O FUTURO QUE NÓS CRIAMOS: A PERSPECTIVA DA SUSTENTABILIDADE EM FUTUROS ADMINISTRADORES

Johannes de Oliveira Lima Júnior

Instituto Federal do Piauí - IFPI Brasil

Pesquisador de Iniciação Científica no Instituto Federal do Piauí (IFPI). Discente do Bacharelado em Administração de Empresas do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Rafael Fernandes de Mesquita

Instituto Federal do Piauí - IFPI Brasil

Doutor em Administração de Empresas pela Universidade Potiguar - UnP. Professor do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Natália Alves dos Santos

Instituto Federal do Piauí - IFPI Brasil

Discente do Bacharelado em Administração de Empresas do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Wellington Gomes Ferreira

Instituto Federal do Piauí - IFPI Brasil

Discente do Bacharelado em Administração de Empresas do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Felipe dos Santos Silva

Instituto Federal do Piauí - IFPI Brasil

Discente do Bacharelado em Administração de Empresas do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Fátima Regina Ney Matos

Instituto Superior Miguel Tonga - ISMT/Coimbra-Portugal

Doutora em Administração de Empresas (UFPE) com estágio pós-doutoral na Universidade de Aveiro - Portugal. Professora do Instituto Superior Miguel Tonga - ISMT/Coimbra-Portugal.

Resumo

A sociedade contemporânea enfrenta problemas socioambientais globais e, com advento desse novo paradigma, os futuros gestores devem estar preparados para suprir essa demanda consequente da sociedade. Neste contexto, questionou-se: como futuros administradores, profissionais em formação, percebem sua atuação a partir de uma perspectiva de administração sustentável? Dessa forma, objetivou-se com este artigo, em âmbito geral, analisar a percepção futura de administradores em formação para uma atuação sustentável nas empresas. Para isso, desenvolveu-se uma pesquisa de abordagem qualitativa, utilizando-se da técnica projetiva de construção para captar a perspectiva da sustentabilidade de alunos do quinto período de um curso de administração de empresas, se fundamentando principalmente no conceito de sustentabilidade abordado por Elkington, a partir do Triple Bottom Line (TBL). Com os resultados desta pesquisa, percebeu-se que os alunos demonstraram maior afinidade quanto ao aspecto econômico e social do TBL, evidenciando a insuficiência de conhecimento ou expectativa de aplicabilidade sobre o pilar ambiental.

Texto completo:

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: edições, v. 70, p. 225, 2000.

BARTER, N.; RUSSELL, S. Sustainable Development: 1987 to 2012 – Don’t Be Naive, it’s not about the Environment. In: 11th Australasian Conference On Social And Environmental Accounting Research (A-CSEAR). Proceedings...University of Wollongong, 2012. p. 1-18.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: Bauer, M. W.;Gaskell, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático.São Paulo: Vozes, v. 2, p. 64-89, 2012.

BIZERRIL, M. et al. Sustainability in higher education: A review of contributions from Portuguese Speaking Countries. Journal of cleaner production, v. 171, p. 600-612, 2018. DOI: 10.1016/j.jclepro.2017.10.048.

BRAGA, C. S. C. et al. Contributions and limits to the use of softwares to support content analysis. In: World Conference on Qualitative Research. Springer, Cham, 2018. p. 12-21.

BRUNNQUELL, C.; et al. Education for sustainability, critical reflection and transformative learning: professors' experiences in Brazilian administration courses. International Journal of Innovation and Sustainable Development, v. 9, n. 3-4, p. 321-342, 2015.

CEZARINO, L. O. et al. Students knowledge of sustainability issues in higher education. Latin American Journal of Management for Sustainable Development, v. 4, n. 1, p. 24-40, 2018.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2006.

DOVERS, S. R.; HANDMER, J. W. Uncertainty, sustainability and change. Global Environmental Change, v. 2, n. 4, p. 262-276, 1992.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

FARIA, A. C. et al. Influência do Conhecimento sobre Sustentabilidade nas Atitudes, Comportamentos e Consumo de Estudantes de Administração. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 17, n. 2, p. 239-260, 2018.

FEIL, A.A; SCHREIBER, D. Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: desvendando as sobreposições e alcances de seus significados. Cadernos EBAPE.BR, v. 14, no 3, Artigo 7, Rio de Janeiro, Jul./Set. 2017.

JACOBI, P. R. et al. Educação para sustentabilidade nos cursos de administração: reflexão sobre paradigmas e práticas. Revista de Administração Mackenzie, v.12, n.3, p.21-50, 2011.

JAMALI, D. Insights into triple bottom line integration from a learning organization perspective. Business Process Management Journal, v. 12, n. 6, p. 809-821, 2006.

