MEMÓRIA ORGANIZACIONAL NA PERSPECTIVA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS, DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

Rayan Aramís de Brito Feitoza

Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bacharel em Arquivologia pela UFPB.

Flávia de Araújo Telmo

Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Doutoranda e mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bacharela em Arquivologia pela UFPB.

Alzira Karla Araújo da Silva

Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Docente do Departamento de Ciência da Informação (DCI) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Emeide Nóbrega Duarte

Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Brasil

Doutora em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Docente do Departamento de Ciência da Informação (DCI) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da UFPB.

Resumo

Aborda a gestão no âmbito das organizações, mediante os documentos, as informações e os conhecimentos, na perspectiva de que estes favorecem a tomada de decisão nos ambientes organizacionais de maneira eficaz e eficiente. Objetiva apresentar, por meio dos fundamentos teóricos, a memória organizacional na perspectiva da gestão de documentos, da informação e do conhecimento. Metodologicamente, configura-se como uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, cujo procedimento adotado é a pesquisa bibliográfica, sendo utilizados artigos, livros e periódicos no intuito de obter fundamentos teóricos relevantes. Considera que a memória organizacional é formada pelas atividades de gestão de documentos, gestão da informação e gestão do conhecimento, levando em consideração que as organizações produzem documentos, informação e, consequentemente, constroem conhecimento, cujos registros destes insumos em repositórios constituem a memória da organização. Evidencia que a memória organizacional possui relações com a gestão do conhecimento, uma vez que fazem parte de um mesmo processo e é considerada como prática ou sistema de apoio ao compartilhamento. Espera que este estudo contribua com os profissionais da informação, em especial os arquivistas, e que novas pesquisas sejam realizadas, sobretudo de maneira aplicada.

Texto completo:

Referências


AMORIM, F. B.; TOMAÉL, M. I. Gestão da Informação e do conhecimento na prática organizacional: análise de estudo de casos. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas. v. 8, n. 2, p. 01-22, jan./jun. 2011. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1931/2052. Acesso em: 15 jan. 2020.

ANGELONI, M. T. (org.). Organizações do conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

ARAÚJO, C. A. Á. Fundamentos da Ciência da Informação: correntes teóricas e o conceito de informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 4, n. 1, p. 57-79, 2014. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/index.php/pgc/article/view/19120. Acesso em: 30 jul. 2019.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 232 p. (Publicações Técnicas, 41). Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/pdf/Dicion_Term_Arquiv.pdf . Acesso em: 30 jul. 2019.

BARBOSA, A. G.; MALVERDES, A. Arquivologia para concursos: Teoria, Legislação e Questões. São Paulo: Alumnus, 2015.

BARRETO, A. A. A Questão da informação. São Paulo em perspectiva, Fundação Seade, São Paulo, v. 8, n. 4, 1994. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v08n04/v08n04_01.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

BELL, D. O advento da sociedade pós-industrial. São Paulo: Cultrix, 1973.

BELLOTTO, H. L. Reflexões sobre o conceito de memória no campo da documentação administrativa. In: Arquivos Permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: FGV, 2004. p. 271-278.

BERNARDES, I. P.; DELATORRE, H. Gestão documental aplicada. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008. 54 p. Disponível em: http://amormino.com.br/livros/00000000-gestao-documental-aplicada.pdf. Acesso em: 01 ago. 2019.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das letras, 1994.

BRASIL. Lei 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de janeiro de 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8159.htm. Acesso em: 30 jul. 2019.

BROOKES, B. C. The foundations of information science. Part 1. Philosophical aspects. Journal of Information Science, v.2, p. 125-133. 1980.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significados, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac, 2003.

CIANCONI, R. B. A Gestão de Documentos, da Informação e do Conhecimento: contextualização e especificidades. In: CIANCONI, R. B.; CORDEIRO, R. I. N.; ALMEIDA, C. H. M. (org.). Gestão do conhecimento, da informação e de documentos em contextos informacionais. Niterói: PPGCI/UFF, 2013.

CRIPPA, G. Memória: geografias culturais entre memória e ciência da informação. In: MURGUIA MARANON, E.I. (org.). Memória: um lugar de diálogo para arquivos, bibliotecas e museus. São Carlos: Compacta, 2010. p. 79-110.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação. São Paulo: Futura, 2002.

DAVENPORT, T. H., PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus,1998. 237 p.

DIAS, M. M. K.; BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Gestão da informação em ciência e tecnologia sob a ótica do cliente. Bauru, SP: EDUSC, 2003. 186p.

DUARTE, E. N. Análise da produção científica em gestão do conhecimento: estratégias metodológicas e estratégias organizacionais. 2003. 300p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, 2003. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/9095/2/arquivototal.pdf. Acesso em: 10 ago. 2019

DUARTE, E. N.; LIRA, S. L.; LIRA, W. S. Gestão do Conhecimento: origem, evolução, conceitos e ações. In: DUARTE, E.; LLARENA, R. A. S.; LIRA, S. L. (org.). Da informação à auditoria de conhecimento: a base para a inteligência organizacional. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. p. 269-308.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

ISO 15.489-1. Records management – part 1: general. Geneva, ISO, 2001.

p.

