GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ELEMENTOS CONSTITUINTES PARA O CONTEXTO ORGANIZACIONAL

Silvio Luiz de Paula

ORCID iD Departamento de Ciência da Informação/UFPE Brasil

Professor Adjunto da UFPE. Graduação, Mestrado e Doutorado em Adminsitração.

Nadi Helena Presser

ORCID iD Departamento de Ciência da Informação/UFPE Brasil

Professora Adjunta da UFPE.

Resumo

A gestão da informação possibilita identificar os modos de potencializar a apropriação da informação por parte dos usuários em dado contexto, bem como entender seu comportamento informacional e suas necessidades informacionais para atendê-las por meio de produtos de informação, utilizando-se de elementos de representação, organização e arquitetura da informação, dentre outros. Assim, percebe-se uma oportunidade para melhor entender a gestão da informação com seus antecedentes e consequentes, deste modo, o manuscrito tem como objetivo realizar uma revisão de literatura sobre o tema gestão da informação. Para tanto, percorre de forma não exaustiva a constituição da Ciência da informação, aportando nos elementos constitutivos da gestão da informação: fluxo, contexto, mediação e competência informacional. Espera-se que o manuscrito clarifique o entendimento sobre os elementos da gestão da informação para os interessados na área.

Texto completo:

Referências


ALA-MUTKA, Kirsti. Mapping Digital Competence: Towards a Conceptual Understanding. Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2011.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Mediação da informação e múltiplas linguagens. Pesq. Bras. CI. Inf., v.2, n.1, p.89-103, jan./dez. 2009.

BEAL. Adriana. Segurança da informação: princípios e as melhores práticas para a proteção dos ativos de informações nas organizações. São Paulo: Atlas, 2008.

BEHRENS, Shirley J. A conceptual analysis and historical overview of information literacy. College & Research Libraries, v. 55, n. 4, p. 309- 323, 1994.

BELLUZZO, Regina Celia Baptista; KOBAYASHI, Maria do Carmo Monteiro; FERES, Glória Georges. Information literacy: um indicador de competência para a formação permanente de professores na sociedade do conhecimento. Educação Temática Digital, Campinas. v.6, n.1, p.88-99, dez. 2004.

BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Competências Na Era Digital: Desafios Tangíveis Para Bibliotecários E Educadores. ETD – Educação Temática Digital, v.6, n.2, p.30-50, jun. 2005.

BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Como desenvolver a competência em informação (CI): uma mediação integrada entre biblioteca e escola. CRB – 8 Digital, São Paulo , v.1, n.2, p.11-14, 2008.

BORKO, H. Information Science: What is it? American Documentation, v.19, n.1, p.3-5, Jan. 1968.

BRAMAN, S. Defining information: An approach for policy-makers. Telecommunications Policy, v.13, n.3, p.233-242, 1989.

CAMPELLO, Bernadete. O movimento da competência informacional: uma perspectiva para o letramento informacional. Ci. Inf., Brasília. v. 32, n. 3, p. 28-37, 2003.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e Ciência da Informação. V Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Belo Horizonte, 2003. Disponível em: < http://www.capurro.de/enancib_p.htm>. Acesso em: abril, 2017.

CAREGNATO, Sônia Elisa. O DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES INFORMACIONAIS: o papel das bibliotecas universitárias no contexto da informação digital em rede. Revista de Biblioteconomia & Comunicação. v.8, p. 47-55, 2000.

CATTS, Ralph; LAU, Jesus. Towards Information Literacy Indicators. UNESCO: Paris, 2008.

CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac, 2003.

COURTRIGHT, Christina. Context in information behavior research. Annual Review of Information Science and Technology. v. 41, n. 1, p. 273–306, 2007.

DAVENPORT, Thomas. H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 2002.

DUDZIAK, Elisabeth Adriana. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ci. Inf.. v. 32, n.1, p.23-35, 2003.

DURUGBO, Christopher; TIWARI, Ashutosh; ALCOCK, Jeffrey R. Modelling information flow for organisations: A review of approaches and future challenges. International Journal of Information Management, v.33, p. 597– 610, 2013.

