Estresse ocupacional em profissionais de saúde dos centros de atenção psicossocial

Alex Wagner Mendes Cardoso

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Brasil

Hanne Alves Bakke

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Brasil

Resumo

Este trabalho analisou o estresse ocupacional em 19 profissionais de saúde dos centros de atenção psicossocial – CAPS, em um município do sertão paraibano. Avaliou-se os níveis de estresse em que esses profissionais se encontravam bem como os sintomas e as queixas mais frequentes vivenciados por estes profissionais nos últimos dois meses. Os dados foram coletados através de dois questionários, um sócio demográfico para levantamento da população e o teste de Baccaro para identificação do estresse. A idade média dos profissionais era de 35 anos (s=8,5), dos quais 10 (52,6%) eram do sexo masculino e 9 (47,4%) do sexo feminino. Os resultados apontaram que 73,7% estavam em um grau de estresse moderado e os sintomas mais frequentes eram problemas musculoesqueléticos e alterações do sistema nervoso. Os dados mostraram que os profissionais da saúde são acometidos pelo estresse e seus estressores, merecendo maiores pesquisas e elucidações a cerca deste tema que vem sendo tratado nos últimos anos como um dos grandes causadores de doenças.

Palavras-chave


Estresse ocupacional. Saúde. Satisfação.


Texto completo:

Referências


AVELINO, D. C. et al. Trabalho de Enfermagem no Centro de Atenção Psicossocial: estresse e estratégias de coping. Rev Enferm UFSM, v. 4, n. 4, p. 718–726, 2014.

BACCARO, A. Vencendo o estresse - como detecta-lo e supera-lo. 1998.

BALLONE, G. J. Síndrome de Burnout. Disponível em: . Acesso em: 3 jun. 2016a.

BALLONE, G. J. Sintomas do estresse. Disponível em: . Acesso em: 3 jun. 2016b.

BATISTA, K. D. M.; BIANCHI, E. R. F. Estresse do enfermeiro em unidade de emergência. Revista latino-am Enfermagem, v. 14, n. 4, p. 534–539, 2006.

BERNARDES, J. Presença feminina na medicina aumenta no Brasil, revela pesquisa da FMUSP. Disponível em: . Acesso em: 3 nov. 2016.

CARVALHO, L. DE; MALAGRIS, L. E. N. Avaliação do nível de stress em profissionais da saúde. Estudos e pesquisas em psicologia, v. 3, n. 2, p. 210–222, 2007.

COUTO, H. DE A. AT AL. Estresse ocupacional e hipertensão arterial sistêmica. Revista Brasil Hipertensão, v. 14, n. 2, p. 112–115, 2007.

ELIAS, M. A.; NAVARRO, V. L. A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida. Revista Latino-am Enfermagem, v. 14, n. 4, p. 517–525, 2006.

FEIX, M. A. DA F. AT AL. Reflexões acerca do estresse ocupacional. R. gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 19, n. 1, p. 11–14, 1998.

FERNANDES, S. M. B. A. AT AL. Estresse ocupacional e o mundo do trabalho atual: Repercussões na vida cotidiana das enfermeiras. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 10, n. 2, p. 414–427, 2008.

GLANZNER, C. H.; OLSCHOWSKY, A.; KANTORSKI, L. P. O trabalho como fonte de prazer: avaliação da equipe de um Centro de Atenção Psicossocial*. Rev Esc Enferm USP, v. 45, n. 3, p. 716–721, 2011.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. DE A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LIPP, M. E. N. O stress está dentro de você. 2. ed. São Paulo-SP: [s.n.], 2000.

MCINTYRE, T. M. Stress e os Profissionais de Saúde : Os que Tratam Também Sofrem. Análise Psicológica, v. 3, n. 13, p. 193–200, 1994.

MEDEIROS, S. M. DE. Considerações sobre a terceira revolução industrial e a força de trabalho em saúde em Natal *. Ciência & saúde coletiva, v. 9, n. 2, p. 399–409, 2004.

MELO, B. T.; CRUZ, J. F. A.; GOMES, A. R. Stresse ocupacional em profissionais da saúde e do ensino. Psicologia: Teoria, investigação e prática, v. 2, p. 53–72, 1997.

MUROFUSE, N. T. AT AL. Reflexões sobre estresse e burnout e a relação com a enfermagem. Revista Latino-am Enfermagem, v. 13, n. 2, p. 255–261, 2005.

OLIVEIRA, M. A. DE; GRECO, P. B. T.; ESPÍNDOLA, R. B. Promovendo a saúde dos trabalhadores dos Centros de Atenção Psicossocial: um relato de experiência. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, v. 11, n. 20, p. 88–100, 2015.

PAFARO, R. C.; MARTINO, M. M. F. DE. Estudo do estresse do enfermeiro com dupla jornada de trabalho em um hospital de oncologia pediátrica de Campinas. Rev. Esc. Enf.USP, v. 38, n. 2, p. 152–60, 2004.

PASCHOAL, T.; TAMAYO, Á. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia, v. 9, n. 1, p. 45–52, 2004.

SAIDEL, M. G. B. ET AL. O enfermeiro psiquiátrico numa instituição estatal. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 28, n. 2, p. 200–206, 2007.

SANTOS, A. F. DE O.; CARDOSO, C. L. Profissionais de saúde mental: manifestação de stress e burnout. Estudos de Psicologia, v. 27, n. 1, p. 67–74, 2010.

SANZOVO, C. É.; COELHO, M. E. C. Estressores e estratégias de coping em uma amostra de psicólogos clínicos. Estudos de Psicologia, v. 24, n. 2, p. 227–238, 2007.

SCHMIDT, D. R. C. AT AL. Estresse ocupacional entre profissionais de enfermagem do bloco cirúrgico. v. 18, n. 2, p. 330–7, 2009.

SPINDOLA, T. Mulher, mãe e...trabalhadora de enfermagem. Rev. Esc. Enf.USP, v. 34, n. 4, p. 354–61, 2000.

STACCIARINI, J. M. R.; TRÓCCOLI, B. T. O estresse na atividade ocupacional do Enfermeiro. Rev. Latino-am Enfermagem, v. 9, n. 2, p. 17–25, 2001.

ZUARDI, A. W. Fisiologia do estresse e sua influência na saúde. p. 1–13, [S.d.].


O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 993

Total de downloads do artigo: 461