KAJIMOTO, N.; VALENTIM, M. L. P. V. Aplicação do método storytelling de gestão do conhecimento para a constituição da memória organizacional do movimento Shindo Renmei. RICI: R.Ibero-amer. Ci. Inf., Brasília, v. 10, n. 2, p. 364-387, jul./dez. 2017.

LEITE, F. C. L. Modelo genérico de gestão da informação científica para instituições de pesquisa na perspectiva da comunicação científica e do acesso aberto. 2011. 182 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2011. Disponível em: http://eprints.rclis.org/16374/6/Modelo%20gen%C3%A9rico%20de%20gest%C3%A3o%20da%20informa%C3%A7%C3%A3o%20cient%C3%ADfica%20-%20Fernando%20Leite.pdf. Acesso em: 10 ago. 2019.

MENEZES, E. M. Estruturação da memória organizacional de uma instituição em iminência de evasão de especialistas: um estudo de caso da CONAB. 2006. 118 f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e da Tecnologia) - Universidade Católica de Brasília, 2006.

MOLINA, L. G.; VALENTIM, M. L. P. Memória Organizacional, Memória Corporativa e Memória Institucional: discussões conceituais e terminológicas. Revista EDICIC, v.1, n.1, p.262-276, ene./mar. 2011. Disponível em: http://www.edicic.org/revista/ Acesso em: 10 ago. 2019.

NASCIMENTO, N. M.; PAZIN-VITORIANO, M. C. C. P. O estudo da produção documental e a memória organizacional em ambientes empresariais. Em Questão, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 202-227, jan./abr. 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/65931/39119. Acesso em: Acesso em: 10 jan. 2020.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Revista Projeto História, São Paulo, n. 10, dez. 1993.

PAZIN-VITORIANO, M. C. C. Obrigação, controle e memória: aspectos legais, técnicos e culturais da produção documental de organizações privadas. 2012. 355 f. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, 2012.

POLANYI, M. The tacit dimension. Gloucester: Peter Smith, 1966. 108 p.

ROUSSEAU, J. Y; COUTURE, C. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

SILVA, A. K. A.; MOREIRA, E. C. B.; MONTEIRO, S. A. Gestão da Informação: das origens aos modelos conceituais. In: DUARTE, E.; LLARENA, R. A. S.; LIRA, S. L. (org.). Da informação à auditoria de conhecimento: a base para a inteligência organizacional. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. p. 237-268.

SOUSA, R. T. B. Tudo que não é sólido se desmancha no ar: fundamentos teóricos da gestão de documentos. In: CIANCONI, R. B.; CORDEIRO, R. I. N.; ALMEIDA, C. H. M. (org.). Gestão do conhecimento, da informação e de documentos em contextos informacionais. Niterói: PPGCI/UFF, 2013. (Coleção Estudos da Informação, v. 3).

SOUZA, E. D. Gestão da informação e do conhecimento: possibilidades, condições e perspectivas. In: GARCIA, J.; TARGINO, M. G. (org.). Desvendando facetas da gestão e políticas de informação. João Pessoa: Editora da UFPB, 2015. p. 29-56.

SOUZA, I. G. C. O.; DUARTE, E. N. Dimensões de um modelo de gestão da informação no campo da Ciência da Informação: uma revelação da produção científica do Enancib. Liinc em Revista, v.7, n.1, mar. 2011, Rio de Janeiro, p. 152-169. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/viewFile/3276/2898. Acesso em: 01 ago. 2019.

SQUIRRA, S. Sociedade do conhecimento. In: MARQUES DE MELO; SATHER, (org.). Direitos à Comunicação na Sociedade da Informação. São Bernardo do Campo, Editora da UMESP, 2005.

STEIN, E. W. Organizational Memory: Review of Concepts and Recommendations for Management. International Journal of Information Management, v.15, n.1, 1995. p. 17-32.

TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. 320 p.

TARAPANOFF, K. (org.). Inteligência, informação e conhecimento. Brasília: Unesco/IBICT, 2006.

VALENTIM, M. L. P. Gestão de Documental em Ambientes Empresariais. In: VALENTIM, M. L. P. (org.) Estudos avançados em Arquivologia. Marília: Oficina Universitária. São Paulo: Cultura Acadêmica. 2012. 318 p.

VON KROG, G.; ICHIJO, K.; NONAKA, I. Enabling knowledge creation: how to unlock the mystery of tacit knowledge and release the Power of innovation. Oxford: University Press, 2000.

WALSH, J. P.; UNGSON, G. R. Organizational Memory. The Academy of Management Review, v.16, n. 1, 1991. p. 57-91.


DOI: http://dx.doi.org/10.18265/2526-2289v5n1p123-141

O arquivo PDF selecionado deve ser carregado no navegador caso tenha instalado um plugin de leitura de arquivos PDF (por exemplo, uma versão atual do Adobe Acrobat Reader).

Como alternativa, pode-se baixar o arquivo PDF para o computador, de onde poderá abrí-lo com o leitor PDF de sua preferência. Para baixar o PDF, clique no link abaixo.

Caso deseje mais informações sobre como imprimir, salvar e trabalhar com PDFs, a Highwire Press oferece uma página de Perguntas Frequentes sobre PDFs bastante útil.

Visitas a este artigo: 379

Total de downloads do artigo: 345