ETS. Beyond Technical Competence:Literacy in Information and Communication Technology. Educational Testing Service, 2005.

FADEL, Barbara; ALMEIDA, Carlos Cândido de; CASARIN, Hélen de Castro Silva; VALENTIM, Marta lígia Pomim; ALMEIDA JUNIOR, Oswaldo Francisco de; BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Gestão mediação e uso da informação. In: VALENTIM, Marta. Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

FARIAS, G. B. Competência em informação no ensino de biblioteconomia: por uma aprendizagem significativa e criativa . 183 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação ) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista. Marília: UNESP, 2014.

FARIAS, Christianne Martins; VITORINO, Elizete Vieira. Competência informacional e dimensões da competência do bibliotecário no contexto escolar. Perspectivas em Ciência da Informação. v.14, n.2, p.2-16, 2009.

FARIAS, Gabriela Belmont de; BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Competência Em Informação: Perspectiva Didática Pedagógica. Inf. Inf., Londrina, v. 22, n. 3, p. 112 – 135, set../out. 2017.

FARRADENE, J. Knowledge, information, and information Science. Journal of Information Science, v. 2, n. 2, p. 75-80, 1980.

FERRARI, Anusca. Digital Competence in Practice: An Analysis of Frameworks. Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2012

FLORIDI, Luciano. LIS as applied philosophy of information: a reappraisal. Library Trend. v. 52, n. 3, p. 658-65, 2004.

GALLIERS, Robert D.; LAND, Frank. Choosing appropriate information systems research methodologies. Communications of the ACM. v.30, n.11, p. 900-902, 1987.

GASQUE, Kelley Cristine Gonçalves Dias. Arcabouço conceitual do letramento informacional. Ci. Inf., Brasília, DF, v. 39 n. 3, p.83-92, set./dez., 2010

HARMON, Glynn. On the evolution of information science. Journal of the American Society for Information Science. v. 21, n. 4, p. 235–241, 1971.

HAWKINS, Donald T. Information Science Abstracts: Tracking the Literature of Information Science. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 52, n. 1, p.44–53, 2001.

HIBBERD, Betty Jo; EVATT, Allison. Mapping information flows: A practical guide. The Information Management Journal, v. 38; n. 1, p.58–64, 2004.

HJØRLAND, Birger.Theory and Metatheory of Information Science: A New Interpretation. Journal of Documentation, v. 54, n. 5, p. 606­621, 1998.

HORTON, Forest Woody Jr. Understanding Information Literacy: APrimer. Paris: UNESCO, 2007.

JOHANNESSEN, Jon-Arild. Problems and difficulties related to information Science. Kybernetes. v. 26, n. 5, p. 537-554, 1997. Doi: http://dx.doi.org/10.1108/03684929710176511

JOHANNESSEN, Jon Arild; OLSEN, Bjorn; OLAISEN, Johan. Aspects of innovation theory based on knowledge-management. International Journal of Information Management. V.19, N.2, P121-139, April, 1999. Doi: https://doi.org/10.1016/S0268-4012(99)00004-3

KLEMPNER, Irving M. Information Science Unlimeted? A position paper. American Documentation. v. 20, n. 4, p. 339-343, 1969.

LE COADIC, Yves M. Ciência da Informação. Brasília: Briquet de Lemos, 1996.

LESCA, Humbert; ALMEIDA, Fernando C. de. Administração estratégica da informação. Revista de Administração. v. 29, n.3, p. 66-75, 1994.

LOWE, Gavin. Semantic models for information flow. Theoretical Computer Science. v. 315, n. 209-256, 2004.

McGEE, James V.; PRUSAK, Laurence. Gerenciamento estratégico da informação: aumento a competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

MERZEAU, Louise. Du signe à la trace: l’information sur mesure. In: ARNAUD, Michel; MERZEAU, Louise (Org). Paris, CNRS Éditions, avril 2009.

MORIGI, Valdir José; SEMENSATTO, Simone; SIBILA, Francine Tengaten. Ciclo e fluxo informacional nas festas comunitárias. Inf. & Soc. v.16, n.1, p.193-201, jan./jun. 2006

NEVES, Bárbara Coelho. Mediação da informação para agentes sociodigitais: o salto. CI. Inf., v.40, n.3, p.413-424, set./dez. 2011.

