Atividade-fim do IFPB: profissionalização e Enem

Carolina Nicácia Oliveira da Rocha

ORCID iD Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Eduarda Lima Barbosa

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Brasil

Resumo

Este trabalho tem como objetivo identificar e descrever discurso(s) e voz(es) de alunos e de professores do Instituto Federal da Paraíba, Campus Picuí, sobre a atividade-fim da Instituição. Este estudo focalizou a atividade-fim do IFPB, para auxiliar na melhor compreensão dos entraves do processo de ensino bem como suas possibilidades de sucesso e no perfil do estudante que é aprovado no processo seletivo (PSCT) do IFPB. Trata-se de uma pesquisa do tipo descritivo-interpretativista, cujo corpus é composto por dois conjuntos de dados. O primeiro conjunto é documental e diz respeito ao estatuto do IFPB e ao edital do Processo Seletivo para os Cursos Técnicos Presenciais, a fim de ingressar na modalidade Integrado ao Ensino Médio. O segundo são as respostas dadas ao questionário por alunos e por professores do IFPB – Campus Picuí. Os alunos são dos cursos de Geologia, Edificações e Informática, dos primeiros e quartos anos. A pesquisa está fundamentada nos estudos de discurso, tal como o entende Fairclough (2001), no âmbito da análise de discurso textualmente orientada ou análise crítica de discurso; e no conceito de “voz e personagem”, conforme apresentado por Mey (2001), no âmbito dos estudos sobre pragmática social. Os dados afirmam que, para os documentos oficiais da instituição, a atividade-fim do IFPB já está consolidada, mas na prática ainda parece haver divergências com os discursos oficiais, pois parte dos alunos querem o bom ensino para poderem passar no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Essa é a característica que define, segundo os discentes, o IFPB e não o técnico, a profissionalização, portanto, a voz da sociedade é que a educação que o IFPB proporciona é de qualidade. Para os docentes também não há uma consonância, pois, para alguns professores de Formação Geral, também se precisa preparar o discente para o Enem.

Palavras-chave


Profissionalização; Enem; Discurso


Texto completo:

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A. Fundamentos da pesquisa etnográfica. In.:

___________Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus, 1995, p. 15 – 69.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia, Telmo Mourinho Batista. Porto, PT: Porto Editora, 1994, p. 19 – 83. Tradução de Qualitative Research for Education.

CANÇADO, M. Um estudo sobre a pesquisa etnográfica em sala de aula. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 23, p. 55-69, 1994.

EDITAL nº 111, de 31 de julho de 2015. Disponível em: https://editor.ifpb.edu.br/ingresso/processo-seletivo/Cursos-tecnicos/psct-2016. Acesso em: 16 fev. 2016

EDITOR. Histórico. Disponível em: https://editor.ifpb.edu.br/institucional/historico>. Acesso em: 16 fev. 2016.

EDITOR. Institutos Federais completam sete anos. Dez. 2015. Disponível em: http://www.ifpb.edu.br/reitoria/noticias/2015/12/institutos-federais-completam-sete-anos-1. Acesso em: 16 fev. 2016.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. [Isabel Magalhães, coord. Tradução, revisão e prefácio] Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2001.

GROSSMANN, F.; BOCH, F. As representações sociais das práticas de linguagem: como dar conta da complexidade do discurso? In.: Ensino de língua: representação e letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006, p. 11- 35.

MEURER, J. L.; Gêneros Textuais na análise crítica de Fairclough. In.: Meurer, J. L.; BONINI, A.; MOTTA_ROTH, D.(Org.). Gêneros, Métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005, p. 81 -107.

MEY, Jacob. As vozes da sociedade: seminários de pragmática. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2001.

MOITA LOPES, L. P. da. Pesquisa interpretativista em Linguística Aplicada: a linguagem como condição e solução (1). Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, Educ, v. 10, n. 2, 1994. p. 329-338.

MOREIRA, D. A. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

RESENDE, Viviane de Melo e RAMALHO, Viviane. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006. p. 11- 54.

SCARAMUCCI, M. V. R. Efeito retroativo da avaliação no ensino/aprendizagem de línguas: o estado da arte. Trabalhos em Linguística Aplicada, n. 43, v. 2, Departamento de Linguística Aplicada Unicamp, p. 203-226, 2004.

SILVA, Elizabeth Mª; ROCHA, Carolina Nicácia O; LINO DE ARAÚJO, Denise. Redação e/ou gêneros textuais: caminhos da produção de textos no vestibular e ensino médio. Relatório Final do PIBIC, 2006.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n40p132-141

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 1317

Total de downloads do artigo: 1249