio de Janeiro: Edições Antares, 1984.

BEZERRA, R. S.; ARAÚJO, D. S. de. Um estranho no mangue: um retrato das relações entre capital, estado e meio ambiente na contemporaneidade brasileira em um cantinho da Paraíba. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 17., 2012, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2012. Disponível em: http://eng2012.agb.org.br/phocadownload/userupload/7fbab2c14c/UM%20ESTRANHO%20NO%20MANGUE%20um%20retrato%20das%20relaes%20entre%20capital%20estado%20%20meio%20ambiente%0na%20contemporaneidade%20brasileira%20em%20um%20cantinho%20da%20Paraba.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2012.

CARVALHO NETA, M. de L. Evolução geomorfológica atual e análise ambiental da foz do rio Jaguaribe, Ceará. Dissertação (Mestrado em Geografia)–Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

FERNANDES, L. J. M. Análise das transformações sociais e ambientais em um processo de ocupação litorânea: o caso do município de Lucena/PB. João Pessoa, 2006. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente)– Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA, Universidade Federal da Paraíba, 2006.

FIGUEIRÊDO, M. C. B. de; ROSA, M. F.; GONDIM, R. S. Sustentabilidade Ambiental da Carcinicultura no Brasil: desafios para a pesquisa. Revista Econômica do Nordeste, v. 34, n. 2, p. 242-253, 2003.

GUEDES, L. da S. Monitoramento Geoambiental do Estuário do Rio Paraíba do Norte – PB por Meio da Cartografia Temática Digital e de Produtos de Sensoriamento Remoto. 2002. 90 f. Dissertação (Mestrado em Geodinâmica e Geofisica)–Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2002.

IBGE. Censo 2010. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 12 abr. 2012.

MADRUGA, A. M. Litoralização da Fantasia da Liberdade à Modernidade Autofágica. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

MARCELINO, R. L. Diagnóstico socioambiental do estuário do Rio Paraíba do Norte-PB, com ênfase nos conflitos de uso e interferências humanas em sua área de influência direta. Dissertação (Mestrado em Gerenciamento ambiental)– Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2000.

MARCELINO, R. L. et al. Uma abordagem sócioeconômica e sócio-ambiental dos pescadores artesanais e outros usuários ribeirinhos do estuário do Rio Paraíba do Norte, Estado da Paraíba, Brasil. Tropical Oceanography, Recife, v. 33, n. 2, p. 183-197, 2005.

MORAES, C. A. R. Contribuição para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Annablume, 2007.

MOREAU, A. M. S. S. et al. Uso e ocupação dos manguezais da área urbana de Ilhéus: uma abordagem histórica e socioambiental. Disponível em: http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgcimang40_Moreau.pdf. Acesso em: 17 set. 2013.

MMA. Panorama da Conservação dos Ecossistemas Costeiros e Marinhos no Brasil. Secretaria de Biodiversidade e Florestas/Gerência de Biodiversidade Aquática e recursos Pesqueiros. Brasília: MMA/SBF/GBA, 2010.

PRITCHARD, D. W. What is an estuary: physical viewpoint. In: Lauf, G. H. Estuaries. A.A.A.S. Publ. 83.Washington, DC, 1967.

SANTOS, M. Espaço e Método. São Paulo: Nobel, 1985.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. Paulo: Hucitec, 1988.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

SANTOS, M. A Urbanização Brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

SINGER, P. Economia política da urbanização. São Paulo: Brasiliense, 1973.

STEVENS, P.; ALVARES-DA-SILVA, O.; SASSI, R. Estuário do Rio Paraíba: perda de habitat e fragmentação de ecossistemas em áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade. In: REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 64, 2012, São Luís.

VANNUCCI, M. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções. SP: Editora da USP, 2000


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n40p63-75

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1378

Total de downloads do artigo: 3033