Identificação de perigos e riscos na operação ferroviária com uso da técnica de análise What If

Marco Aurélio Bezerra Diniz

Brasil

Engenheiro civil formado pela Universidade Federal de Campina Grande (PB). Experiência profissional na área de Planejamento de Engenharia e Ferrovias. 

Resumo

O objetivo deste estudo é realizar a análise dos perigos e riscos relacionados à operação ferroviária identificados por meio do uso da técnica de análise de riscos What If. O principal ponto identificado se refere a distorção entre os índices de acidentes ferroviários registrados dentre as empresas ferroviárias atualmente em operação. Foi registrado um levantamento bibliográfico considerando as peculiaridades da área de conhecimento ferroviária bem como das técnicas de análise de riscos, buscando o alinhamento técnico. Posteriormente, foi feito o mapeamento das atividades rotineiras relacionadas a operação ferroviária para fins de uso na técnica de análise. Finalizou-se com a aplicação da técnica What If bem como da análise dos resultados obtidos. O estudo concluiu que a técnica é adequada para fins de utilização para identificação de riscos na operação ferroviária e deve ser sucedida por outras técnicas para um melhor detalhamento dos riscos identificados, conforme a necessidade identificada.

Palavras-chave


Riscos. Perigos. Operação Ferroviária. What If.


Texto completo:

Referências


ABADIE, A. BANDARA, D. WIJESEKERA, D. A Composite Risk Model for Railroad Operations utilizing Positive Train Control (PTC). Proceedings of the 2014 Joint Rail Conference. JRC2014-3730. V001T06A004. Disponível em: <10.1115/JRC2014-3730 >. Acesso em: 16.09.2018 .

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Anuário do Setor Ferroviário – Relatório Executivo 2017.Brasília, 2017.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Manual de classificação de Instituições Financeiras, Brasília, 2008.

BARSANO, P. R; BARBOSA, R P. Segurança do Trabalho: Guia Prático e Didático. São Paulo: Editora Érica, 2012.

BASTIAS, H. H. Introducción a la Ingenieria de Prevención de Perdidas. São Paulo: Conselho Regional do Estado de São Paulo da Associação Brasileira para a Prevenção de Acidentes, 1977.

BAYSARI, M., T. McINTOSH, A.S., WILSON, J.R. Understanding the Human Factors Contribution to Railway accidents and Incidents in Australia. Accident Analysis & Prevention. Flórida, Set. 2008. Vol. 40, n. 5, p. 1750-1757. Disponível em: . Acesso em: 16.Set. 2018.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho. NR 9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. 2017. Disponível em: http://www.mte.gov.br/. Acesso em: 17 de dez de 2017.

Brown, P. D. (1998). Boletim Técnico-Análise de Risco. Publicação do Grupo de Pesquisa em Segurança contra Incêndio. (pp. 1-7). São Paulo: Universidade de São Paulo- GSI/NUTAU/USP.

CARDOSO, A. Avaliação de Riscos durante a Carga/Descarga e movimentação de Contentores em terminais portuários. 2015. 71 p. Dissertação (Mestrado em engenharia de Segurança e Higiene Ocupacionais). – Faculdade de Engenharia da Universidade de Porto, Porto, 2015.

CASTRO, I. E; MIRANDA, M.; EGLER, C. A. G. Redescobrindo o Brasil: 500 anos depois. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

CASTRO, N; CAIXETA-FILHO, J. V; MARTINS, R.S. Privatização e regulação dos transportes no Brasil. In: Gestão logística do transporte de cargas. São Paulo: Atlas, 2007.

CHRISPIM, E. M. Análise da Operação Ferroviária do Porto do Rio de Janeiro Utilizando Simulação de Eventos Discretos. 2007, 62 p., Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2007.

COIMBRA, M. do Vale. Modos de Falha dos Componentes da Via Permanente Ferroviária e seus Efeitos no Meio Ambiente.2008. 167 f. Dissertação (Engenharia de Transportes) – Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 2008.

DALEPRANE, O.B. Estruturação de um Plano de Contingência para o serviço de Transporte Ferroviário de Cargas. 2007. 122 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes). Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 2007.