OJEU. Official Journal of the European Union. Disponível em http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:2006:394:0010:0018:en:PDF Acessado em novembro de 2016.

PAULA, S. L. de. Conceituação, condicionantes e impactos da inteligência informacional: um estudo sobre aspectos informacionais no contexto de videogames e suas implicações entre estudantes de graduação em administração. 2018. Tese (Doutorado em Administração) – Programa de Pós Graduação em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2018.

PAULA, Sílvio Luiz de. SOUZA, Bruno Campelo. Inteligência informacional: aspectos informacionais no contexto de videogames e suas implicações entre estudantes de graduação. Ci.Inf., v.48 n.3, p.155-172, 2019.

PAULA, Sílvio Luiz de; SOUZA, Bruno Campello de. Inteligência Informacional e Hipercultura entre Estudantes de Graduação. Perspectivas em Ciência da Informação, n. 1, v. 25, p. 31-52, 2020

PINHEIRO, Lena Vania Ribeiro. A ciência da informação entre sombra e luz: domínio epistemológico e campo interdisciplinar. Rio de Janeiro: UFRJ/ECO, 1997.

PRESSER, Nadi Helena; AZEVEDO, Alexander Willian; MELO, Willian Lima. Contexto Social E Comportamento Informacional. In: XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ANAIS). ENANCIB: 2013.

PRESSER, Nadi Helena; PAULA, Silvio Luiz; SANTOS, Raimundo Nonato Macedo dos; ARAUJO, José Renato da Silva. Mediação da Informação: uma análise das competências atitudinais requeridas do profissional de informação. ÁGORA. v. 25, n. 50, p. 172-190, jan./jun. 2015.

RABELLO, Rodrigo. Leituras sobre usuário e uso de informação na Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v.18, n.4, p.152-184, 2013.

RIBEIRO, Fernanda. Da mediação passiva à mediação pós custodial: o papel da ciência da informação na sociedade em rede. Inf. & Soc. v.20, n.1, p.63-70, 2010.

SALAÜN, Jean-Michel. La redocumentarisation, un défi pour les sciences de l’information. Études de Communication, 30, 2007.

SARACEVIC, Tefko. Information Science. Journal Of The American Society For Information Science. v. 50, n. 12, p.1051–1063, 1999.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu. Exclusão Digital: a miséria na era da informação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

Sioux, Blend & ESPM. Pesquisa Game Brasil. 2017.

SMIT, Johanna. W.; BARRETO, Aldo de Albuquerque. Ciência da informação: base conceitual para a formação do profissional. In: VALENTIM, Marta Lígia (Org.). Formação do profissional da informação. São Paulo: Polis, 2002. cap.1, p.9-23.

SOUZA, Bruno Campello. A Teoria da Mediação Cognitiva: Os impactos cognitivos da Hipercultura e da Mediação Digital. 2004. 289 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

SOUZA, Bruno Campello. A Teoria da Mediação Cognitiva. In: MEIRA, Luciano L.; SPINILLO, ALINA G. (Org.). Psicologia cognitiva: Cultura, Desenvolvimento e Aprendizagem. Recife: Pernambuco: Editora da UFPE, 2006.

THIESEN, Icleia. "Inteligência Informacional" e Ciência da Informação: um esboço de trajeto. In: XI ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. São Paulo: ANCIB / USP, 2010.

VAN DEURSEN, Alexander J. A. M.; VAN DIJK, Jan. A. G. M.; Peters, Oscar. Rethinking Internet skills: The contribution of gender, age, education, Internet experience, and hours online to medium- and content-related Internet skills. Poetics. v.39, n.2, p.125-144, 2011. doi: 10.1016/j.poetic.2011.02.001

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

ZINS, Chaim. Redefining information science: from “information science” to “knowledge science”, Journal of Documentation. v.62, n.4, p.447-461, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1108/00220410610673846

WILSON, T. D. Human Information Behavior. Informing Science. v.3, n.2, p.49-55, 2000.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/2526-2289v5n1p168-195

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 302

Total de downloads do artigo: 239