Exposição ocupacional ao calor em um laboratório acadêmico de produção de queijo minas e ricota

Mayslane de Sousa Gomes

Brasil

Renata Paiva da Nóbrega Costa

IFPB

Poliana Sousa Epaminondas

IFPB

Resumo

A exposição ocupacional ao calor apresenta risco à saúde do trabalhador desde doenças leves como cãibras até mais graves como choque térmico quando o agente físico calor se encontra acima do Limite de Tolerância proposto pela NR 15, configurando a atividade como insalubre, ou seja, capaz de causar danos à integridade dos trabalhadores. Desta forma, este estudo teve por objetivo analisar a exposição ocupacional ao calor em um laboratório acadêmico com potencial de gerar efeitos adversos para a saúde dos seus envolvidos por simularem ambientes fabris onde há exposição dos seus usuários ao calor excessivo. Tratou-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem quantitativa onde foi utilizado o Medidor de Estresse Térmico Termômetro de Globo (IBUTG) e qualitativa onde foi aplicado um questionário composto de 13 questões de múltipla escolha direcionado à professores e laboratoristas do setor. Os resultados demostraram que para a atividade moderada de produção de Queijo Minas cujo valor foi de IBUTG 27,69 que está entre o valor 26,8 a 28,0, o regime de trabalho pode ser de 45 min de trabalho com 15 min de descanso. Enquanto que, para a produção de Ricota, com valor de IBUTG igual a 25,97, ou seja, até 26,7, o regime de trabalho pode ser realizado de forma contínua, sendo portanto, consideradas atividades salubres. Porém, apesar disso, os usuários apresentaram sintomas de desconforto como cansaço, fadiga, sudorese excessiva e cãimbra. Diante disso, conclui-se que independente de valores quantitativos, a exposição ao calor pode se tornar prejudicial à saúde dos trabalhadores.

Palavras-chave


Calor. Exposição ocupacional. NR 15. Laboratório acadêmico. Trabalhadores.


Texto completo:

Referências


BREVIGLIERO, E.; POSSEBON, J; SPINELLI, R. Higiene Ocupacional: Agentes Biológicos, Químicos e Físicos. 7ª edição. Senac, 2006.

CAMARGO, M. G; FURLAN, M. M. D. P. Resposta Fisiológica do Corpo às Temperaturas Elevadas: Exercício, Extremos de Temperaturas e Doenças Térmicas. Artigo de revisão. Revista Saúde e Pesquisa, 2011. V. 4, n. 2, p. 278-288.

FANTINATO, M. Métodos de pesquisa. USP, 2015. Disponível em: < http://each.uspnet.usp.br/sarajane/wp-content/uploads/2015/09/M%C3%A9todos-de-Pesquisa.pdf> Acesso em 23 de Nov. 2017.

FUNDACENTRO. Norma de Higiene Ocupacional. Procedimento Técnico. Avaliação da Exposição Ocupacional ao Calor NHO 06. Ministério do Trabalho e Emprego. FUNDACENTRO, 2002.

MARTINS, A. Análise da Exposição ao Calor (Tensão Térmica) e Conforto Térmico em Ambientes de Trabalho. Monografia de Pós-graduação. Criciúma, 2005. Disponível em: < http://www.bib.unesc.net/biblioteca/sumario/000028/000028EE.pdf> Acesso em 11 de Fev. 2018.

MORAES, M. V. Doenças Ocupacionais. Agentes: físico, químico, biológico, ergonômico. 2º Edição. São Paulo. Iátria, 2014.

MORAES, M. M. O exercício físico autorregulado, em ambiente quente, não aumenta o estresse oxidativo nem reduz o desempenho. Dissertação. Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2010. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/KMCG-8EJPZ5/disserta__o___michele_macedo_moraes.pdf?sequence=1 Acesso em 12 de Fev. 2018.

RAMOS, M. S; PINTO, R. B. R. Análise Ergonômica do Ambiente de Trabalho de uma Indústria de laticínios situada na Zona da Mata Mineira. IV Workshop de Análise Ergonômica do Trabalho. I Encontro Mineiro de Estudos em Ergonomia. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2009. Disponível em < http://www.ded.ufv.br/workshop/docs/anais/2009/AN%C3%81LISE%20ERGON%C3%94MICA%20DO%20AMBIENTE%20DE%20TRABALHO%20DE%20UMA%20IND%C3%9ASTRIA.pdf> Acesso em: 04 de jan. 2017.

REIS, F. R. D. Avaliação e controle do risco de estresse térmico nos trabalhadores no corte manual de cana-de-açúcar. Artigo. Campinas, 2014. Disponível em: file:///C:/Users/Mayslane/Downloads/v12n2a04.pdf Acesso em 12 de Fev. 2018.

ROSCANI, R. C; BITENCOURT, D. P; MAIA, P. A; RUAS, A. C. Risco de exposição à sobrecarga térmica para trabalhadores da cultura de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Artigo. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n3/1678-4464-csp-33-03-e00211415.pdf Acesso em 11 de Fev. 2018.

SALIBA, T. M. Manual Prático de Avaliação e Controle de Calor: PPRA. 7º Ed. São Paulo. LTr 80, 2016. Disponível em: < http://www.ltr.com.br/loja/folheie/5406.pdf> Acesso em 27 de Set. 2017. p. 14 -15.

SANTANA, N. B; RODRIGUES, L. B; BONONO, R. C. F; VELOSO, C. M. Avaliação das condições dos ambientes de trabalho em indústrias de laticínios a partir da investigação das noções de segurança e identificação dos riscos ocupacionais. XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção – Florianópolis, SC, Brasil. 2004. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2004_enegep0405_0835.pdf. Acesso em 05 de Jun. 2017.

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Normas Regulamentadoras NRs de 1 a 36. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Lívia Céspedes e Fabiana Dias da Rocha. 18º edição. São Paulo: Saraiva, 2016.

SILVA, D. V. G; AGUIAR, F; MOREIRA, I. S. Estudo da Metodologia para avaliação, caracterização, medicação e controle da exposição ocupacional ao calor. Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”- UNESP. Trabalho de Conclusão de Curso. São Paulo, 2010. p.4.

SILVA, L. B. Mudanças Climáticas e a Elevação da Temperatura: Implicações no conforto, na saúde e no desempenho de alunos no ambiente de ensino inteligentes (News ict) nas regiões brasileiras. Chamada MCTI nº 37/2013- Mudanças Climáticas. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2013. Disponível em: < http://www.ct.ufpb.br/lat/contents/documentos/projeto-mudancas-climaticas-e-a-elevacao-da-temperatura.pdf> Acesso em 13 de Fev. 2018.

TAVARES, M. Higiene do Trabalho: Exposição Ocupacional às Temperaturas Extremas. Departamento de Engenharia de Produção. Fundação Christiano Otonni, 2009. Disponível em: http://files.segurancaocupacional-alexssandro.webnode.com.br/200000052-bf088c0028/Apostila%20Temp_Extremas.pdf .Acesso em 24 de Out. 2017.


O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 599

Total de downloads do artigo: 140