Aspectos quantitativos da organização do trabalho no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Maria Josely De Fiqueirêdo Gomes

IFRN Brasil

Campus Natal Cdade Alta/IFRN

Doutora em AF para à Saúde (Granada/Espanha)

Resumo

Este trabalho tem como objetivo inferir o fator “Organização do Trabalho” (OT) a partir das variáveis sociodemográficas dos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). A pesquisa se classifica como quantitativa e, quanto ao objetivo, trata-se de uma pesquisa descritiva. A amostra observada foi o instrumento de pesquisa “Inventário de Avaliação de Qualidade de Vida no Trabalho” (IA_QVT), sendo proporcional por campus (774). Na análise dos dados, foram usados os testes não paramédicos – U Mann-Whitney, Rho de Spearman e o de Quiquadrado – entre os itens menos pontuados do fator da Organização do Trabalho e as variáveis sociodemográficas. De acordo com a coleta de dados, apresentamos o seguinte resultado: 1. Com relação ao ritmo excessivo de trabalho, fica clara a forte relação dos servidores que têm cargo de direção com a percepção negativa no ambiente de trabalho, o que pode caracterizar um indicativo de possibilidades de adoecimento; 2. Outro fator relevante é a situação dos servidores não efetivos do IFRN, ou seja: terceirizados, estagiários e professores substitutos. Esse grupo indicou forte risco de adoecimento, já que o ritmo excessivo é um sinalizador de sobrecarga de trabalho; 3. Os servidores não efetivos sentemse, muitas vezes, por estarem em uma situação de subordinação, sem a liberdade de exercer suas tarefas de forma livre e criativa; 4. A pesquisa constatou ainda uma forte cobrança de prazo nos cumprimentos das tarefas para os servidores solteiros, separados e do gênero feminino; e 5. Outro aspecto a ser destacado trata das tarefas repetidas para quem tem menor renda: estagiários, terceirizados e mais jovens. Com relação ao fator OT, há uma necessidade de mudanças no ambiente laboral e de intervenções por meio de projetos de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), que venham a incrementar o bem-estar desses trabalhadores

Palavras-chave


Qualidade de vida no trabalho. IFRN. Organização no trabalho


Texto completo:

Referências


ABRAHÃO, J.; TORRES, C. Entre a organização do trabalho e o sofrimento: o papel de mediação da atividade. Revista Produção, v. 14, n. 3, p. 67-76, 2004.

BELO, E. F.; MORAIS, L. F. Qualidade de Vida no Trabalho de garis. In: SANT’ANNA, A.; KILIMNIK, Z. M. (Org.). Qualidade de Vida no Trabalho: abordagens e fundamentos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. p. 56-69.

BIEHL, K. A. Grupos e equipes de trabalho: uma estratégia de gestão. In: BITTENCOURT, Claudia (org.) Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman 2004, p.133-143.

FALCÃO, J. T. R.; RÉGNIER, J. Sobre os métodos quantitativos na pesquisa em ciências humanas: riscos e benefícios para o pesquisador. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília,

v. 81, n. 198, p. 229-243, maio/ago. 2000.

FERNANDES, S. R.; MENEZES. I. V. P. Organização do trabalho: implicações para saúde do trabalhador. In: FERREIRA, M. C.; MENDONÇA, H. (Org.). Saúde e bem-estar no trabalho. São Paulo:

Caso do Psicólogo, 2012, p.261-275.

FERREIRA, M. C. Inventário de Avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho (IA_QVT): instrumento para diagnóstico e planejamento. Fórum Internacional de Qualidade de Vida no Trabalho, 2009.

FERREIRA, M. C. Qualidade de vida no trabalho: uma abordagem centrada no olhar dos trabalhadores. Brasília: Edições ler, pensar e agir, 2011.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Trabalho e riscos de adoecimento: O caso dos auditoresfiscais da Previdência Social Brasileira. Brasília:

Edições Ler, Pensar, Agir (LPA), 2003.

FERREIRA, M. C. et al. Qualidade de vida no trabalho: questões fundamentais e perspectivas de análises e intervenção. Brasília: Paralelo 15, 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMES, M. J. F. et al. Dimensões da QVT sob a ótica dos servidores do IFRN. In: FÓRUM INTERNACIONAL DE QVT, 17. 2015, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: ISMA, 2015a. p. 20-33.

______. Conceito Qualitativo de QVT: perspectiva dos servidores do IFRN. In: FÓRUM INTERNACIONAL DE QVT, 17. 2015, Porto Alegre.

Anais... Porto Alegre: ISMA, 2015b. p. 1-13.

LEITE, M. P. Reestruturação produtiva, novas tecnologias e novas formas de gestão da mão de obra. In: Oliveira, C. A. et al. (Org.). O mundo do trabalho, crise e mudanças no final do século. São Paulo: Scritta/Campinas: Cesit-Unicamp, 1994.

VASAPOLLO, L. O trabalho atípico e a precariedade. São Paulo: Expressão popular, 2005.

VOLKOFF, S.; HIRATA, H. O tempo, a saúde, a seleção: três questões relativas aos “modelos japoneses”. In: VOLKOFF, S.; HIRATA, H. (Org.). Sobre o Modelo Japonês: Automação, Novas

Formas de Organização e Relações de Trabalho. São Paulo: Edusp, 1993, p. 267-278.

WOOD, S. J. Tayloismo e/ou japonização. IN: HIRATA, H. (Org.). Sobre o modelo Japonês. São Paulo: Edusp, 2003, p.49-78.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/1517-03062015v1n36p68-76

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 632

Total de downloads do artigo: 403