UMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS E A DEMANDA DO MERCADO NA “ERA DA ECONOMIA EM REDE”

Gabriel Barbosa da Silva

Universidade Federal de Pernambuco Brasil

Graduando em Gestão da Informação, UFPE.

Presidente da Infoco Consultoria Jr.

Audry Rose Mattos Ávalos Ibragimova

Universidade Federal de Pernambuco Brasil

Graduanda em Gestão da Informação, UFPE.

Luan Pedro Teixeira de Araujo

Universidade Federal de Pernambuco Brasil

Graduanda em Gestão da Informação, UFPE.

Resumo

A Gestão da Informação emerge na “Era da Economia em Rede” como alternativa para garantir a sobrevivência e competitividade das organizações. Viabiliza às mesmas lidar estrategicamente com a informação, tornando-as capazes de inovar organizacionalmente, produtivamente e tecnologicamente. Configura-se como área interdisciplinar dentro da Ciência Contemporânea, o que por sua vez, acaba por gerar diferentes visões e interpretações quanto ao conjunto básico de disciplinas que a compõe. Diante dessa abordagem, o artigo tem como objetivo geral compreender os perfis profissionais e curriculares dos cursos de graduação em Gestão da Informação das Instituições Federais de Ensino Superior e como, objetivo específico,  identificar as similaridades e diferenças disciplinares dos Projetos Pedagógicos de tais instituições. Indica o método indutivo, através de uma pesquisa exploratória que se utiliza de uma pesquisa documental como principal procedimento de coleta de dados. Utilizou-se a MAXQDA Analytics como software para a análise qualitativa e quantitativa de dados e informações. Com os dados estruturados, foi feita uma verificação para buscar possíveis erros de formatação e digitação, eliminando as stopwords e os sintagmas nominais de cada disciplina pelo software OGMA. Os resultados obtidos com a pesquisa contribuem para o debate teórico acerca de uma proposta para uma Diretriz Curricular Nacional de Gestão da Informação, como também para a reforma curricular do curso da Universidade Federal de Pernambuco.

Texto completo:

Referências


FELL, A. F. A.; ALCOFORADO, E. S.; VOCHT, M. C. Gestão do Conhecimento Organizacional: Uma

Análise Crítico-Introdutória. XII SIMPEP – Bauru, SP, Brasil. 7 a 9 de novembro de 2005.

CASTELLS, M.; CARDOSO, G. A Sociedade em Rede: Do Conhecimento à Acção Política.

Conferência. Belém (Portugal): Imprensa Nacional. 2005. 439p. Disponível em:

%C3%A7%C3%A3o_Pol%C3%ADtica_Organizado_por_Manuel_Castells_e_Gustavo_Cardoso >

Acesso em: 03 ago. 2019.

BRÍGIDA, F. B. S. et al. No mundo do Letramento Digital, os professores da Alfabetização: uma

análise da Escola de Ensino Fundamental Profa. Emiliana Sarmento Ferreira. VIII Simpósio Nacional

da ABCiber: COMUNICAÇÃO E CULTURA NA ERA DE TECNOLOGIAS MIDIÁTICAS

ONIPRESENTES E ONISCIENTES ESPM-SP – 3 a 5 de dezembro de 2014. 12p. Disponível em:

http://abciber.org.br/simposio2014/anais/GTs/fabricio_borges_santa_brigida_167.pdf> Acesso em: 03

ago. 2019.

AMORIM, M. C. S.; FREDERICO, R. Criatividade, inovação e controle nas organizações.

Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 42, n. 1 e 2, p. 75-89, maio 2008. ISSN 2178-

Disponível em:.

Acesso em: 04 ago. 2019.

PAROLIN, S. R. H.; ALBUQUERQUE, L. G. A criatividade, a inovação e a competência dos gestores:

suas relações com o comprometimento organizacional. Disponível

em: Acesso em: 11 ago. 2019.

AMORIM, M. C. S.; FREDERICO, R. Criatividade, inovação e controle nas organizações.

Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 42, n. 1 e 2, p. 75-89, maio 2008. ISSN 2178-

Disponível em:

. Acesso em: 04

ago. 2019.

