COMUNIDADE DE PRÁTICA, COMPARTILHAMENTOS E APRENDIZADOS: APROXIMAÇÕES DESDE A REDE SERGIPANA DE AGROECOLOGIA

Tanise Pedron da Silva

https://orcid.org/0000-0001-6164-8239 Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Brasil

Engenheira agrônoma. Mestre em Extensão Rural. Doutora em Desenvolvimento Rural.

Flávia Charão Marques

https://orcid.org/0000-0002-1818-9281 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Brasil

Engenheira agrônoma, pós-graduação em Desenvovlimento Rural. Atua no curso de Agronomia e na Pós-Graduação em Desenvovlimento Rural da UFRGS.

Resumo

A facilitação do compartilhamento de experiências entre agricultores, e entre eles e outros atores faz parte dos princípios fundamentais do trabalho em agroecologia. Isto instiga a busca de abordagens e metodologias que melhor conduzam a análise de processos relacionados ao conhecimento desde uma perspectiva que promova a interação entre atores e as organizações envolvidas. A utilização da perspectiva das Comunidades de Práticas (CdP) surge como um caminho que permite analisar a aprendizagem a partir da observação e registro das trocas e compartilhamentos de conhecimento e experiência, nos quais as pessoas ampliam suas capacidades ao interagir entre si. A partir de uma metodologia qualitativa que envolveu entrevistas em profundidade e observação participante, este trabalho analisa alguns processos de aprendizagem desenvolvidos pela Rede Sergipana de Agroecologia (RESEA), identificando elementos que caracterizam Comunidades de Práticas, de modo a avaliar o potencial desta abordagem para a construção do conhecimento. Os engajamentos políticos e as participações diretas das pessoas em atividades relacionadas à promoção da agroecologia estão correlacionadas ao processo de aprendizagem individual e à organização social para interferir em cursos de ação, como no caso das Leis Estaduais para Sementes Crioulas e para Agroecologia em Sergipe. O entendimento da trajetória da RESEA como formação de uma CdP, finalmente, aponta para processos de aprendizagens relacionados à dinâmica de ações coletivas

Texto completo:

Referências


ARCE, Alberto; CHARÃO-MARQUES, Flávia. Desenvolvimento, materialidades e o ator social: orientações metodológicas para aproximações territoriais. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 29, n. 1, p. 40-65, 2021.

CAPORAL, Francisco Roberto; PETERSEN, Paulo. Agroecologias e políticas públicas na América Latina: o caso do Brasil. Agroecología, v.6, p.63-74, 2012.

CHARÃO-MARQUES, Flávia; SCHMITT, Claudia Job; OLIVEIRA, Daniela. Agências e Associações nas redes de agroecologia: práticas e dinâmicas de interação na serra gaúcha e na zona da mata mineira. Revista de Ciências Sociais, v.7, n.1, p.15-42, jan.-jun. 2017.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2007.

______. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2008.

IPIRANGA, Ana Silvia Rocha et al. Aprendizagem como ato de participação: a história de uma comunidade de prática. Cadernos EBAPE, v.3, n.4, 2005.

LAVE, Jean; WENGER, Ethiene. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University, 1995.

LONG, Norman. Sociología del desarrollo: uma perspectiva centrada em el actor. México: Centro de Investigaciones y Estudios Superiores em Antropologia Social, 2007.

LUZZI, Nilza. O debate agroecológico no Brasil: uma construção a partir de diferentes atores sociais. 2007. Tese (Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Instituto de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2012.

______. Técnicas que fazem uso da palavra, do olhar e da empatia: pesquisa qualitativa em ação. Portugal: Ludomedia, 2019.

MONTEIRO, Denis; LONDRES, Flávia. Pra que a vida nos dê flor e frutos: notas

sobre a trajetória do movimento agroecológico no Brasil. In: SAMBUICHI, R. H. R. et.al. (Orgs). A Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica no Brasil, Brasília:

IPEA. 2017, p.53-83.

SAMBUICHI, Regina Helena et al. Análise da construção da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2017. (Textos para Discussão 2305)

SCHATZKI, Theodore. The site of the social: a philosophical account of the constitution of social life and change. Pennsylvania: Pennsylvania State University, 2002.

SCHOMMER, Paula Chies. Comunidades de prática e articulação de saberes na relação entre Universidade e Sociedade. 2005. Tese (Doutorado em Administração de Empresas). – Escola de Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2005.

SERGIPE. LEI 7290, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011. Dispõe sobre os incentivos de à implantação de sistemas de produção agroecológica pelos agricultores familiares no estado de Sergipe. Aracajú, Sergipe. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2020.

SERGIPE. LEI 8167, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2016. Institui o conceito de sementes crioulas e o incentivo à conservação da Agrobiodiversidade no estado de Sergipe. Aracajú, Sergipe, mar. 2016. Disponível em: < https://www.normasbrasil.com.br/norma/lei-8167-2016-se_333838.html>. Acesso em: 28 out. 2020.

WENGER, Ethiene. Communities of practice: a brief introduction. 2006. Disponível em: http://www.ewenger.com/theory/>. Acesso em: 18 jan. 2021.

WENGER, Etienne. Communities of practice and social learning systems. Organization, v.7, n.2, 2000.

______. Cultivating Communities of Practice: a guide to managing knowledge, Harvard Business School Press, 2002.

______; SNYDER, W. M. Comunidades de prática: a fronteira organizacional. In: Harvard Business Review (Org.). Aprendizagem organizacional. Tradução Cássia Maria Nasser. Rio de Janeiro: Campus. 2001.

WEZEL, A. et al. Agroecology as a science, a movement and a practice. A review. Agronomy for Sustainable Development, 29. pp. 503-515, 2009.


DOI: http://dx.doi.org/10.35512/ras.v6i3.6694

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 71

Total de downloads do artigo: 53