LARA, L. G. A; OLIVEIRA, S. A. A ideologia do crescimento econômico e o discurso empresarial do desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE. BR, v. 15, n. 2, p. 326-348, 2017.

LATOUCHE, S. Pequeno tratado do decrescimento sereno. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

LÉON-SORIANO, R.; MUNÕZ-TORRES, M. J.; CHALMETA-ROSALEN, R. Methodology for sustainability strategic planning and management. Industrial Management & Data Systems, v. 110, n. 2, p. 249-268, 2010.

LESSA, B. S.; SPIER, K. B.; NASCIMENTO, L. F. M. Barriers to sustainability in management schools: a bourdieusian explanation. Administração, ensino e pesquisa, v.19, n. 3, p. 555-582, 2018.

MATTOS, P. L. C. L. Análise de entrevistas não estruturadas: da formalização à pragmática da linguagem. In: Godoi, C. K.; Bandeira-de-Melo, R.; Silva, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

MAZLOOMI, M.; HASSAN, A. S. Sustainable Development: Divergences and complexities in Interpretation. In: 2nd INTERNATIONAL CONFERENCE ON BUILT ENVIRONMENT IN DEVELOPING COUNTRIES, p. 310-322, 2008.

MEDEIROS, M. L. et al. Técnicas projetivas: aplicações, limitações e potenciais para o uso em pesquisas em turismo. Marketing &Tourism Review, v. 2, n. 1, 2017.

MESQUITA, R. F; MATOS, F. R. N. A abordagem qualitativa nas ciências administrativas: aspectos históricos, tipologias e perspectivas futuras. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 5, n. 1, p. 7-22, 2014.

MESQUITA, R. F. et al. Divulgação da responsabilidade social e desempenho de universidades brasileiras. Revista Gestão e Desenvolvimento, v. 17, n. 1, p. 70-86, 2020.

MESQUITA, R. F. et al. Mining and the sustainable development goals: a systematic literature review. Geo-Resources Environment and Engineering (GREE), v. 2, p. 29-34, 2017.

MORAIS-DA-SILVA, R. L.et al. Empresas atuantes na base da pirâmide e suas contribuições para a sustentabilidade: quadro de análise e evidências empíricas. Cadernos EBAPE. BR, v. 16, n. 2, p. 286-301, 2018.

MORI, K.; CHRISTODOULOU, A. Review of sustainability indices and indicators: Towards a new City Sustainability Index (CSI). Environmental Impact Assessment Review, v. 32, n. 1, p. 94-106, 2012.

MUNCK, L.; GALLELI, B.; SOUZA, R. B. Competências para a sustentabilidade organizacional: a proposição de um framework representativo do acontecimento da ecoeficiência. Production, v. 23, n. 3, p. 652-669, 2013.

PESSOA, R. A. Formação de redes de economia solidária: o caso da Rede Abelha Ceará. 114f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Pós-Graduação em Administração de Empresas, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2008.

RIEDNER, L.; et al. Dimensão social da sustentabilidade: uma análise a partir de propriedades produtoras de mandioca. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 14, n. 3, 2018.

SEIFERT, R. E.; VIZEU, F. Tréplica: Davi e Golias – possibilidades de ruptura ao gigantismo em estudos organizacionais e de gestão. Revista de Administração Contemporânea, v. 19, n. 1, p. 160-168, 2015.

SENA, A. M. C. et al. Abordagem grassroots e resistência: atualizando a concepção de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE. BR, v. 15, n. 3, p. 651-666, 2017.

SILVA, H. H. M. et al. O isomorfismo na educação ambiental como tema transversal em programas de graduação em administração. Revista de Ciências da Administração, v. 15, n. 37, p.170-186, 2013.

SILVEIRA, M. A.; KIKUCHI, L. S.; POLICENO, C. A. Inovação e Aprendizagem Organizacional para a Sustentabilidade: desenvolvimento de competências na indústria de equipamentos eletrodomésticos. Revista Gestão & Conexões, v. 2, n. 1, p. 76-93, 2013.

SLIMANE, M. Role and relationship between leadership and sustainable development to release social, human, and cultural dimension. Social and Behavioral Sciences, v. 41, p. 92-99, 2012.

SOUSA FILHO, J. M.; et al. Análise do comportamento ecológico de estudantes de administração. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), v. 21, n. 2, p. 300-319, 2015.

VEIGA, J. E. Indicadores de sustentabilidade. Estudos avançados, v. 24, n. 68, p. 39-52, 2010.

VENKATRAMAN, S; NAYAK, R. R. Relationships among triple bottom line elements. Journal of Global Responsibility, v. 6, n. 2, p.195-214, 2015.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 6a.ed. São Paulo: Atlas, 2015.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/2526-2289v5n4p80-101

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 167

Total de downloads do artigo: 103