CATANI, A. M.; OLIVEIRA, J. F.; DOURADO, L. F. Política educacional, mudanças no mundo do

trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. Educ. Soc., Campinas, v. 22, n. 75, p.

-83, ago. 2001. Disponível em

&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 04 ago. 2019.

REINSEL, D.; GANTZ, J. The Digital Universe in 2020: Big Data, Bigger Digital Shadows, and

Biggest Growth in The Far East – United States. IDC Country Brief. 2013. Disponível em:

Acesso

em: 04 ago. 2019.

REINSEL, D.; GANTZ, J.; RYDNING, J. Data Age 2025: The Digitization of the World From Edge to

Core. Framingham, MA, USA: IDC White Paper, 2018. Disponível em:< https://www.seagate.com/files/

www- content/our-story/trends/files/idc-seagate-dataage-whitepaper.pdf> Acesso em: 11 ago. 2019.

MINAS GERAIS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Projeto Pedagógico de Gestão

da Informação. 2013. Disponível em:

informacao> Acesso em: 11 ago. 2019.

CORDEIRO, D. F.; CASSIANO, K. K. Um Panorama do Ensino Superior em Gestão da

Informação no Brasil. Perspectivas em Ciência da Informação, v.23, n.4, p.205-220, out./dez.

Disponível em: Acesso em: 11 ago.

IBRAGIMOVA, A. R. M. A. et al. Relações Disciplinares da Ciência da Informação no Âmbito da

Gestão da Informação. In: VIII ENEGI - Encontro sobre Ciência, Tecnologia e Gestão da

Informação, 2018, Recife. Indústria da Informação: Inovação e Tecnologia no século XXI. Recife:

Editora Néctar, 2018. p. 221-231.Disponível em:

Acesso em: 04

ago. 2019.

HARVEY, D. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Tradução

de: Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. Edições Loyola: São Paulo, Brasil, 1992. 329 p.

SILVA, A. A. O Capitalismo Tardio e sua Crise: estudo das interpretações de Ernest Mandel e Jürgen

Habermas. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências

Humanas. Campinas, SP: [s.n.], 2012. 157p. Disponível em:

Acesso em: 13 ago. 2019.

SIQUEIRA, H. S. G. A Globalização sob a Ótica da Acumulação Flexível. Revista Sociais e Humanas,

[S.l.], v. 22, p. 27-40, dez. 2009. ISSN 2317-1758. Disponível em:

. Acesso em: 10 ago. 2019.

CEZAR, R. O Profissional de Gestão da Informação. Blog Passos da Gestão. 2010. Disponível em:

https://passosdagestao.blogspot.com/> Acesso em: 10 ago. 2019.

GONÇALVES, P. C. As origens das práticas de gestão da informação: dos primeiros modos de

produção à sociedade da informação. Belo Horizonte: Monografia (especialização) – Universidade

Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação, 2011. Disponível em:

BUVW/monografia_origens_pr_ticas_gi_paulo_de_castro.pdf?sequence=1> Acesso em: 11 ago. 2019.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da Informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era

da informação. Tradução: Bernadete Siqueira Abrão. São Paulo: Futura, 1998. 316p.

PINHEIRO, L. V. R.; LOUREIRO, J. M. M. Traçados e limites da ciência da informação. Ciência da

Informação, [S.l.], v. 24, n. 1, apr. 1995. ISSN 1518-8353. Disponível

em:. Acesso em: 11 ago. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de

Educação Superior. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

CURITIBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Projeto Pedagógico. 2013. Disponível em:

. Acesso em: 11

ago. 2019.

PERNAMBUCO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Projeto Político Pedagógico do

Curso de Graduação em Gestão da Informação. 2012. Disponível em:

/0/pcc_proplan_julho2012_finalrevisado.pdf/7b8a8622-cad0-4f4a-8fb8- 6cf60c43eaa4> Acesso em: 24

ago. 2019.

MINAS GERAIS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Projeto Pedagógico do

Curso de Gestão da Informação. Uberlândia, Revisado em 2013. 54p. Disponível

em:

projeto_pedagogico_revisado_final_2013.pdf> Acesso em: 11 ago. 2019.