FELIX, J.C. et al. Proposição de Melhorias em segurança por meio da aplicação do FMEA: Um estudo de caso em uma empresa do setor ferroviário. TECNO-LÓGICA, Santa Cruz do Sul, V.22, n. 2, p. 147-156, jul/dez. 2018.

FLEURY, P.F, WANKE, P.; FIGUEIREDO, K. F. Logística empresarial. A perspectiva Brasileira. São Paulo: Atlas, 2000.

FREIXINHO, J.E.S. Proposta de Implantação da ISO 14001 e OHSAS 18001 na MRS Logística S.A.2006. 84 p. Trabalho de conclusão de Curso (Monografia de Pós-graduação) – Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 2006.

Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz. Glossário em Biossegurança. 2012. Disponível em: http://www.fiocruz.br/biossegurança/nubio. Acesso em 01/09/2018.

GLICKMAN, T.S, ERKUT, E. Assessment of hazardous material risks for rail yard safety. Safety Science. Nicósia, Ago. 2007. Vol. 45, n.7. p. 813-822. Disponível em: . Acesso em: 16.set.2018.

GOLD, P. A. Segurança de Trânsito: Aplicações de Engenharia para Reduzir Acidentes. Banco Interamericano de Desenvolvimento. USA, 1998.

HUNGRIA, L.H. Segurança Operacional de Trens de Carga. Curitiba: Editora All Print, 2017

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Transporte Ferroviário de Cargas no Brasil: Gargalos e Perspectivas para o Desenvolvimento Econômico e Regional. Série Eixos do Desenvolvimento Brasileiro. Brasília, 2010.

JOHNSEN, S.O. VEEN, M. Risk Assessment and resilience of critical communication infrastructure in railways. Cognition, Technology & Work. Londres, Fev. 2013. Vol. 15, n. 1, p.99-107. Disponível em: . Acesso em: 16. Jun. 2018.

LIMA, E. T; PASIN, J; Regulação no Brasil: colocando a competitividade nos trilhos. Revista do BNDES. Rio de Janeiro, Volume .6,n. 12, p. 169-194, dez. 1999.

MEYER, M. C. Análise de risco qualitativa em projeto industrial de unidade de co-geração de vapor. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2005.

MUNIZ, R.C.A Análise de risco aplicada na gestão da qualidade em processos produtivos de uma indústria de blocos de concreto. 2014.75 p. Projeto de Graduação (Engenharia Civil).Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

NOVAES, A. G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: Estratégia, Operação e Avaliação. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

NUNES, C. Utilização de Métodos de Análise de Falhas em um sistema de Sinalização Ferroviária. 2012. 81 p. Monografia (Especialização em Transporte Ferroviário). Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 2012.

PIRES, D. S. Identificação dos acidentes no modal ferroviário de cargas num ramal de Santa Catarina – Uma abordagem logística. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

PORTO, T.G. PTR 2501 – FERROVIAS. Apostila, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

QUEIRÓS, C. et al. A dimensão do fator humano na segurança ferroviária: estados emocionais do profissional. In: Lourenço, L. (Org.) Alcafache: 30 anos depois. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017, p. 33-53.

RODRIGUES, P. R. A. Introdução aos sistemas de transporte no Brasil e à logística internacional. 2. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2002.

SELLA, B. C. Comparativo entre as Técnicas de Análise de Riscos APR e HAZOP. Monografia (Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho) – Departamento de Construção Civil, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba, 2014.

SHINAR, D., GURION, B.; FLASCHER, O. M. The Perceptual Determinants of Workplace Hazards. Proceedings of the Human Factors Society: 35th Annual Meeting, San Francisco, California: v.2, p. 1095 - 1099, 2-6 set. 1991.

SILVA, V.F. Análise de Risco na Construção – Guia De Procedimentos Para Gestão. 2012. 127 p. Dissertação (Mestrado Integrado em Engenharia Civil) – Faculdade de Engenharia da Universidade de Porto, Porto, Portugal, 2012.

SOUZA, A.A. Análise de Riscos no transporte ferroviário de produtos perigosos. 2011. 121 p. Dissertação (mestrado em tecnologia Ambiental) – Instituto de Pesquisas tecnológicas do Estado de São Paulo, São

Paulo, 2011.


O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 168

Total de downloads do artigo: 118