GOIÁS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em

Gestão da Informação. 2013. 82p. Disponível em:

< http://www.gi.fic.ufg.br/portal/wp- content/uploads/sites/35/2016/08/PPC_GI.pdf> Acesso em: 24 ago.

SANTA CATARINA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Projeto Pedagógico do

Curso Bacharelado em Ciência da Informação. 2019. 40p. Disponível em:

Acesso

em: 24 ago. 2019

BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO. Classificação Brasileira de Ocupações. Disponível

em: Acesso em: 24

ago. 2019.

MINAS GERAIS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Projeto Pedagógico do Curso

de Gestão da Informação. Uberlândia, Revisado em 2013. 54p. Disponível

em:

projeto_pedagogico_revisado_final_2013.pdf> Acesso em: 11 ago. 2019.

FIRJAN. INDÚSTRIA 4.0: Internet das Coisas. Junho de 2016. CADERNOS SENAI DE INOVAÇÃO.

Disponível em: < https://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-inovacao/industria-4-0.htm >

Acesso em: 10 ago. 2019.

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces004_05.pdf

Ministério do Trabalho e emprego. Classificação Brasileira de Ocupações: CBO - 3a ed. Brasília: MTE,

SPPE, 2010. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/classificacao-brasileira-de-ocupacoes-

mec_36715.html Acesso em: 10 ago. 2019.

IBGE. Indicadores IBGE - Pesquisa Mensal de Serviços - PMS. Junho 2019. Disponível em:

=&t=downloads> Acesso em: 10 ago. 2019.

BRASSCOM. SOBRAM TECNOLOGIA – CRESCIMENTO DO SETOR ACELERA. Postado por:

Alana Araújo. Maio de 2019. Disponível em:

tecnologia- crescimento-do-setor-acelera/> Acesso em: 10 ago. 2019.

. Relatório Setorial de TIC 2019. Disponível em:

Acesso em: 10 ago 2019.

. Santa Catarina tem pelo menos 700 vagas em tecnologia. Disponível em:

Acesso em: 10 ago.

PORTO DIGITAL. Porto digital Parque Tecnológico: Quer Trabalhar no Porto Digital? Faça seu

Cadastro. Peterson Mayrinck. Junho de 2019. Disponível em:

quer-trabalhar-no- porto-digital-faca-seu-cadastro> Acesso em: 10 ago. 2019.

. Em um país com desemprego de 13%, sobram vagas na área de tecnologia. Disponível em:

Acesso em: 10 ago. 2019.

empreendedorismo-da-ibm >

empreendedorismo-da-ibm >

REVISTA EXAME. Recife é o Vale do Silício brasileiro. Por Luiza Belloni, do HuffPost Brasil. Publicado

em 25 jul. 2015. Disponível em:

brasileiro/ > Acesso em:10 ago. 2019.

ALMEIDA, H. L. Política Pública de Parques Tecnológicos no Brasil: Um modelo para avaliação de

Programa. Brasília, 2016. Dissertação. Disponível em:

http://www.mestradoprofissional.gov.br/sites/images/mestrado/turma2/hideraldo-luiz-de-almeida.pdf>

Acesso em 10 ago. 2019.

McKinsey Global Institute. O futuro do mercado de trabalho: impacto em empregos, habilidades e

salários. Disponível em: < https://www.mckinsey.com/featured-insights/future-of-work/jobs-lost-jobs-

gained- what-the-future-of-work-will-mean-for-jobs-skills-and-wages/pt-br> Acesso em 10 Ago 2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA, 2008. Disponível em:

ayanrafael.files.wordpress.com/2011/08/gil-a-c-mc3a9todos-e-tc3a9cnicas-de-pesquisa-social.pdf>. Acesso

em: 23 de jul. 2019.

FERREIRA, A. F. et al. Os pilares da Gestão da Informação: os fundamentos da Ciência da

Informação, Administração e Tecnologia no curso de Gestão da Informação da UFPE. Múltiplos

Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2014. Disponível

em: Acesso em: 20 de jul.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/2526-2289v5n1p61-86

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 324

Total de downloads do artigo: 238